Com nanotecnologia, pesquisa da UFSCar desenvolve método menos agressivo para o tratamento de câncer de bexiga

Ver conteúdo relacionado
  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 10/08/2022 - Data de atualização: 10/08/2022


Uma pesquisa do Centro de Desenvolvimento de Materiais Funcionais (CDMF) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) desenvolveu uma nanopartícula para o tratamento de câncer de bexiga que é capaz de atacar as células cancerígenas sem afetar as células sadias.

Os pesquisadores trabalharam com nanopartículas de dióxido de titânio, que são utilizadas em tratamentos de fototerapia contra o câncer. Elas são ativadas por luz ultravioleta (UV) e geram radicais livres que são tóxicos para o tumor e levam as células cancerígenas à morte. O porém é que, a luz UV também é nociva às células saudáveis e podem causar mutações e comprometer o seu funcionamento.

Para contornar esse problema, o grupo de pesquisa da UFSCar recobriu essas nanopartículas de dióxido de titânio com pequenas moléculas de peróxidos - hidróxido de titânio IV - e, com essa cobertura, conseguiu que elas fossem ativadas e produzissem a mesma reatividade mortal nas células tumorais com uma luz normal, tipo led, que não é prejudicial para as células sadias.

“Isso torna essa nanopartícula um potencial candidato a fármaco contra o câncer de bexiga”, afirmou a pesquisadora Thaiane Alcarde Robeldo.

A pesquisa
Para chegar até este resultado, os pesquisadores testaram dezenas de substâncias. “É um trabalho, como achar uma agulha num palheiro, é uma busca muito grande e das partículas testadas nós vamos modificando a estrutura molecular, ver se dar certo ou não dá, mudando de novo até de fato achar que ela é a mais eficaz entre todas”, explicou a pesquisadora.

A primeira etapa da pesquisa durou quatro anos. O material foi testado in vitro, em linhagens celulares – normais e tumorais – de camundongos. Agora, a pesquisadora espera pela autorização do Comissão de Ética no Uso de Animais (CEUA) para iniciar a testagem das nanopartículas em animais vivos.

“Nós fizemos uma bateria de testes com uma infinidade de nanopartículas e essa foi muito efetiva já no primeiro teste e nós fomos aprimorando cada vez mais os ensaios e vimos que, de fato, ela é muito promissora, principalmente para o câncer de bexiga”, afirmou Thaiane .

Tratamento do câncer
A técnica desenvolvida na UFSCar pode revolucionar o tratamento do câncer de bexiga, que é um dos dos tipos de câncer mais difícil de ser detectado e, por isso, quando os sintomas aparecem a doença, na maior parte das vezes, está em fase muito adiantada no paciente.

As principais opções de tratamento para o câncer de bexiga são cirurgia, quimioterapia, radioterapia e imunoterapia com a vacina BCG.

A terapia desenvolvida pela UFSCar é menos invasiva e danosa que as aplicadas atualmente. Tanto as nanoparticulas como a microfibra luminosa que vão ativá-las são introduzida pela uretra até a bexiga.

"A nanoparticula é um tratamento menos invasivo do que a ressecção ou cirurgia e com menos efeitos colaterais do que a BCG que pode sobrecarregar o sistema imunológico”, explicou Thaiane.

Fonte: G1






Folhetos Diferentes materiais educativos para download

A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2022 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Ver versão completa do site. Desenvolvido por Lookmysite Interactive