Descoberta inesperada: disseminação metastática do câncer de mama pode ser maior durante o sono

Ver conteúdo relacionado
  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 05/07/2022 - Data de atualização: 05/07/2022

Nova pesquisa mostra que a disseminação metastática do câncer de mama ocorre predominantemente durante o sono, uma descoberta que os pesquisadores definiram como "inesperada e impressionante".

"Isso ainda não havia sido demonstrado, ficamos realmente surpresos", disse ao Medscape o Dr. Nicola Aceto, Ph.D., professor de oncologia molecular do Eidgenössische Technische Hochschule (ETH) Zürich, na Suíça. O estudo foi publicado on-line em 22 de junho na revista Nature. 

De modo geral, acredita-se que as células tumorais circulantes se desprendam do câncer primário continuamente ou após eventos específicos, como uma cirurgia ou atividade física; entretanto, os processos que regulam a metástase das células tumorais e a possível influência dos ritmos circadianos na carcinogênese ainda não estão claros.

Para compreender melhor esses processos, Dr. Nicola e colegas coletaram amostras de sangue de 30 mulheres com câncer de mama às 4 h e às 10 h da manhã, horários que correspondem a períodos de repouso e atividade, respectivamente.

Os pesquisadores observaram que mais de 78% de todas as células tumorais circulantes obtidas foram de amostras coletadas durante a fase de repouso.

Esse achado é surpreendente, segundo o doutorando Harrison Ball e a Dra. Sunitha Nagrath, Ph.D., ambos da University of Michigan, nos Estados Unidos, que escreveram um comentário sobre o estudo no periódico Nature News & Views.

Dr. Nicola et al. também constataram que as células tumorais circulantes geradas à noite se dividem mais rapidamente, portanto, têm maior potencial de metástase, em comparação com as células geradas durante o dia, que "são desprovidas de capacidade metastática", segundo os autores. Além disso, eles obtiveram resultados semelhantes em uma série de modelos murinos.

A equipe também observou que os principais hormônios do ciclo circadiano (p. ex., a melatonina, a testosterona e os glicocorticoides) regularam a produção de células tumorais circulantes e a insulina promoveu a proliferação de células tumorais proporcionalmente ao tempo transcorrido, sugerindo uma "necessidade de intervenções em períodos de tempo determinados para a caracterização e o tratamento do câncer de mama", escreveram os autores.

Mudança na prática clínica?

Segundo os editorialistas, a natureza circadiana da dinâmica das células tumorais pode muito bem transformar a maneira como os pacientes oncológicos são avaliados e tratados.

“Os dados que apontam para a proliferação e liberação [de células tumorais circulantes] durante a fase de repouso sugerem que os médicos talvez precisem estar mais conscientes de quando administrar tratamentos específicos”, escreveram.

Eles alertaram, no entanto, que são necessários grandes ensaios clínicos antes que qualquer consideração dos ciclos circadianos seja incorporada à prática clínica. Também não ficou claro se esses resultados se aplicam a outros tipos de tumores, além do câncer de mama.

A Dra. Mariana G. Figueiro, Ph.D., afiliada à Icahn School of Medicine at Mount Sinai, nos EUA, que não participou da pesquisa, concordou que, se mais estudos confirmarem esse aumento da disseminação metastática à noite, "haverá uma oportunidade de tratar os pacientes em horários estratégicos".

A Dra. Mariana também viu um potencial impacto na escolha do horário das coletas de sangue. "Acredito que é importante organizar a forma como as pessoas realizam biópsias e exames de sangue de acordo com o ciclo circadiano", disse ela.

A Dra. Marleen Meyers, médica e professora no Perlmutter Cancer Center da New York University Langone Health, nos EUA, disse que esses achados podem ter várias implicações clínicas: "A mais óbvia é que a hora do dia em que o tratamento é administrado pode influenciar na eficácia".

Mas ela pontuou que é preciso pesar os benefícios de tratar alguém à noite e as desvantagens de interromper o ciclo normal de sono-vigília dessa pessoa. "Se esse achado for clinicamente importante, será um desafio incorporá-lo à prática clínica", disse ela.

Fonte: MedScape






Folhetos Diferentes materiais educativos para download

A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2022 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Ver versão completa do site. Desenvolvido por Lookmysite Interactive