Espaço do

Familiar


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Confira aqui os depoimentos


  • A.P.M - Câncer de Próstata
    "Meu pai, o amor da minha vida, meu amigo, que tinha uma vida tão preciosa ..."
Papai tinha câncer de próstata avançado, perto da bexiga, era grave. Optamos em não contar para ele e fizemos a castração química. Falei para minha família que a quimioterapia e  outros tratamentos seriam em vão, mas eu mesma nunca escutei isso da boca do urologista.  Ele tinha feito um cateterismo nas carótidas e após os tratamentos, o neurologista falou que ele estava pronto para fazer a biopsia e que iria suspender os anticoagulantes. Falei com o urologista e fiquei no vácuo, não tive a resposta se deveríamos ou não fazer. Meu pai faleceu e me sinto culpada pela morte dele. Nunca irei saber se a quimioterapia ou outro tratamento iria curá-lo, nunca saberei qual o tratamento papai teria optado, pois não contamos para ele.  Descobrimos o câncer de papai em setembro e em novembro, pelos exames de sangue, deu anemia profunda - segundo o médico já era um enraizamento na medula óssea, a sua creatinina subiu absurdamente afetando a parte renal, ficou com o pescoço, braços, mãos e  barrigas gigantes em dezembro. Em janeiro ele melhorou e fevereiro começou novamente inchar, urinar bem pouquinho, entrou em colapso, quando chegou ao hospital a creatinina estava altíssima, ele estava gigante de inchado e o câncer tinha acabado com todas as proteínas de seu corpo. Ele não tinha nada de proteínas.  

Meu pai, o amor da minha vida, meu amigo, que tinha uma vida tão preciosa morreu talvez por minha negligência.  Eu deveria ter contado para ele sobre o câncer.  Eu deveria ter buscado conselhos com o restante de meus familiares. Estou arrasada, não percebi a gravidade das minhas atitudes. A sensação que tenho é que eu levei meu papai para o matadouro. Entre a descoberta e a morte foram  6 meses. Eu queria poupá-lo da quimioterapia, eu queria me poupar desse tratamento a qual eu teria que acompanhá-lo. Em vida, ele não teve dor, não teve reações adversas com a castração química. Sentia um  cansaço absurdo. Foi amado, permaneceu lúcido até a sua morte, eu o beijava e o abraçava muito. O médico, urologista de papai no mês de outubro falou a minha mãe para ela estar  preparada para tudo. Enfim... E a conclusão que cheguei, eu não era à pessoa indicada para  estar à frente dessa doença. Subestimei essa doença. Fui imatura em não contar para o meu pai o que ele tinha,  e fui imprudente em não pedir conselhos para pessoas mais velhas. Eu fui um erro. E fiz uma sucessão de erros. Não sei se conseguirei conviver com isso. Esse é o  meu desabafo horroroso. Obrigada. 


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2022 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive

Warning: mysql_free_result() expects parameter 1 to be resource, object given in /var/www/vhosts/www.oncoguia.org.br/httpdocs/depoimento.php on line 254

Warning: mysql_free_result() expects parameter 1 to be resource, object given in /var/www/vhosts/www.oncoguia.org.br/httpdocs/depoimento.php on line 255

Warning: mysql_free_result() expects parameter 1 to be resource, object given in /var/www/vhosts/www.oncoguia.org.br/httpdocs/depoimento.php on line 256