Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Danone Nutricia Sanofi Grunenthal Sirtex


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Uso de cateteres de longa permanência em pacientes oncológicos

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 26/05/2020 - Data de atualização: 26/05/2020


Muitas vezes, os pacientes oncológicos necessitam de tratamento intravenoso por longos períodos. A infusão múltipla pode levar à fragilização da rede venosa do paciente, tornando cada vez mais difícil a próxima punção.

Além disso, algumas medicações podem causar reações locais na pele em caso de extravasamento, como queimaduras e bolhas. Nesse contexto, como forma de diminuir o desconforto das ”picadas” excessivas lançamos mão dos cateteres de longa permanência.

Para conversar a respeito, convidei o cirurgião oncológico Jairo Teixeira, membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Oncológica.

Dentre os cateteres de longa permanência, o  mais comum é o cateter totalmente implantável, também conhecido como portocath. Eles são uma forma prática e confortável de administrar medicamentos venosos, colher amostras de sangue, infusão de dieta parenteral e transfusões. Possuem um reservatório implantado abaixo da pele, feitos de plástico ou titânio, de fácil localização pelos profissionais de enfermagem, que auxilia uma punção certeira.

Eles podem ser mantidos por anos e requerem apenas cuidados locais após sua utilização. Para o implante, é utilizada anestesia local e normalmente uma sedação leve, não necessitando internação hospitalar.

Classicamente, esses dispositivos são implantados em veias do pescoço ou ombro, com o reservatório posicionado no peitoral. Uma outra estratégia é utilizar uma veia do braço, com auxílio de ultrassom e radioscopia, posicionando o dispositivo abaixo do bíceps. Essa opção tem ganhado popularidade nos últimos anos entre pacientes e profissionais de saúde por diminuir a exposição do paciente durante sua utilização e por motivos estéticos.

Outro tipo comumente usado é o chamado PICC. São cateteres normalmente implantados no braço, que podem ser utilizados por até 1 ano, tanto em situação hospitalar ou domiciliar. Têm o inconveniente de possuírem uma parte externa, que pode incomodar o paciente, e requerem mais cuidados.

O cateter de Hickman é usado para paciente com doenças hematológicas, que necessitam transplante de medula, e transfusões sanguíneas múltiplas. Ele é implantado em veias do pescoço e também tem uma parte externa longa que fica posicionada no tórax do paciente.

Podem durar vários meses, e é muito comum em pacientes que requerem internação prolongada.

Apesar de seu uso ser comum em serviços de oncologia, a colocação desses cateteres também tem seus riscos, como qualquer procedimento cirúrgico. Em sua grande maioria as complicações são locais, como infecção no local do implante, ou a implantação do cateter com alguma angulação muito grande, impedindo sua utilização.

Nesses casos, o tratamento normalmente envolve a retirada do cateter e utilização de outra veia ou região do corpo para novo implante. Mas complicações mais drásticas podem ocorrer. Por isso o cirurgião que irá realizar o procedimento deve ser  acostumado a realizá-lo e, se necessário, tratar suas complicações. Cirurgiões Oncológicos e Vasculares são os especialistas mais indicados para a realização desse procedimento.

A decisão de colocar um cateter de longa permanência deve ser discutida com participação do paciente, oncologista, cirurgião e equipe de enfermagem, considerando-se o tempo estimado de tratamento, o tipo de medicamento a ser utilizado e o estado da rede venosa do paciente.

Fonte: Uai

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2020 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive