Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Tratamentos de câncer de próstata são menos invasivos e mais eficazes

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 14/11/2019 - Data de atualização: 14/11/2019


As chances de cura chegam a 95%, se diagnosticado e tratado na fase inicial, afirmam especialistas/Folha de Pernambuco

Muitos homens têm medo do diagnóstico de câncer de próstata e, na maioria dos casos, simplesmente por falta de informação sobre a doença. Contudo, a medicina tem evoluído ao longo dos anos e proporcionado aos pacientes tratamentos menos invasivos e cada vez mais eficazes. Se diagnosticado e tratado ainda na fase inicial, as chances de cura do tumor chegam a 95%, segundo especialistas. Atualmente, os médicos priorizam a separação entre identificação do tumor e a necessidade de tratá-lo, evitando tratamentos agressivos e desnecessários.

O urologista do Real Hospital Português (RHP), Abelardo Alves, explica que o câncer de próstata, na maioria dos casos, cresce de forma lenta e não chega a dar sinais. Em outros casos, pode crescer rapidamente, se espalhar para outros órgãos e causar a morte. Quando apresenta sintomas, os mais comuns são dificuldade de urinar; demora em começar e terminar de urinar; sangue na urina; diminuição do jato de urina; necessidade de urinar mais vezes durante o dia ou à noite. "Mas estes sinais podem ser confundidos com outras doenças, como o aumento benigno da próstata, por isso é tão importante o acompanhamento médico", disse Alves.

De acordo com a Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), para detectar o câncer existem novidades, como a utilização de exames de imagem em paciente com indicação clínica para biópsia, como a ressonância magnética multiparamétrica. Uma vez constatada, a doença é combatida por meio de uma ou várias técnicas de tratamento, que podem ser combinadas ou não. Quando localizado apenas na próstata, o tumor pode ser tratado com cirurgia, radioterapia e até mesmo observação vigilante. No caso de metástase, ou seja, se o câncer da próstata tiver se espalhado para outros órgãos, a radioterapia é utilizada junto com tratamento hormonal, além de tratamentos paliativos.

Há cerca de seis anos, o aposentado Luiz Inácio da Silva, 71 anos, foi diagnosticado com a doença ainda na fase inicial. Três irmãos dele já haviam passado pela mesma situação e, talvez por isso, o aposentado aceitou com tranquilidade quando chegou a sua vez. "Eles se trataram, fizeram tratamento e não tiveram complicações. Então, acreditei que comigo também seria assim", fala. No caso de Luiz, o médico não recomendou cirurgia e optou por 38 sessões de radioterapia. "No começo, meu PSA era de 9. Após o tratamento, baixou para 0001, quase nulo", explica. Hoje em dia o aposentado leva uma vida normal e aproveita da melhor forma possível. "O que mais gosto é ir ao Clube das Pás dançar", diz.

O urologista Abelardo Alves ressalta que houve grande avanço na prostatectomia radical, ou seja, na retirada de toda a próstata e alguns dos tecidos à sua volta. Ele conta que os primeiros procedimentos causavam muitos danos aos pacientes. "Nos anos 2000, começamos a dar preferência a cirurgias minimamente invasivas, como a laparoscópica, na qual fazemos pequenos furos na barriga e conseguimos tirar a próstata por vídeo. A partir de 2010, um pouco antes nos EUA, começamos a fazer a prostatectomia robótica. Com isso, o paciente fica menos tempo no hospital e volta às suas atividades mais rapidamente", detalha o médico.

Fonte: R7

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive