Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Danone Nutricia Sanofi Grunenthal Sirtex Servier Oncologia Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Progressos da radioterapia facilitam o tratamento do câncer de mama

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 20/04/2021 - Data de atualização: 20/04/2021


Quando fui operada de câncer de mama por Henrique Salvador, que estava começando sua vida médica, na qual faz tanto sucesso, o Mater Dei ainda não contava com serviço de radioterapia. O resultado é que fui parar no Hospital São Francisco. O tratamento era diário, não respeitava nem sábado e nem domingo. O único cuidado era usar muito hidratante na região, para evitar queimaduras.

Era um tratamento mais do que fácil – saía de lá e vinha para o trabalho sem complicações. Trombei, mesmo, foi com a quimioterapia, que por pouco não me mata se eu não tivesse pulado fora. De lá pra cá, muita coisa mudou na área e as mortes por câncer de mama diminuíram significativamente.

O Centro de Pesquisa do São Camilo Oncologia deu início a um estudo a respeito de pacientes com diagnóstico de câncer de mama em fase inicial submetidas à cirurgia conservadora da mama. O levantamento tem como objetivo verificar a eficácia do tempo de exposição da paciente a sessões de radioterapia.

O estudo exploratório, chamado Lapidary – que traz o significado de lapidação da radioterapia –, vai analisar, além da linha de tratamento com irradiação da mama em 15 sessões (hipofracionada) por três semanas, o experimento de irradiação da mama total em apenas cinco sessões (acelerada) e, ainda, a irradiação parcial da mama em cinco sessões (acelerada parcial), ou seja, apenas no leito tumoral. Nos dois últimos, o tratamento seria feito em apenas uma semana.

As técnicas de simulação e tratamento não se modificam, de acordo com Eduardo Barbieri, médico radio-oncologista do São Camilo Oncologia e idealizador do estudo. O que muda é o volume de tratamento e o número de sessões.

“Existem dados na literatura que indicam resultados favoráveis, com redução de frações de radioterapia e ajustes de doses, permitindo o controle local do tumor e a redução dos eventos adversos tardios. O menor tempo de tratamento traz benefícios como, por exemplo, a redução do número de visitas da paciente ao hospital (de três a quatro semanas para uma semana), sem repercussão no controle local da lesão e/ou impacto no resultado estético pós-radioterapia”, informa.

Além da redução do período de tratamento, o estudo avalia a radioterapia acelerada parcial da mama, que consiste no procedimento apenas no leito tumoral em cinco sessões, preservando a maior parte da mama, com menos efeitos colaterais e melhor resultado estético.

“O racional da radioterapia parcial da mama é baseado na evidência de que mais de 85% das recaídas locais acontecem no leito tumoral inicial”, observa Barbieri. De acordo com ele, a redução do tempo de tratamento tem impacto no acesso à terapia e nos custos do sistema de saúde, pois permite tratar mais mulheres no Brasil, onde a demanda por radioterapia é reprimida, reduzindo a necessidade de deslocamento das pacientes e a quantidade de horas de trabalho. “Um desafio é reduzir a morbidade sem comprometer a capacidade de cura do câncer”, afirma.

A radioterapia pode ser realizada exclusivamente ou associada a outras modalidades terapêuticas. Inicialmente, a radioterapia pós-operatória de mama era realizada com 25 a 30 sessões, cinco vezes por semana, durante cinco a seis semanas. A partir de publicações de seguimento a longo prazo, esse esquema de hipofracionamento em 15 a 20 sessões começou a ser adotado amplamente no Brasil.

“Embora haja maior utilização do regime hipofracionado, não temos dados comparativos sobre o regime ideal de tratamento radioterápico de pacientes com câncer de mama, em estágio inicial, na nossa população. A redução desse tipo de tratamento, com os benefícios associados, é o que pretendemos comprovar”, finaliza Eduardo Barbieri.

Fonte: Estado de Minas

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive