Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Uma oncologia digna e sustentável

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 19/07/2017 - Data de atualização: 19/07/2017


Essa é uma questão premente no tratamento do câncer nos dias atuais, sobretudo quando o que está em jogo é a capacidade financeira de ter acesso aos últimos avanços da medicina. "O preço das drogas é inviável para qualquer sociedade e não só a brasileira”, diz Rafael Kaliks, diretor científico do Instituto Oncoguia. "Ele não tem correlação com o benefício real que traz para o paciente.”

Kaliks prossegue: "Vamos dizer que uma droga nova aumente em três meses em média a vida de um paciente e vai custar 150 mil reais ao longo desse período. Quem sou eu para julgar que três meses de vida é pouco? Mas como você pode cobrar 150 mil reais de países como o Brasil para que essa pessoa viva três meses a mais?”.

Segundo ele, o recurso gasto será em detrimento de outras questões e aspectos necessários para a sociedade, independentemente de ser SUS ou saúde suplementar.
Terapias-alvo (drogas que atingem locais precisos no tumor) e imunoterapia (que instiga o sistema imune do paciente a combater células cancerosas) são as novas tendências do tratamento oncológico e vão prevalecer nas próximas décadas. "A imunoterapia, por exemplo, já se provou melhor do que tratamentos tradicionais para melanoma, câncer de rim, câncer de pulmão, câncer de cabeça e pescoço, alguns linfomas e está em vias de ser aprovada para câncer de bexiga”, enumera Kaliks. É bem menos agressiva do que uma químio, mas não está isenta de efeitos colaterais, como inflamações. Todos esses tratamentos são caros. Segundo Kaliks, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) vem aprovando dentro do possível novas indicações para a imunoterapia e para as terapias-alvo. Já a Agência Nacional de Saúde tem uma visão mais restritiva. "Ela acredita que, se aprovar tudo, vai quebrar os convênios, o que certamente é verdade”, diz ele. Já a Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS é lenta em dar aval. "Até hoje a Conitec aprovou três ou quatro terapias-alvo e, por enquanto, nenhuma imunoterapia moderna”, revela o oncologista.

Para solucionar a questão, o Instituto Oncoguia propõe o modelo de risk sharing(compartilhamento de risco), ou seja, os três, quatro primeiros meses do tratamento com uma nova droga seriam pagos pelo laboratório. "Se o paciente se beneficiar nitidamente, a partir daí o governo ou o convênio pagariam por ela”, explica Kaliks. "A gente acabaria só pagando por aqueles pacientes que de fato se beneficiam com o medicamento.” Países como a Itália já adotam esse sistema.

Fonte: Estadão

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive