Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

7 mitos e verdades sobre a relação entre câncer de mama e maternidade

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 04/11/2019 - Data de atualização: 04/11/2019


(LCOSMO/Thinkstock/Getty Images)

O Outubro Rosa, mês internacional de prevenção do câncer de mama, chegou ao fim, mas os debates sobre doença – que é a segunda mais recorrente entre as mulheres de todo o mundo – não podem parar.

Apesar de cada vez mais pesquisas abordarem as implicações deste tipo de câncer, formas de tratamento e prevenção, pouco se fala sobre a relação da doença com o universo materno. Afinal, ter filhos previne a doença? Amamentar diminui o risco do diagnóstico? Como as pílulas anticoncepcionais entram nessa história?

Consultamos especialistas para desvendar o que é mito e verdade neste relação:

1- Não é possível engravidar após ter câncer de mama
Mito. De acordo com a ginecologista Mariana Forghieri, cirurgiã do IBCC (Instituto Brasileiro de Controle do Câncer), é possível engravidar naturalmente, caso a menopausa química (causada pelo bloqueio dos hormônios na quimioterapia) seja reversível, ou seja, se a mulher voltar a menstruar.

Além da gravidez em si, algumas pacientes se preocupam com os efeitos da quimio ou radioterapia nos futuros filhos. Segundo a Sociedade Americana de Câncer, o risco de bebês concebidos depois do câncer apresentarem defeitos congênitos é praticamente o mesmo de crianças de mulheres que não tiveram a doença. Ainda de acordo com a entidade, um grande estudo conduzido na Suécia e Dinamarca em um período de 20 anos, relata que mais de 96% das crianças nascidas depois do tratamento de câncer da mãe eram saudáveis.

2- A mulher que menstrua cedo está mais propensa a ter câncer de mama
Verdade. A partir da primeira menstruação, a mulher começa a ovular e os hormônios que são produzidos nos ovários podem atuar favorecendo o crescimento ou desenvolvimento de um tumor. Além disso, nesse período há o desenvolvimento das glândulas mamárias. Segundo a ginecologista Mariana, quanto mais precoce é a menstruação, maior o tempo de exposição aos hormônios.

“Quanto mais ciclos hormonais a mulher tem ao longo da vida, maior é o risco de câncer de mama. Desta forma, tanto a menarca precoce quanto a menopausa tardia são fatores de risco”, acrescenta a mastologista Heliégina Palmieres, da Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo.

3- Gravidez precoce aumenta a chance de ter câncer de mama
Mito. Na realidade, é o contrário. “A gravidez é um fator protetor contra o câncer de mama, sobretudo se a mulher engravida em idade mais jovem, ao redor dos 20 a 24 anos, por exemplo”, diz Marina.

Isso porque a gestação interrompe os ciclos menstruais, fazendo um papel preventivo. “Uma das justificativas é que, quanto mais ovulações temos, maiores são os níveis de estrogênio – e maiores também as chances de formação de células cancerígenas. Então ter filhos, principalmente em idade jovem associado a amamentação, reduz o risco de câncer de mama”, complementa Heliégina.

4- Usar anticoncepcional aumenta o risco da doença
Inconclusivo, os estudos continuam avançando e não há consenso dentro da comunidade médica. No livro “Vencer o Câncer de Mama” (2015), os oncologistas Antonio Buzaid e Fernando Maluf relatam que os estudos que avaliaram o uso de anticoncepcionais hormonais (pílula, injeção, adesivo, anel vaginal ou DIU medicado) não demonstraram aumento do câncer de mama. A principal hipótese é a de que esses hormônios apenas substituem aqueles que seriam normalmente produzidos nos ovários. Sendo assim, a mulher continuaria exposta à mesma quantidade, sem alteração do total.

A oncologista clínica do Hospital Sírio-Libanês Marina Sahade ressalta que a relação entre o uso da pílula anticoncepcional e o câncer de mama ainda não está bem esclarecida, pois os diversos estudos sobre o assunto têm apresentado resultados conflitantes. “Parece que exposição ao fator hormonal influencia no aumento do risco de câncer de mama, porém esse aumento é muito pequeno se comparado a outros fatores de risco como a obesidade e sedentarismo”, diz ela.

As pesquisas são inconclusivas e a presença de casos discretos não deve orientar a decisão da pessoa, relata Heliégina. “A recomendação é que as mulheres não interrompam o uso, mas que discutam com seu médico e avaliem o risco, sobretudo para aquelas que têm casos de câncer de mama em idade jovem na família”.

5- Ter filhos em idade avançada aumenta a chance de desenvolver câncer de mama
Verdade. A mastologista Heliégina aponta para a presença de estudos que relacionam a gestação tardia com o maior risco da doença, principalmente pelo longo tempo de exposição hormonal. “Mas existem outros fatores que também podem influenciar, como a quantidade de ciclos menstruais, a exposição à radiação, a obesidade e o sedentatismo”, complementa ela.

“Uma das explicações da relação da idade da gravidez e o risco aumentado do câncer de mama é que as células das mamas crescem rapidamente e isso eleva a chance de uma multiplicação anormal, que pode causar um dano genético, que mais tarde pode se tornar um tumor mamário. Nas mulheres com mais de 35 anos, essa mutação celular é mais comum”, diz Silvio Bromberg, especialista em Ginecologia pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

6- Amamentar ou não amamentar os filhos não interfere no risco de ter câncer de mama
Mito. “Quanto mais tempo a mulher amamenta em cada gestação, menor é o risco de desenvolver um câncer de mama ao longo da vida”, conclui Marina.

A mastologista também ressalta o papel do bebê na amamentação. “Ao sugar o leite, ocorre uma “esfoliação” do tecido mamário, eliminando possíveis células agredidas”. O Instituto Nacional de Câncer complementa a explicação: “Quando termina a lactação, várias células se autodestroem, dentre elas algumas que poderiam ter lesões no material genético. Outro benefício é que as taxas de determinados hormônios que favorecem o desenvolvimento desse tipo de câncer caem durante o período de aleitamento.”

Além disso, dar leite ao bebê reduz a concentração de estrogênio em circulação, hormônio que pode virar “combustível” para o tipo mais comum de tumor na mama. No futuro, o aleitamento também faz a glândula mamária ceder terreno ao tecido gorduroso, o que diminui espaço para o câncer aparecer.

7- O tratamento com hormonioterapia não pode ser feito durante a gravidez
Verdade. “A hormonioterapia é realizada como tratamento adjuvante após a cirurgia ou como tratamento para o estado avançado da doença em mulheres com câncer de mama receptor hormonal positivo – nomenclatura que define a presença de proteínas específicas no corpo da pessoa, que se ligam ao estrogênio e a progesterona”, afirma Heliégina.

“Frequentemente, utilizamos o tamoxifeno, um medicamento que bloqueia os receptores de estrogênio nas células para que o hormônio não se una ao tumor. Esta substância não deve ser utilizada durante a gravidez e nem na amamentação”, completa ela.

A oncologista compartilha da mesma opinião. “Durante a hormonioterapia, a mulher não pode amamentar, pois não seria seguro para o bebê. Desta forma, quem está neste tratamento após o câncer de mama deve interromper o medicamento antes da gravidez e reiniciar após o fim da amamentação, sob a orientação do seu médico”.

Fonte: Bebe.com.br 

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive