Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Zejula: novo tratamento oral de câncer de ovário chega ao Brasil

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 25/08/2021 - Data de atualização: 25/08/2021


O câncer de ovário é o sétimo tipo de tumor mais frequente entre as mulheres brasileiras e é um dos mais letais, segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca) de 2020.

A farmacêutica britânica GSK apresentou, na terça-feira (24/8), uma novidade para o tratamento da doença. O Zejula (niraparibe) é um remédio oral destinado a complementar o tratamento do câncer de ovário.

O medicamento foi aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em 8 de março e já está disponível para uso no país. É indicado para pacientes recém-diagnosticadas ou nas quais a doença retornou. A droga complementa a quimioterapia.

A indicação é que as pacientes comecem a usar o medicamento em até dois meses após o fim da quimioterapia, como manutenção do tratamento.

Estudo clínico

Os dados de segurança e eficácia do remédio foram publicados no The New England Journal of Medicine, a partir de dois estudos clínicos de fase 3: o PRIMA, feito em 2019 com pacientes recém-diagnosticadas com câncer de ovário, e o NOVA, de 2016, com pacientes que apresentaram doença recorrente.

No primeiro estudo, o laboratório observou a redução de 38% do risco de progressão da doença ou morte na população geral e 60% na população com mutação no gene BRCA.

No NOVA, foi registrada a redução de risco de progressão ou morte de 73% nas pacientes com mutação no gene BRCA, e de 55% nas pacientes sem a mutação. De acordo com os pesquisadores, ao inibir e bloquear as enzimas PARP, o Zejula leva as células cancerígenas à morte, evitando que elas consigam se autorreparar.

O maior benefício para as pacientes, segundo a oncologista Vanessa Fabricio, diretora médica de Oncologia da GSK, é que elas estão vivendo mais tempo sem a doença e com qualidade de vida, sem recidiva ou a necessidade de fazer quimioterapia novamente.

“Isso acaba sendo um impacto muito positivo para as mulheres que ficam com a preocupação do retorno da doença e, ao ter essa nova opção, se sentem mais confiantes”, destaca Vanessa.

O câncer de ovário é uma doença que não tem sintomas específicos e não possui um exame de rastreamento, o que dificulta o diagnóstico precoce. Ele provoca náusea e fadiga, sensação de saciedade e dificuldade de alimentação, inchaço ou distensão abdominal, frequência urinária e dor abdominal ou pélvica.

Presente na apresentação dos resultados, o oncologista Fernando Maluf, presidente do Instituto Vencer o Câncer (IVOC), destacou a importância da nova alternativa de tratamento. “A doença quando progride maltrata a mulher. A barriga enche de água, o intestino e as vias urinárias obstruem. Essas drogas representam um avanço muito importante”, disse.

Fonte: Metrópoles



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive