Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

A incorporação de novas tecnologias no SUS

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 19/07/2017 - Data de atualização: 19/07/2017


Antes de qualquer remédio ou procedimento ser adotado pelo Sistema Único de Saúde, ele tem de receber o aval da Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias do SUS, a Conitec. O Ministério da Saúde, laboratórios, ONGs e a sociedade civil em geral podem requerer avaliação da Conitec.

Os dados apresentados para que a Conitec consiga incorporar o medicamento ao Sistema são bastante sofisticados. "Dificilmente uma ONG, por exemplo, consegue provê-los”, diz Rafael Kaliks, diretor científico do Instituto Oncoguia. "São estudos de farmacoeconomia que a gente não consegue fazer.” A farmacoeconomia é a aplicação da economia ao estudo dos medicamentos, otimizando gastos financeiros sem prejuízo ao tratamento do paciente. "O que acaba acontecendo 99% das vezes é que quem faz a solicitação de incorporação é o fabricante”, continua o oncologista.

Segundo Kalis, a Conitec deveria fazer uma avaliação econômica, mas nem sempre é o que acontece. Depois de uma consulta pública, as decisões na comissão passam por um colegiado de especialistas e por uma espécie de comitê central. "Isso nunca demora menos do que alguns anos”, revela o médico. Em caso de reprovação, "usam subterfúgios para dizer que um remédio não é bom, mas o mundo científico inteiro aceitou as drogas como padrão”. Ou seja, falta transparência no processo de aprovação.

Em outros países, como a Inglaterra, que também conta com um sistema público de saúde, esse tipo de avaliação é mais objetiva. "Há um critério que eles chamam de quali”, explica Tiago Farina, diretor jurídico do Instituto Oncoguia. "Eles fazem uma análise matemática, que é baseada no PIB. Dependendo do número de qualis, uma determinada tecnologia é incorporada.”

O Instituto Oncoguia tem algumas sugestões para acelerar esse processo no Brasil:

1. Devem existir parâmetros previamente estabelecidos do que vai determinar se uma droga tem chance ou não de ser incorporada ao SUS, estabelecendo regras a priori para que toda a sociedade saiba e aceite aquilo. "A Conitec, por exemplo, deveria se restringir a fazer a análise econômica da viabilidade da incorporação, com base em parâmetros previamente estabelecidos, ou seja, farmacoeconômicos”, diz Kaliks. "Ela não deveria dar opinião sobre a efetividade da droga, sobre seu risco. Isso já teria sido avaliado pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).” Uma droga não poderia ser distribuída no SUS se ela não aumentasse o tempo de vida dos doentes.

2. A Conitec deveria avaliar dentro de 6 meses tudo aquilo que a Anvisa registra. "Se a Anvista aprovou é porque a droga é boa e segura. Por que a gente tem de submeter de novo a uma segunda entidade?”, questiona Kaliks. "Por que não é feito automaticamente a avaliação da Conitec para ver se é viável economicamente?” De acordo com ele, isso deveria ser instituído como regra.

3. A Conitec deveria contar com especialistas que lidam com o câncer no dia a dia, como representantes da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica.

Fonte: Estadão

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive