Tipos de Câncer

Tumores Cerebrais / Sistema Nervoso Central

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Astellas UICC Libbs GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Tratamentos Específicos para Tumores Cerebrais/SNC

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 26/03/2015 - Data de atualização: 15/12/2020


As opções de tratamento para os tumores cerebrais e do SNC dependem de vários fatores, incluindo o tipo e localização do tumor, até onde cresceu ou se espalhou, se as células tumorais têm determinadas características genéticas ou cromossômicas e a idade e estado geral de saúde do paciente.

  • Astrocitomas não infiltrantes

Estes tumores incluem os astrocitomas pilocíticos, que na maioria das vezes acomete o cerebelo em pessoas jovens, e os astrocitomas subependimais de células gigantes (SEGAs), que são quase sempre diagnosticados em pacientes com esclerose tuberosa. Muitos médicos consideram estes tumores benignos porque tendem a crescer muito lentamente e raramente invadem tecidos adjacentes.

Estes astrocitomas podem muitas vezes ser curados apenas com cirurgia, mas os pacientes mais velhos têm menos probabilidade de cura. A radioterapia pode ser administrada após a cirurgia, principalmente se o tumor não for completamente retirado, embora muitos médicos esperem até que haja sinais de recidiva antes de considerá-la. Mesmo assim, fazer uma nova cirurgia pode ser a primeira opção.

O prognóstico não é tão bom se o tumor se encontra em um local onde não pode ser removido cirurgicamente, como no hipotálamo na base do cérebro. Nesses casos, a radioterapia é geralmente a melhor opção.

Se a cirurgia e a radioterapia não forem indicadas, a quimioterapia com temozolomida ou o esquema PCV (procarbazina, CCNU e vincristina) pode ser administrada em algum momento.

Para SEGAs que não podem ser completamente removidos cirurgicamente, o tratamento com everolimus pode reduzir o tamanho do tumor ou retardar seu crescimento por algum tempo, embora não esteja claro se aumenta o tempo de sobrevida.

  • Astrocitomas de baixo grau (Astrocitomas infiltrantes ou difusos)

O tratamento inicial é a cirurgia para retirada do tumor ou biópsia para confirmação diagnóstica, se a cirurgia não for viável. Esses tumores são difíceis de serem curados cirurgicamente, porque muitas vezes se infiltram no tecido cerebral normal adjacente. Geralmente, o cirurgião tentará remover tanto quanto possível de forma segura. Se o cirurgião conseguir retirar todo o tumor, o paciente pode ser curado.

A radioterapia pode ser administrada após a cirurgia, especialmente se existirem células cancerígenas remanescentes. Os adultos jovens cujos tumores são pequenos e não estejam causando muitos sintomas podem ser tratados com radioterapia, a menos que o tumor apresente sinais de novo crescimento. Em pacientes mais velhos ou cujos tumores têm maior risco de voltar por outras razões, a radioterapia pode ser administrada após a cirurgia. Em alguns casos, a quimioterapia pode ser realizada após a cirurgia. Alguns médicos utilizam testes genéticos para determinar se deverá ser administrada radioterapia ou quimioterapia.

A radioterapia ou quimioterapia podem ser administradas como principal tratamento, se por alguma razão, a cirurgia não for uma boa opção de tratamento.

  • Gliomas de grau alto e intermediários (Astrocitomas anaplásicos e oligodendrogliomas anaplásicos)

A cirurgia é frequentemente o primeiro tratamento quando é possível de ser realizada, mas estes tumores quase nunca são curados com cirurgia. A radioterapia é administrada na maioria dos casos, com ou seguida de quimioterapia, dependendo do estado geral saúde do paciente. Para alguns pacientes com a saúde mais debilitada ou cujas células tumorais têm determinadas alterações genéticas, a químio pode ser administrada em vez da radioterapia.

Para tumores que não podem ser tratados com cirurgia, a radioterapia com (ou sem) quimioterapia é geralmente a melhor opção.

Temozolomida, carmustina (BCNU) e lomustina (CCNU) são outros medicamentos quimioterápicos
comumente utilizados. Também podem ser usadas combinações de medicamentos, como o regime de PCV (procarbazina, CCNU e vincristina). Todos estes tratamentos podem reduzir o crescimento tumoral ou retardar por algum tempo, mas é muito improvável para curar o tumor.

Se os medicamentos quimioterápicos padrão não forem mais eficazes, a terapia alvo com bevacizumabe pode ser útil para alguns pacientes, isoladamente ou com quimioterapia.

Em geral, esses gliomas são muito difíceis de controlar durante longos períodos de tempo. Como esses tumores são difíceis de serem curados com os tratamentos atuais, os estudos clínicos com novos tratamentos podem ser uma boa opção.

  • Glioblastomas (Astrocitomas grau IV)

A cirurgia geralmente é o primeiro tratamento se o exame de imagem mostrar que provavelmente é um glioblastoma, embora o tipo específico de tumor possa não ser conhecido antes da cirurgia. A maior parte do tumor é retirada com segurança, embora quase nunca sejam completamente removidos devido à maneira como crescem nas áreas adjacentes. Na maioria dos casos, a radioterapia é administrada, que pode ser seguido ou não de quimioterapia, se o paciente tiver um bom estado de saúde geral. Para pacientes mais velhos, com problemas de saúde ou cujas células tumorais têm determinadas alterações genéticas apenas um desses tratamentos (quimioterapia ou radioterapia) será administrado.

Para tumores que não podem ser tratados cirurgicamente, a opção é geralmente radioterapia junto com a quimioterapia.

A temozolomida é o medicamento quimioterápico usado por atravessar a barreira hematoencefálica, administrado por via oral. Às vezes, é administrado junto com a radioterapia e, em seguida, continuado após a conclusão da radioterapia.

