Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Danone Nutricia Sanofi Grunenthal Sirtex Servier Oncologia


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Unicamp desenvolve software que permite 86% de precisão no diagnóstico do câncer de pele

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 28/01/2020 - Data de atualização: 28/01/2020


Unicamp treinou sistema com 30 mil imagens de banco de dados internacional — Foto: Vanderlei Duarte/EPTV

Pesquisadores da Unicamp desenvolveram um software com potencial para precisar em 86% o diagnóstico do câncer de pele do tipo melanoma. O algoritmo desenvolvido pelos cientistas de computação e engenharia elétrica da universidade de Campinas (SP) identifica o tumor através da foto da lesão.

O câncer de pele é o tipo mais frequente no Brasil e corresponde a 30% de todos os tumores malignos registrados. O melanoma é o tipo mais agressivo e mata cerca de 1.800 pessoas por ano no país. Manchas com bordas irregulares, cores diferentes que sangram podem ser o sinal de um câncer de pele.

"A quantidade da radiação que é necessária para o desenvolvimento de um câncer é inferior a quantidade necessária para queimar a pele. Então, mesmo que não tenha queimaduras, você já recebeu radiação no local, que pode causar uma mutação e o desenvolvimento de um câncer", explica o dermatologista Victor Hugo Damasceno Fernandes.

O sistema criado na Unicamp agiliza a identificação do melanoma. Para elaborar um padrão de reconhecimento, a tecnologia usou cerca de 30 mil imagens de um banco de dados internacional e foi treinada para identificar a doença. A técnica pode detectar padrões que nem o dermatologista consegue perceber no consultório.

"Um profissional num hospital, num centro de saúde com um celular mesmo, com um equipamento acoplado no celular, é possível coletar essas imagens e passar para o sistema, que vai dizer se aquela lesão é benigna ou maligna, além da confiança que ele tem quanto aquela decisão", explica o doutorando em ciência da computação Alceu Emanuel Bissoto.

De acordo com a pesquisadora Sandra Ávila, professora do Instituto de Computação da Unicamp, o estudo ainda passará por outras etapas e o algoritmo deverá ter o grau de eficiência aumentado, sendo testado em hospitais para depois estar à disposição de médicos e pacientes também em unidades básicas de saúde.

"A vantagem de usar num posto de saúde é que normalmente dado à condição geográfica e econômica, ele provavelmente não tem dermatologista. Se a gente tiver a tecnologia dentro do posto de saúde, que o agente comunitário pode usar aquilo, ele vai conseguir identificar casos mais facilmente e dizer qual é potencialmente maligno", conta.

Fonte: G1

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2020 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive