Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Danone Nutricia Sanofi Grunenthal Sirtex Servier Oncologia Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Cirurgia de câncer traz risco 140% maior de morte se feita próxima a diagnóstico de covid

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 18/03/2021 - Data de atualização: 18/03/2021


Cirurgias para a retirada de tumores realizadas em menos de sete semanas após o diagnóstico de covid-19 tiveram um risco de mortalidade aumentado em ao menos 140% passados 30 dias após a operação. É o que revela um estudo multicêntrico, realizado em 116 países, entre eles o Brasil, que mensurou mais uma das consequências da pandemia do coronavírus.

O trabalho, publicado na revista científica Anaesthesia na semana passada, tinha como objetivo determinar por quanto tempo idealmente é possível atrasar uma cirurgia em pacientes com câncer que foram infectados pelo Sars-CoV-2.

Os pesquisadores, ligados ao COVIDSurg Collaborative, com financiamento do Instituto Nacional de Pesquisa em Saúde, do Reino Unido, avaliaram o que ocorreu com pouco mais de 140 mil pacientes de câncer que passaram por cirurgia em outubro do ano passado em várias partes do mundo. Do total, 3.127 pacientes (2,2%) tinham recebido o diagnóstico de covid-19 algumas semanas antes do procedimento.

Nas pessoas que não tiveram covid-19, a mortalidade média foi de 1,5% no período de 30 dias após a cirurgia – dentro do considerado normal para esse tipo de procedimento. Entre os que tinham se infectado, porém, a mortalidade foi tanto maior quanto mais perto do diagnóstico de covid-19 foi feita a cirurgia, assim como também foram maiores os riscos de complicações pulmonares.

Em até duas semanas após o diagnóstico da infecção com o coronavírus, a taxa de mortalidade subiu para 4,1%; entre três e quatro semanas foi de 3,9%; e entre cinco e seis semanas, de 3,6%. Em comparação com a linha de base, o tempo da cirurgia representou, respectivamente, um aumento do risco de morte de 173%, 160% e 140%.

Somente nas cirurgias realizadas após setes semanas ou mais do diagnóstico é que o risco de mortalidade voltou a se assemelhar à de quem não teve a infecção. 

Mas se mesmo depois desse período o paciente continuasse apresentando os sintomas, a taxa de mortalidade ainda era bem maior (6%) do que para aqueles que tinham se curado mais rapidamente (2,4%) ou tinham sido assintomáticos (1,3%).

Os resultados foram similares tanto para os subgrupos de baixo risco (com menos de 70 anos, bom estado físico e pequena cirurgia) e alto risco (idade igual ou maior que 70 anos e grande cirurgia).

Decisão de esperar

“Com esse trabalho produzimos novos conhecimentos sobre o tempo de segurança do tratamento que vão mudar a forma de cuidar desses pacientes a partir de agora”, disse ao Estadão o oncologista Felipe Coimbra. Diretor do Instituto Integra Saúde e médico da área de Tumores Gastrointestinais do A.C. Camargo Cancer Center, ele foi um dos 50 pesquisadores brasileiros a colaborar com o levantamento.

O estudo traz uma base científica para orientar uma decisão que Coimbra e outros médicos do País já vinham tomando nos últimos meses. Foi o caso do representante comercial Claudio Mira Galvão, de 64 anos, que estava com uma cirurgia marcada para meados de novembro do ano passado para a retirada de tumores no fígado e na pleura, mas foi diagnosticado com covid cerca de dez dias antes. 

Como Galvão apresentou um quadro leve da infecção, os médicos, coordenados por Coimbra, sugeriram o adiamento da cirurgia para o início de dezembro  – cerca de um mês após o diagnóstico. Mas perto da nova data, ele desenvolveu uma sequela ainda pior da covid-19, a síndrome neurológica de Guillain-Barré. 

"Acordei com uma paralisia do lado direito do rosto. Fui para o hospital, fiz uma ressonância, comecei a fazer tratamento, e uma semana depois paralisou o outro lado do meu rosto. A neurologista constatou que era a síndrome de Guillain-Barré. Fiquei hospitalizado cinco dias, tomando remédio de quatro em quatro horas", conta Galvão. A cirurgia foi adiada novamente e acabou sendo realizada em 19 de janeiro, pouco mais de dois meses depois da data pensada originalmente.

"Quem tem cirurgia marcada e tem covid tem de esperar, porque mesmo se a doença vier leve, em menos de 30 dias já pode aparecer uma sequela. Aconteceu comigo com a Guillain-Barré, mas tem gente que ainda fica com falta de ar, outros sintomas. Se eu tivesse só esperado os 15 dias da covid e feito a cirurgia, aí ia vir a síndrome e certamente ia ter complicações", reflete.

"Eu nunca imaginei que com covid acabaria ficando com o rosto todo paralisado, queixo caído, sem conseguir falar nem comer, tomando água somente com canudo", afirma.

Tempo de segurança

Os autores do estudo recomendam que, dentro do possível, levando-se em conta os riscos do próprio câncer, o ideal é adiar cirurgias programadas por pelo menos sete semanas após a infecção com covid-19. O prazo precisa ser ainda maior para aqueles que permanecerem com sintomas por mais tempo.

De acordo com Coimbra, o estudo serve como uma guia, mas a decisão sobre o momento para fazer o procedimento ainda vai depender de uma avaliação de cada caso – não só da situação do paciente, mas também do momento da pandemia –, em uma decisão compartilhada por anestesistas, cirurgiões e pacientes. 

“Se o paciente chega debilitado, com dificuldade nutricional, respiração difícil, ainda se recuperando e é submetido ao estresse da cirurgia, vai ter mais complicação pulmonar”, explica o médico. “Se der para esperar, aquela taxa de mortalidade mais alta justifica o atraso”, diz. 

Já para alguns procedimentos cirúrgicos urgentes, como ressecção de tumores avançados, apontam os autores, cirurgiões e pacientes podem decidir que os riscos de atraso não são justificados.

Uma das regras de ouro na luta contra cânceres é operar sempre o mais rápido possível para garantir um maior sucesso no tratamento, mas a covid-19 trouxe um risco a mais. “Agora temos de calcular esse balanço entre quanto tempo é possível esperar para fazer a cirurgia sem prejudicar a chance de cura do paciente”, comenta Coimbra.

Os autores ressaltam que “dezenas de milhões de operações eletivas” foram canceladas durante a fase inicial da pandemia e defendem que o trabalho fornece “evidências para apoiar o reinício seguro das cirurgias no contexto de um número crescente de pessoas que sobreviveram ao Sars-CoV-2”.

Fonte: Estadão

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive