Estudo: DNA tumoral circulante pode indicar se quimioterapia é necessária

Ver conteúdo relacionado
  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 07/06/2022 - Data de atualização: 07/06/2022

Um estudo conduzido por pesquisadores do Hospital Johns Hopkins (EUA) indicou que
analisar um DNA "oculto" pode ajudar pacientes com câncer a evitar o tratamento sem necessidade com quimioterapia.

A pesquisa foi apresentada durante o congresso da Asco (Sociedade de Clínica
Oncológica Americana), o evento mais importante sobre a doença no mundo, e publicada no periódico New England Journal of Medicine.

A equipe acompanhou 455 pacientes com câncer colorretal tipo 2 entre 2015 e 2019,
sendo que o período compreende intervalo de cerca de 37 meses após o fim do
tratamento contra a doença.

No tipo de tumor analisado, a doença atinge as camadas musculares do cólon, mas não
está presente em demais órgãos. Por isso, a abordagem geralmente envolve cirurgia para remoção do câncer e, depois, o médico determina se o paciente vai ou não precisar de quimioterapia. Mas, por mais que o tratamento seja eficaz e seguro contra o câncer, traz impactos à qualidade de vida devido aos efeitos colaterais. 

O estudo indica que no câncer colorretal em estágio 2, normalmente apenas 25% das
pessoas realizam tratamento quimioterápico posterior.

Os pesquisadores propuseram, então, uma análise do ctDNA (DNA tumoral circulante),
quantidade do material genético com pequenas porções do tumor em circulação no
sangue. Aqueles que tivessem resultado negativo, não precisariam da terapia adicional pós-cirurgia.

"Uma abordagem guiada por ctDNA para o câncer de cólon em estágio 2 reduziu o uso de quimioterapia sem comprometer a sobrevida", escreveram no estudo.

Resultados

Segundo os dados preliminares, dos 455 participantes, 302 passaram pelo modelo de
testagem com ctDNA, enquanto o restante recebeu a abordagem padrão —baseada, por
exemplo, em avaliar se o tumor tem aparência microscópica anormal ou se espalhou para
mais tecidos.

Os modelos não apresentaram diferenças discrepantes, considerando as taxas de
sobrevida e recorrência do câncer. Foram 92,4% contra 93,5%, a última porcentagem
referente à abordagem focada no ctDNA.

No tratamento padrão, 27,9% dos participantes fizeram quimioterapia (percentual que excede os 25% que geralmente precisam da terapia, de acordo com os índices apresentados no estudo), e 15,3% receberam a indicação no grupo de análise do ctDNA.

Agora, a ideia é expandir a análise para outros tipos de tumores, incluindo demais estágios do câncer colorretal, na tentativa de ajudar os pacientes. "Temos a oportunidade de mudar a prática clínica", disse em comunicado o engenheiro biomédico Josshua Cohen, da Universidade Johns Hopkins.

Fonte: Viva Bem UOL






Folhetos Diferentes materiais educativos para download

A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2022 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Ver versão completa do site. Desenvolvido por Lookmysite Interactive