Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Danone Nutricia Sanofi Grunenthal Sirtex Servier Oncologia Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Os cuidados e os sintomas do câncer de testículo

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 22/04/2021 - Data de atualização: 22/04/2021


O mês de abril, além de dar o devido destaque ao transtorno do espectro autista, também é o mês dos cuidados com o câncer de testículo? Apesar de ser responsável por apenas 5% dos tumores em homens, esse tipo da doença precisa de atenção e cuidado, pois tem altas taxas de cura, se diagnosticado precocemente. Por isso, surgiu o Abril Lilás, visando aumentar a conscientização sobre os cuidados com a enfermidade.

Thiago Castro, médico urologista do Hospital Anchieta de Brasília, acrescenta que o câncer de testículo é mais frequente em homens de 15 a 50 anos. "É preciso ter atenção, pois o sinal e sintoma mais comum é o aumento do volume testicular, ou aparecimento de um nódulo (caroço) no local", explica.

Ele ressalta que este nódulo pode ser confundido com orquiepididimites (inflamação dos testículos e dos epidídimos (canais localizados atrás dos testículos e que coletam e carregam o esperma), geralmente transmitidas sexualmente. Por isso, ele reforça a necessidade de se fazer o autoexame. "Esse é um hábito importante para o diagnóstico precoce desse tipo de câncer", pontua.

Além disso, o especialista ainda conta que o diagnóstico do câncer de testículo é feito pelo exame físico (palpação) pelo médico, da ultrassonografia e, também, da dosagem de marcadores tumorais no sangue.

Tratamento

Conforme Castro, em caso de forte suspeita, o urologista realiza o tratamento que é, na maioria das vezes, a retirada do testículo (orquiectomia). "Ele é enviado para anátomo-patológico, que confirma a doença. Depois, o paciente pode fazer quimio, radioterapia ou observação, a depender do estadiamento tumoral", relata.

Ele conclui: "devido à alta taxa de replicação celular o câncer de testículo responde muito bem a quimioterapia, com taxas de cura acima de 95%, mesmo em casos de doença metastática. Por isso, é de extrema importância fazer o autoexame e consultas periódicas ao médico especialista", conclui.

Fonte: Terra

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive