Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Um terço acredita que câncer é causado por traumas psicológicos

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 17/04/2019 - Data de atualização: 17/04/2019


A pesquisa mostra que os brasileiros têm uma percepção negativa sobre o câncer

Um terço dos brasileiros acredita que o câncer é causado por traumas psicológicos, apesar dos avanços em relação ao conhecimento doença. O dado faz parte de uma pesquisa do Instituto Oncoguia realizada pelo Ibope e apresentada durante o 9º Fórum Nacional Oncoguia, realizado nos dias 16 e 17 de abril, em Brasília.

"Não existem dados científicos que demostrem que aspectos emocionais causem câncer. Muitos pacientes chegam ao consultório e perguntam: será que meu câncer está relacionado com a separação que sofri no ano passado com a demissão, porque todo mundo sempre tem algum fator estressante nos últimos seis meses para lembrar. Mas outros milhões de pessoas também tiveram fatores estressantes e não desenvolveram a doença. Portanto, não é o estresse que causa o câncer", explica o oncologista Rafael Kaliks, diretor-científico voluntário do Oncoguia.  

"O que causa o câncer são alterações genéticas nas células que podem ocorrer por causa de cigarro, por exemplo, e outras causas, ou ao acaso", completa. 

O levantamento mostra que, apesar de 100% dos entrevistados saberem o que é o câncer, há um desconhecimento sobre suas causas. A maioria tem consciência da associação do câncer com o cigarro - apenas 8% não sabia disso -, mas a maioria (70%) não conhece a relação do câncer com a obesidade.

"A maioria das pessoas não conhece a correlação entre câncer e obesidade, mas é importante que saibam que a alimentação adequada pode levar à doença", diz Kaliks.

A pesquisa mostra que os brasileiros têm uma percepção negativa sobre o câncer. Para um terço, o câncer ainda é “uma sentença de morte”, e receber a notícia de que se tem a doença “significa sofrer e ter muita dor”. 

"Existe uma parcela da população que acredita que o tratamento contra os tumores avançou pouco nas últimas décadas. Precisamos mudar esses conceitos, essa forma de olhar para o câncer somente atrapalha a prevenção e o apoio a quem esta enfrentando a doença”, afirma explica Luciana Holtz, presidente do Instituto Oncoguia.

Maioria tem parente com a doença

A maioria dos brasileiros (81%) já teve contato com o câncer e possui um parente com a doença (60%). “O câncer é prevalente entre os brasileiros, mas ainda não é uma prioridade para o país”, afirma Luciana.

"Tornar o câncer uma prioridade no Brasil vai além de oferecer o melhor tratamento. Inclui também a oferta de um cuidado integrativo e humano, que olha para o paciente em sua totalidade, o que implica oferecer cuidados psicológicos, nutricionais, esportivos, enfim, multidisciplinares”, completa.

Mais de 80% dos entrevistados afirmaram que a qualidade de vida é o aspecto mais afetado pelo câncer, que abrange impactos físicos e emocionais. 

Os pontos mais impactantes para o paciente, na opinião dos familiares, foram a questões emocionais (51%) e físicas (19%).

Câncer também afeta vida financeira

Um terço ainda ressaltou que a vida financeira do paciente é afetada pela doença. “Como um paciente vai conseguir enfrentar e superar o câncer se estiver deprimido e sem dinheiro? Sim, temos que olhar pra isso com urgência”, diz Luciana.

Mais da metade dos entrevistados acreditam que não é possível diagnosticar rapidamente um tumor devido à falta de acesso a exames (55%), da dificuldade de marcar consulta (52%), por não encontrar um médico para examinar sintomas (42%) ou por não conseguir fazer uma biópsia rapidamente (30%).

"Em relação ao tratamento, 73% não acham possível iniciá-lo em até 60 dias no país, apesar de hoje existir uma lei que determina que a terapia deveria começar até dois meses após o diagnóstico", afirma.

Para os entrevistados, a demora no tratamento está relacionada a filas de espera (78%), falta de vagas para cirurgia (46%), falta de vagas para quimioterapia e radioterapia (25%), acesso a especialistas (24%) e acesso a medicamentos (17%).

Matéria pubicada pelo R7 em 17/04/2019



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive