Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Danone Nutricia Sanofi Grunenthal Sirtex Servier Oncologia Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Samara Felippo toma vacina contra HPV; imunizante previne câncer e verrugas

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 02/03/2021 - Data de atualização: 02/03/2021


Samara Felippo postou um vídeo, neste sábado (27), na qual aparece tomando a vacina contra HPV, um tipo de IST (infecção sexualmente transmissível). "Hoje é dia de vacina aqui em casa", disse a atriz, que também tomou a de meningite. As filhas, de 11 e 7 anos, e o namorado receberam o imunizante.

HPV é uma sigla para Papilomavírus Humano. Até hoje são conhecidos mais de 150 tipos de HPV, associados a diversas doenças. Cerca de 40 deles podem infectar o trato anogenital (a área que compreende o ânus e a genitália).

O contato com o HPV pode acontecer já na sua primeira relação sexual. Em geral, isso não causará nenhum problema, já que, na maioria das vezes, ele será eliminado pelo sistema imunológico.

Entre as mulheres, as verrugas podem ser visíveis na vagina, na vulva ou no colo do útero. Nos homens, elas se manifestam no pênis, nos testículos ou virilha. Em ambos os sexos, as lesões poderão acometer o ânus e até a coxa.

Por outro lado, alguns tipos de HPV são oncogênicos, isto é, podem causar câncer, como o de colo de útero, ânus e boca, embora outros fatores de risco também estejam relacionados (tabagismo e histórico familiar, por exemplo).

Praticamente todos os casos de câncer de colo uterino são causados pelo HPV, mas contrair o vírus não significa que a pessoa terá câncer. A maioria das pessoas se livrará do micro-organismo por atuação de seu sistema imunológico.

Quais formas de transmissão?

O vírus pode ser contraído durante o sexo vaginal, anal, oral e até ao masturbar o parceiro. Não é necessário que haja penetração. Caso as lesões acometam a base do pênis ou da vulva, por exemplo, a camisinha poderá não impedir a sua transmissão.

Apesar disso, o uso do preservativo continua sendo um método importante de proteção e não deve ser dispensado, pois ele reduz o risco de exposição não só ao HPV, como a outros agentes infecciosos como o HIV, a gonorreia, a clamídia e o herpes.

Raramente ocorre a transmissão vertical —de mãe para filho — na hora do parto, e a presença do HPV não é motivo que impeça a evolução para o parto vaginal.

Vacinação é forma mais eficaz de prevenir infecção

Apesar de o uso do preservativo ser essencial para se proteger do HPV e de outras IST, a melhor e mais eficaz forma de prevenção dos vírus é a vacinação, especialmente antes do início da atividade sexual. A indicação para aqueles entre 9 e 14 anos está relacionada a sua maior capacidade imunológica de desenvolver anticorpos. Entretanto, adultos também podem se vacinar, apesar da queda na resposta imunológica com o passar dos anos.

A vacina é distribuída gratuitamente pelo SUS (Sistema Único de Saúde), não requer autorização prévia dos pais ou responsáveis e é composta por duas doses com intervalo de seis meses entre a primeira e a segunda aplicação.

Para quem é indicada a vacina contra HPV no SUS:

  • Meninas de 9 a 14 anos
  • Meninos de 11 a 14 anos (após os 15 anos, são 3 doses)
  • Pessoas HIV positivo
  • Transplantados entre 9 a 26 anos (recebem 3 doses da vacina).

As vacinas disponíveis no Brasil são as seguintes:

Bivalente Cobertura para os tipos HPV 16 e 18, responsáveis por 70% dos cânceres do colo de útero, mais de 90% dos casos de câncer de ânus, cerca de 70% de câncer de boca e 90% de câncer de pênis (o tipo 16).
Quadrivalente Cobertura para os tipos HPV 6, 11 (causadores de 90% das verrugas genitais) e 16 e 18 (responsáveis por 70% dos cânceres do colo de útero, mais de 90% dos casos de câncer de ânus, cerca de 70% de câncer de boca e 90% de câncer de pênis --o tipo 16).

Vacina é segura

Segura, a vacina possui a cápsula do vírus, mas não o seu DNA. Assim, quando é aplicada, o sistema imunológico reconhece a cápsula como um corpo estranho e desenvolve anticorpos que se espalham por todo o corpo.

Como não tem DNA, a vacina não é capaz de produzir a doença. Caso a pessoa imunizada tenha contato com o vírus, seus anticorpos o neutralizam e a infecção não se estabelecerá.

* Com informações de reportagens publicadas nos dias 05/03/2018 e 22/10/2019.

Fonte: Viva Bem

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive