A hora é agora: precisamos olhar para o câncer apesar da pandemia

Ver conteúdo relacionado
  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 26/04/2021 - Data de atualização: 26/04/2021

A crise devastadora gerada pelo coronavírus não impacta somente quem é acometido pela Covid-19, mas todos os cidadãos. Com o colapso do sistema de saúde — ao qual, infelizmente, assistimos por todo o Brasil —, a prevenção, o diagnóstico e o tratamento de outras doenças são adiados e interrompidos, colocando tantas vidas em risco. Já perdemos mais de 300 mil brasileiros para a Covid-19. Quantos não irão falecer indiretamente com essa tragédia…

O leitor terá ideia do que está acontecendo agora na oncologia, por exemplo? Lançamos o Radar do Câncer, que analisa dados do SUS e mostra os efeitos da pandemia nesse contexto. O cenário é assustador: só em biópsias, importantes para a confirmação do diagnóstico, houve uma redução de quase 40%, comparando março a dezembro de 2020 com o mesmo período de 2019. Sem detecção, não há tratamento. Sem diagnóstico, a doença avança e caem as chances de cura. É uma bomba-relógio!

Temos plena consciência de que a Covid-19 exige olhares e esforços gigantescos. Mas não podemos deixar os pacientes oncológicos desamparados. É hora de criar uma força-tarefa, uma iniciativa coletiva para conceber e botar em prática um plano de retomada da assistência tendo em mente a contenção de riscos.

De um lado, precisamos manter a infraestrutura funcionando para ofertar, com segurança, todos os exames preventivos, biópsias e tratamentos capazes de conter o câncer. Lembremos que, a exemplo da Covid-19, essa é uma doença que desperta medo e insegurança. Assim, do outro lado, precisamos cuidar, inclusive psicologicamente, dos pacientes, para que se sintam devidamente acolhidos. O medo existe, mas não pode paralisar.

Esse plano de ação envolve, ainda, campanhas de conscientização, busca ativa de pacientes e, por que não, mutirões de biópsias, que podem salvar muitas vidas. Se, em um cenário sem pandemia, já tínhamos de batalhar para incentivar a prevenção e o diagnóstico precoce, agora esse esforço não precisa ser apenas mantido, mas intensificado. É triste projetar que, com ou sem Covid-19, vamos enfrentar um surto de tumores avançados, que deixaram de ser flagrados e tratados a tempo.

Trazer esse debate em um momento em que as atenções, decisões e orçamentos se destinam à luta contra o vírus é um desafio. Mas, como quem representa e defende os pacientes com câncer no Brasil, não podemos deixar a tarefa para amanhã.

Ao longo da última década, promovemos anualmente um fórum nacional para discutir a assistência ao câncer no SUS e na saúde suplementar. Em 2021, de 4 a 7 de maio, realizaremos mais uma vez um evento virtual que reunirá pacientes, familiares, entidades de classe, sociedades médicas, gestores e governo.

A missão é encontrarmos, juntos, caminhos mais profícuos para seguir com os atendimentos oncológicos e evitar um futuro sombrio. Essa união, seguida de ações estratégicas e perenes, é crucial para que nenhum paciente deixe de receber o cuidado adequado — seja na pandemia, seja depois dela.

*Luciana Holtz de Camargo Barros é psico-oncologista e fundadora e presidente do Instituto Oncoguia

Matéria publicada por Veja Saúde em 23/04/2020.






Folhetos Diferentes materiais educativos para download

A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Ver versão completa do site. Desenvolvido por Lookmysite Interactive