Sistema de regulação da assistência à saúde não existe no Rio de Janeiro

Ver conteúdo relacionado
  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 24/08/2015 - Data de atualização: 24/08/2015

O II Fórum Regional de Discussão de Políticas de Saúde em Oncologia foi realizando no último dia 14, no Rio de Janeiro, gerando importantes debates sobre a atenção oncológica no Estado.

Organizado pelo Instituto Oncoguia para plateia de mais de 120 pessoas, o Fórum contou com palestras de diversos agentes no universo do câncer no Rio de Janeiro, como diretores de hospitais públicos, do INCA e da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica, representante da Federação dos Hospitais Filantrópicos do RJ e gerente da Agência Nacional de Saúde Suplementar, entre outros, que revelaram muitos dados alarmantes sobre as políticas públicas do câncer no estado.

Entre as discussões pautadas no eixo SUS, a relacionada à Regulação da Assistência ao Paciente com Câncer aclarou que o Estado do Rio de Janeiro não tem uma metodologia formal, organizada, para mediar o caminho do paciente dentro Sistema Único de Saúde entre o cuidado da saúde, o diagnóstico do câncer e o início do tratamento.

Sem um sistema informatizado que permite identificar e direcionar o paciente em cada uma das etapas, a capacitação dos profissionais que operam as centrais e o ‘diálogo’ entre o Estado e os Municípios para agilizar os processos, a fragilidade da regulação no Rio de Janeiro foi vista pelos palestrantes da mesa como motivo de muita preocupação e até de constrangimento.

"Embora o INCA esteja fazendo o seu trabalho, é vergonhosa a situação do Rio de Janeiro. Não conseguimos fazer os nossos registros. Eu trouxe a planilha da regulação do município, mas não vou mostrá-la, para não mostrar a nossa fragilidade”, declarou o Diretor Médico Assistencial do Hospital Federal dos Servidores do Estado do Rio de Janeiro, Dr. Plínio Tostes Berardo.

Regular a Assistência é organizar o caminho que o paciente faz para conseguir acionar o Sistema Único de Saúde em todos os seus graus de complexidade, desde o acesso a uma consulta e exame, até o final do tratamento. Gestores de hospitais do Rio de Janeiro deixaram clara a grande dificuldade para o acesso a simples exames, como a mamografia, e para os exames mais complexos, como colonoscopias e biópsias.

A mastologista Thereza Cypreste, fundadora e diretora técnica da ADAMA (Associação dos Amigos da Mama de Niterói), falou sobre a gravidade da situação na instituição onde atua. "Eu tenho um pedido de mamografia de um médico da família parado desde novembro de 2012. De que adianta iniciarmos o tratamento em até 2 meses, como preconiza a nova lei, se a paciente está estancada antes do diagnóstico, por causa da ineficiência da regulação?”, questiona.

Dra. Thereza acrescentou que além dos problemas decorrentes da ineficiência das centrais de regulação, há ainda a urgência na contratação de médicos especialistas. "No serviço que dirijo faltam patologistas. Estou com um exame desde o final do ano passado ainda sem biópsia. Porque? Pois dois médicos se aposentaram e não foi aberto concurso público até agora”.

O representante da FEMERJ - Federação dos Hospitais Filantrópicos do Rio de Janeiro – Dr. Marcelo Prelló, citou como problema maior a escassez de recursos e de serviços. "Não adianta a regulação enviar o paciente para fazer um exame se o hospital não é capaz de atendê-lo. Nós estamos aqui falando em gestão da saúde, mas deveríamos falar de gestão do subfinanciamento da saúde”.

Mais discussões

Outros debates importantes marcaram o II Fórum Regional de Discussão de Políticas de Saúde em Oncologia. Acesso ao tratamento rápido e de qualidade como saída à judicialização, a inclusão da quimioterapia oral no rol de procedimentos da ANS e discussões sobre os direitos do paciente com câncer foram temas discutidos.

Sobre o Instituto Oncoguia

O Instituto Oncoguia é uma entidade sem fins lucrativos com sede na capital paulista, fundada em 2009 com a missão acabar com o preconceito, o sofrimento e as mortes causadas pelo câncer no Brasil, por meio de ações de educação, conscientização, apoio e defesa de direitos dos pacientes.

Composta por equipe multidisciplinar de profissionais da área da saúde, direito e comunicação, o Instituto Oncoguia desenvolve projetos em 4 núcleos:Educação em Saúde; Apoio ao Paciente, Advocacy e Informação de Qualidade. Dentre os principais projetos estão o Portal Oncoguia (o maior e mais completo canal de informações brasileiro em oncologia), o Programa Oncoguia na comunidade M´Boi Mirim e o Programa de Apoio ao Paciente com Câncer,em que, por meio de ligações gratuitas, o paciente de qualquer lugar do Brasil pode tirar dúvidas a respeito de seus direitos, tratamentos e qualidade de vida.

www.oncoguia.org.br - 0800 773 1666

Mais Informações à Imprensa






Folhetos Diferentes materiais educativos para download

A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Ver versão completa do site. Desenvolvido por Lookmysite Interactive