Faça uma pausa ou pare de vez! Como o cigarro prejudica quem está tratando um câncer

Ver conteúdo relacionado
  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 10/12/2019 - Data de atualização: 10/12/2019

Receber o diagnóstico de câncer é algo difícil para qualquer pessoa. E mesmo sabendo da forte relação entre o tabagismo e essa doença, muitos pacientes tem dificuldade de parar de fumar.

Existem fatores envolvidos aí que contribuem para essa dificuldade em abandonar o cigarro. Uma delas é o alto nível de dependência. A outra é que encarar uma doença grave como o câncer desencadeia algumas emoções desagradáveis, que muitas vezes tendem a ser amenizadas com o cigarro. Fumar torna-se, portanto, uma válvula de escape.

Mas manter o cigarro aceso durante o tratamento prejudica e muito os resultados, diminuindo as chances de cura. Segundo o Instituto Nacional do Câncer José Alencar (INCA), já está comprovado cientificamente que parar de fumar tem efeitos positivos mesmo em quem já recebeu o diagnóstico de câncer.

Diminui a eficácia da quimioterapia:
Segundo o médico oncologista Eric Rulli, do Hospital Universitário Maria Aparecida Pedrossian, vinculado à rede da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH), a nicotina diminui o efeito de alguns quimioterápicos, em particular alguns relacionados ao tratamento do câncer de pulmão.

Ele afirma que resultados de um estudo, feito na Universidade do Sul da Flórida, mostram que a nicotina induz a produção de proteínas que protegem as células cancerígenas.

Compromete a radioterapia:
O oncologista lembra que fumar durante a radioterapia prejudica a recuperação dos tecidos sadios afetados e durante o processo de cicatrização, fazendo com que o paciente demore mais a melhorar após o tratamento.

Provoca outras complicações:
Pós-operatório mais difícil

Segundo o INCA, pacientes fumantes têm problemas na cicatrização cirúrgica e, consequentemente, tendem a ter um pós-operatório mais lento e difícil.

O médico ensina que os componentes do cigarro afetam a circulação do sangue, provocando uma vasoconstricção, que é quando as arteríolas, pequenos vasos sanguíneos, fecham e dificultam a chegada de sangue nos órgãos e tecidos.

Dessa forma, o sangue que chega com dificuldade impede também o transporte de vitaminas, minerais e oxigênio necessários para uma boa cicatrização.

Mais cigarro, menos saúde
Fumar aumenta ainda os efeitos colaterais da quimioterapia e da radioterapia, o que provoca por tabela uma redução da qualidade de vida e da resposta do tratamento, conforme afirma o INCA.

Imunidade em baixa
Naturalmente, o fumante está sujeito a desenvolver doenças respiratórias ou agravar quadros já existentes. Continuar fumando eleva o risco de infecções respiratórias, como a pneumonia, já que existe uma queda da imunidade nesse período de tratamento e fragilização do sistema respiratório por parte do tabagismo, afirma o médico.

Dieta comprometida
Durante o tratamento, é muito importante que o paciente mantenha uma boa alimentação para não emagrecer neste período. Segundo Eric Rulli, um dos efeitos da nicotina é inibir o apetite. Assim, o organismo fica mais fragilizado, potencializando os efeitos colaterais e dificultando a recuperação.   

Risco elevado
Fumar durante o tratamento ainda aumenta as chances de o paciente ter trombose, infarto e AVC (acidente vascular cerebral, popularmente conhecido como “derrame”), destaca o médico da EBSERH.

O Dr. Eric afirma que as estatísticas mostram que mais de 60% dos pacientes com câncer permanecem fumando após o diagnóstico e durante o tratamento da doença. Nesse caso, fazer uma pausa ajuda apenas momentaneamente. Assim que o paciente volta a fumar, voltam todos os riscos citados anteriormente.

O ideal é que o paciente pare de fumar definitivamente. Para isso, os profissionais de saúde que o acompanham devem orientar, aconselhar e apoiar, encaminhando-o para um atendimento adequado para que possa tratar sua dependência.

Aposte no SUS
O Sistema Único de Saúde (SUS) disponibiliza um tratamento gratuito para dependentes da nicotina, que integra o Programa Nacional de Controle do Tabagismo. Disque 136 e descubra em quais Unidades Básicas de Saúde e hospitais de seu município esse auxílio está disponível.

Fonte: Saúde Brasil

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.






A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2020 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Ver versão completa do site. Desenvolvido por Lookmysite Interactive