Carmustina e lomustina (CCNU) são outros medicamentos quimioterápicos comumente usados. Também podem ser usadas combinações de medicamentos, como o regime de PCV (procarbazina, CCNU e vincristina). Todos esses tratamentos podem reduzir o crescimento tumoral ou retardar por algum tempo, mas é muito improvável que curem o tumor.

Se os medicamentos quimioterápicos padrão não forem mais eficazes, a terapia alvo com bevacizumabe pode ser útil para alguns pacientes, isoladamente ou com quimioterapia.

Outra opção de tratamento pode ser alternar a terapia de campo elétrico com o dispositivo Optune®, que pode ser usado junto com a quimioterapia, após a cirurgia e a radioterapia, como parte do tratamento inicial, ou isoladamente em vez da quimioterapia para tumores que recidivaram após o tratamento.

Em geral, esses tumores são difíceis de serem controlados durante longos períodos de tempo. Como os glioblastomas são difíceis de serem curados curar com os tratamentos atuais, os ensaios clínicos com novos tratamentos podem ser uma boa opção.

  • Oligodendrogliomas

Se possível, a cirurgia é a primeira opção para os oligodendrogliomas. A cirurgia geralmente não cura estes tumores, mas alivia os sintomas e aumenta a sobrevida. Muitos oligodendrogliomas crescem lentamente, especialmente em pessoas mais jovens, e podem não precisar de tratamento imediato. A cirurgia pode ser repetida se o tumor crescer novamente no mesmo local. A radioterapia e/ou quimioterapia, na maioria das vezes com temozolomida ou o regime PCV, também podem ser opções após a cirurgia.

Os oligodendrogliomas podem responder à quimioterapia melhor do que os outros tumores cerebrais.

A radioterapia ou quimioterapia pode ser útil para tumores que não podem ser tratados com cirurgia.

  • Ependimomas e ependimomas anaplásicos

Esses tumores geralmente não crescem no tecido cerebral normal adjacente. Às vezes, os pacientes podem ser curados apenas com cirurgia, se todo o tumor puder ser removido, mas isto nem sempre é possível. Se apenas uma parte do tumor é removida cirurgicamente, ou se é um ependimona anaplásico, é administrada a radioterapia após a cirurgia. Se a cirurgia não pode ser realizada, a radioterapia é o principal tratamento.

Às vezes, as células cancerígenas podem se espalhar para o líquido cefalorraquidiano (LCR). Nesses casos, os pacientes normalmente realizam uma ressonância magnética do cérebro e da medula espinhal, e, possivelmente, uma punção lombar, algumas semanas após a cirurgia, se esta for realizada. Se qualquer um destes exames mostrar que a doença se espalhou através do LCR, é administrada a radioterapia em todo o cérebro e medula espinhal.

A quimioterapia geralmente não é útil para estes tumores, por isso, normalmente não é administrada a menos que o tumor já não possa ser tratado com cirurgia ou radioterapia.

  • Meningiomas

A maioria dos meningiomas tendem a crescer lentamente. De modo que os tumores pequenos que não causam sintomas, muitas vezes podem ser acompanhados em vez de serem tratados, especialmente em idosos.

Se for necessário um tratamento, estes tumores podem geralmente ser curados se forem completamente retirados cirurgicamente. A radioterapia pode ser administrada em conjunto com, ou em vez da cirurgia em tumores que não possam ser completamente removidos.

Para meningiomas atípicos ou invasivos (grau II) ou anaplásico (grau III), que tendem a recidivar após tratamento, administra-se a radioterapia após a cirurgia, mesmo que todo o tumor seja removido.

Para meningiomas recidivados após o tratamento inicial, se possível pode ser realizada uma cirurgia adicional ou radioterapia. Se essa não for uma opção, tratamentos com medicamentos,  como quimioterapia, terapia-alvo, imunoterapia ou análogos a hormônios, podem ser usados, mas não está claro o benefício desses tratamentos.

  • Schwannomas

Esses tumores de crescimento lento são geralmente benignos e curados cirurgicamente. Alguns neuromas acústicos pequenos são tratados por radiocirurgia estereotáxica ou radioterapia por feixe de prótons. Para grandes schwannomas onde a remoção completa é susceptível de causar problemas, eles podem ser operados inicialmente para diminuir seu tamanho e, em seguida, é tratado com radiocirurgia.

  • Tumores da medula espinhal

Se um tumor medular é pequeno e não causa sintomas, pode não ser necessário iniciar o tratamento de imediato. Outros tumores medulares são tratados como os do cérebro. Os astrocitomas da medula espinhal geralmente não podem ser removidos completamente. Eles podem ser tratados com cirurgia para se obter um diagnóstico e retirados tanto quanto possível, e em seguida tratados com radioterapia, ou ainda serem tratados apenas com radioterapia. Os meningiomas do canal espinhal muitas vezes são curadas cirurgicamente, assim como alguns ependimomas. Se a cirurgia não consegue remover uma ependimona completamente, a radioterapia é administrada.

  • Linfomas

O tratamento de linfomas do sistema nervoso central em geral consiste de quimioterapia e/ou radioterapia.

  • Tumores cerebrais infantis

Alguns tipos de tumores cerebrais ocorrem mais frequentemente em crianças, mas ocasionalmente acomete adultos. Estes incluem gliomas do tronco cerebral, tumores de células germinativas, craniofaringioma, tumores do plexo coroide, meduloblastoma e tumores embrionários.

Texto originalmente publicado no site da American Cancer Society, em 05/05/2020, livremente traduzido e adaptado pela Equipe do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2022 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive