Planos são obrigados a pagar medicamentos contra efeitos do tratamento do câncer

Ver conteúdo relacionado
  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 01/08/2014 - Data de atualização: 01/08/2014

Medicamentos usados para combater efeitos indesejados do tratamento domiciliar contra o câncer passam a ser de cobertura obrigatória pelos planos de saúde, segundo determinação da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) publicada ontem. A resolução da ANS cobre oito grupos de terapias de controle de efeitos colaterais, como diarreia, infecções, e náusea e vômitos. 

Medicamentos com essas funções eram de cobertura obrigatória apenas no caso de tratamento em âmbito hospitalar.

STF decidirá se planos de saúde podem ser vendidos 
A norma, que tem validade imediata, complementa uma regra anterior que determinou que, a partir de janeiro de 2014, os planos de saúde passassem a oferecer o tratamento com drogas orais em 37 casos de terapias contra o câncer. Essa decisão da ANS se antecipou à entrada em vigor de uma lei federal que estabelece a obrigatoriedade de cobertura, pelos planos, das drogas orais contra o câncer – que permite o tratamento domiciliar e, por vezes, com drogas mais modernas. A lei federal, que entrou em vigor ontem também obrigou o fornecimento das drogas para controle dos efeitos colaterais. 

A ANS estima que 10 mil pessoas já façam uso das drogas orais contra o câncer recebidas dos planos de saúde. Rafael Kaliks, diretor científico do Instituto Oncoguia (entidade que vem pressionando pela oferta das drogas orais contra o câncer), comemora a ampliação feita pela ANS. "Não adianta aprovar a medicação "oral contra o câncer” se, para lidar com efeitos colaterais do tratamento, a pessoa tiver que gastar uma fortuna”, argumenta. Kaliks 

BACTÉRIA LETAL Oito pacientes foram contaminados por uma bactéria na área de emergência do Hospital de Messejana, em Fortaleza. Sete deles morreram e um continua internado. O estado de saúde dele não foi informado. De acordo com a Secretaria de Saúde do Ceará, os pacientes contaminados tinham entre 70 e 90 anos e já estavam internados em estado grave devido a doenças como insuficiência cardíaca e pulmonar. 

A primeira morte ocorreu em 7 de abril, quando o hospital começou a monitorar o caso. Segundo a pasta, a bactéria Acinetobacter balmani é comum em ambientes hospitalares. A transmissão ocorre pelo contato direto pelas mãos ou objetos contaminados. Após duas mortes em dois dias, em 29 de abril e 1º de maio, a direção do hospital decidiu fechar a área de emergência, para desinfecção e reformas. Ao todo, 20 pacientes que estavam no local foram transferidos para outros hospitais. A última morte foi registrada dia 8. Em nota, a secretaria informou que, embora os pacientes tenham sido contaminados pela bactéria, não é possível precisar se ela foi a causa das mortes. 

Matéria publicada em:
  • Em.com.br em 13/05/2014
  • Estado de Minas em 13/05/2014





Folhetos Diferentes materiais educativos para download

A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2022 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Ver versão completa do site. Desenvolvido por Lookmysite Interactive