Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Danone Nutricia Sanofi Grunenthal Sirtex Servier Oncologia Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Câncer de mama: por que o controle de peso impacta na doença

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 09/03/2021 - Data de atualização: 09/03/2021


A relação entre a Obesidade e o Câncer de Mama – Por que o controle do peso e a manutenção de hábitos saudáveis são fatores importantes no combate à doença

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), cerca de 2,3 bilhões de pessoas estão com sobrepeso ou obesas. A obesidade atingiu proporções epidêmicas em todo o mundo e contribui para maior prevalência de vários tipos de câncer, dentre eles o tumor de mama.

O excesso de peso provoca um estado de inflamação crônica no corpo. Isso ocorre porque o sistema imune se prepara para conter o excesso de gordura. O problema, no entanto, é que esse mecanismo do sistema de defesa do corpo também pode atacar células saudáveis, contribuindo para um crescimento celular desordenado. Ou seja, o câncer.
Além da inflamação crônica, outros processos biológicos explicam a relação entre obesidade e neoplasias: o aumento da secreção de substâncias pró-inflamatórias; o aumento de vasos sanguíneos – utilizados pelos tumores para receberem oxigênio e nutrientes; a mudança na microbiota intestinal e maior secreção de insulina – fatores inflamatórios que podem favorecer a proliferação de células cancerígenas; e elevação dos níveis de hormônios sexuais como o estrogênio, que está associado a maior número de casos de neoplasia.

Apesar de todas essas evidências, no entanto, são poucos os brasileiros que conhecem a relação entre as duas condições. Uma pesquisa da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica mostrou que uma em cada quatro pessoas desconhecia a relação entre câncer e sobrepeso.

Obesidade e Câncer de Mama

O risco de câncer de mama aumenta em mulheres na pós-menopausa com obesidade ou diabetes, condições associadas à resistência à insulina e maior mortalidade por todas as causas de neoplasia em pacientes com esse perfil.
A revista americana Breast Cancer Research publicou um estudo demonstrando que a resistência à insulina é um fator que contribui para o pior prognóstico do câncer de mama entre mulheres negras e brancas, potencialmente por meio de efeitos diretos da insulina no RI (receptor de insulina) do tumor. Em outro estudo, publicado na revista científica Nature, a prevalência de câncer de mama, sua progressão e recorrência estão intimamente relacionadas à resistência à insulina e a doenças metabólicas.

Além do impacto no risco de desenvolver tumores de mama e no seu prognóstico, pesquisas recentes sugerem que a obesidade também pode ter um efeito negativo no tratamento. Um alto índice de massa corporal (IMC) no momento do diagnóstico pode reduzir a eficácia da quimioterapia à base de taxano, piorando os resultados de sobrevida. O taxano é uma droga lipofílica – a gordura presente no corpo da paciente pode absorver parte da droga antes que ela atinja o tumor.
De acordo com esses estudos, pacientes com sobrepeso e obesidade tratadas com um regime de quimioterapia baseado no taxano tiveram sobrevida livre de doença e sobrevida global significativamente pior em comparação com pacientes magras tratados com o mesmo regime.

Mulheres obesas submetidas à cirurgia bariátrica apresentam menor risco de desenvolver Câncer de Mama
O excesso de peso é um risco importante para várias outras doenças, como hipertensão e diabetes tipo II. Um índice de massa corporal alto (IMC) está associado, também, a um aumento relativo do risco de morte por qualquer câncer, especialmente os de mama, endométrio e ovário. Com isso em mente, pesquisadores realizaram uma revisão sistemática para investigar o impacto da cirurgia bariátrica na diminuição do risco de se desenvolver esses tumores.

O resultado é que a cirurgia pode ter um efeito protetor, reduzindo o risco de neoplasia em mulheres que se submeteram ao procedimento cirúrgico, e que a perda de peso pode exercer, ainda, um efeito protetor contra outros tipos de doenças.

A tendência atual é de reconhecer obesidade como uma doença multifatorial que contribui para a ocorrência de neoplasias, em especial, os tumores de mama. A OMS já aponta a condição como segundo maior fator de risco para o câncer, atrás somente do tabagismo. Intervenções multiprofissionais (educador físico, nutricionista, endocrinologista e psicólogo) apresentam resultados significativos no combate desta enfermidade que já se tornou um problema de saúde pública.

Fonte: Veja

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive