[ENTREVISTA] Mieloma Múltiplo - Fadiga, como minimizar?

Ver conteúdo relacionado
  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 19/08/2013 - Data de atualização: 19/08/2013

Vania HungriaFadiga, cansaço, vontade de ficar o dia todo na cama.

É muito comum entre pacientes com mieloma múltiplo a sensação de prostração e a consequente inaptidão para realizar atividades do dia a dia.

A razão do cansaço extremo é multifatorial. Pode ser causada por medicamentos, como a talidomida ou as que contêm corticoides, pela anemia (doença associada ao mieloma) e, principalmente, pelas dores ósseas.

Mas para que não se crie um ciclo vicioso, do ‘cansaço gerando mais cansaço’, a Dra. Vânia Hungria, professora de hematologia e oncologia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo e uma das principais referências no tratamento do mieloma múltiplo no país, dá algumas dicas importantes que passam pela adesão ao tratamento de fisioterapia e a adoção de dieta balanceada.

A médica alerta:

"É muito importante que o paciente informe ao médico aquilo que está sentindo, para que se possam ajustar as doses de medicamentos, manejar o tratamento de acordo com as reações que ele está apresentando”.

Confira a entrevista na íntegra e multiplique a informação com outros pacientes!

Instituto Oncoguia - Um sintoma importante nos pacientes com mieloma múltiplo é a fadiga. Ao que está relacionado este sintoma?

Dra. Vânia Hungria - Vamos voltar um pouco para pensarmos sobre o que é fadiga. A fadiga, na realidade, é cansaço. Cansaço muscular. No paciente com mieloma, a sua queixa a respeito de ficar na cama, sem condições de realizar atividades do dia a dia, pode estar relacionada à anemia, por exemplo. Mas se ele tem dor óssea, também pode sentir dificuldade de se levantar da cama. Outra razão é o uso de corticoides – que pode também causar fraqueza muscular e impedir um paciente até mesmo de levantar de uma cadeira. Então, esse cansaço extremo tão comum entre os pacientes com mieloma é multifatorial.

Instituto Oncoguia - E além dos corticoides, há outras medicações que podem causar esse efeito de prostração nos pacientes?

Dra. Vânia Hungria - Existem, sim, outros medicamentos. A talidomida é um medicamento que costuma causar muita prostração nos pacientes, principalmente nos mais idosos. Eles não aguentam levar o tratamento, por isso, muitas vezes precisamos reduzir as doses.

Instituto Oncoguia - Neste contexto, Dra. Vania, o relato do sintoma à equipe é fundamental. Não é?

Dra. Vânia Hungria - É muito importante que o paciente informe ao médico tudo aquilo o que está sentindo, para que se possam ajustar doses, manejar o tratamento de acordo com as reações que ele está apresentando.

Instituto Oncoguia: Então, o principal motivo do paciente ficar fadigado, acamado, é a dor óssea?

Dra. Vânia Hungria - Sim. Exatamente. O principal são as dores ósseas, em decorrência dos eventos de fraturas, além das outras que citei.

Instituto Oncoguia - Como os pacientes podem evitar o sintoma? Há medidas para o dia a dia?

Dra. Vânia Hungria - Quando o cansaço vem de alguma medicação, uma boa recomendação é a realização da fisioterapia. A movimentação ajuda bastante. Vale salientar aqui que a importância da fisioterapia vai além da ação em torno do cansaço. O fato de ficar muito acamado pode levar o paciente a uma situação de atrofia muscular. Com isso ele tenderá a ficar ainda mais prostrado e cansado.

Instituto Oncoguia - É um ciclo vicioso que deve ser evitado, certo Dra. Vania?

Dra. Vânia Hungria - Sem dúvidas. Quanto mais ficamos deitados, mais nosso corpo quer assim ficar. Mas depois de 3 ou 4 dias assim, a musculatura já começa a atrofiar. Por isso, o paciente tem que se esforçar e se movimentar!

Instituto Oncoguia - E a alimentação, pode ser uma aliada do paciente para a minimização da fadiga? Há nutrientes indicados para isso?

Dra. Vânia - Não falaria sobre um ou outro nutriente, mas sim sobre a dieta balanceada, equilibrada. E eu destaco aqui as proteínas, vitaminas e carboidratos. Muitas vezes, o paciente prostrado sente dificuldades para se alimentar e fazer digestão e, em decorrência disso, opta por alimentos mais leves, fazendo com que a sensação aumente ainda mais.

Saiba mais sobre nutrição e câncer

Instituto Oncoguia - Por fim, a atividade física também pode ser indicada para se minimizar ou evitar a fadiga?

Dra. Vânia Hungria - A atividade física é recomendada desde que seja praticada com orientação médica e muito cuidado, por causa da doença óssea e o consequente risco de fraturas (até mesmo espontâneas). A recomendação da atividade física, então, deve acontecer de acordo com o comprometimento ósseo do paciente.






Folhetos Diferentes materiais educativos para download

A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2022 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Ver versão completa do site. Desenvolvido por Lookmysite Interactive