Feridas que não cicatrizam podem ser um indicativo do câncer de boca

Ver conteúdo relacionado
  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 01/06/2022 - Data de atualização: 01/06/2022

Feridas na boca que não cicatrizam, sangramentos, dificuldade em mastigar ou engolir? Cuidado! Esses podem ser alguns dos sintomas do câncer de boca. A doença que acomete lábios, gengivas, bochechas, céu da boca, língua e assoalho bucal (região embaixo da língua), é a mais comum em homens acima dos 40 anos segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA). Tendo a maioria dos casos diagnosticados em estágios avançados, o mês de maio, que recebe o laço de cor vermelha, é dedicado a conscientização sobre os fatores de risco, sintomas e a prevenção da doença.
 
Na busca pelo diagnóstico precoce do câncer de boca, o cirurgião-dentista é um dos principais aliados. “É o dentista que geralmente tem o primeiro contato com o paciente desse tipo de tumor. É ele que examina e investiga a ocorrência de manchas, placas, nódulos, lesões vermelhas e úlceras que não cicatrizam há mais de 15 dias, sintomas de alerta para o câncer”, explica o dentista oncológico e estomatologista da Oncomed-MT (CRO 4777), Bernar Benites. O médico alerta ainda que a melhor forma de prevenção é ter uma boa higiene bucal e ir regularmente ao dentista. “A maioria das pessoas acabam não descobrindo doenças como o câncer de boca nos estágios iniciais por não terem o costume de ir ao dentista. As vezes o principal sintoma, que são as feridas que não cicatrizam, pode ser encarado como uma simples afta.”
 
Diagnóstico e preparação bucal - Após o exame clínico, se identificado alguma alteração, o paciente é encaminhado para realização de exame de biópsia. Esse procedimento consiste na remoção de uma amostra de tecido para análise e é realizado por um dentista, médico de cabeça e pescoço ou cirurgião oncológico. Se diagnosticado o câncer, a equipe médica irá definir o plano de tratamento, mas antes de iniciá-lo o cirurgião-dentista tem outro papel importante: a preparação bucal. “Com o objetivo de minimizar os efeitos colaterais do tratamento, é importante que o paciente faça um bom preparo bucal. Os procedimentos realizados compreendem limpeza, extração de dentes, restaurações, cuidados com as próteses e implantes, entre outros. Esses cuidados podem evitar a mucosite oral, úlceras parecidas com aftas, que podem surgir em função do tratamento, principalmente após as sessões de radioterapia.”
 
Tratamento – Entre as principais opções de tratamento para o câncer de boca está a cirurgia, radioterapia e a quimioterapia. O médico cirurgião oncológico da Oncomed-MT, Rodolfo Pimentel (CRM 3855-MT/ RQE 2933), explica que as técnicas podem ser realizadas isoladamente ou combinadas dependendo do local e do estágio da doença. “A cirurgia é o primeiro tratamento indicado para esse tipo de tumor. Nesse procedimento, o cirurgião remove a área afetada por meio da ressecção com margem de segurança. É importante lembrar que não há um tratamento padrão, cada caso deve ser analisado individualmente pela equipe médica para a escolha da melhor técnica, visando sempre a cura e o bem-estar do paciente.”
 
Fatores de risco – O álcool e o tabaco estão entre os principais fatores de risco desse tipo de câncer. “Fumantes e pessoas que consomem bebidas alcóolicas com frequência têm maior chance de desenvolver câncer de boca. Esses produtos possuem substâncias químicas que podem causar desgastes dentários, sangramentos e lesões na estrutura bucal”. O médico esclarece ainda, que além do etilismo e do tabagismo, há outras causas que podem aumentar o risco da doença. “Também há a incidência em pessoas que não fumam e não bebem, esses casos geralmente estão ligados a pré-disposição pelo fator genético e principalmente pela infecção pelo papilomavírus humano (HPV) por meio do sexo oral. Para a prevenção é importante vacinar meninas e meninos antes do início da vida sexual e a recomendação para os adultos é a utilização de preservativo,” reforça o médico.
 
Equipe multidisciplinar – A atuação de uma equipe multidisciplinar no tratamento de câncer de boca, principalmente em casos diagnosticados de forma avançada é fundamental. “A boca é uma região do corpo que desempenha funções importantes, como a fala, respiração, deglutição, dependendo do tipo de tratamento utilizado o paciente pode ter algumas dessas funções comprometidas, por isso é essencial o acompanhamento por vários tipos de profissionais como dentista, cirurgião oncológico, radio-oncologista, fonoaudiólogo, nutricionista, entre outros. Cada um dentro da sua especialidade cuidará para que o paciente tenha mais qualidade de vida durante o tratamento”, ressalta.
 
Diretor técnico responsável: Marcelo Benedito Mansur Bumlai CRM-MT 2663
 
Fonte: G1

 






Folhetos Diferentes materiais educativos para download

A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2022 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Ver versão completa do site. Desenvolvido por Lookmysite Interactive