Tipos de Câncer

Câncer de Próstata

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Tratamentos das Metástases do Câncer de Próstata

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 27/06/2014 - Data de atualização: 29/07/2019


Se o nível do PSA indica que o câncer da próstata não foi curado ou recidivou, após o tratamento inicial, um tratamento posterior pode ser uma opção, mas dependerá da localização da metástase e dos tratamentos já realizados. Exames de imagem, como tomografia computadorizada, ressonância magnética e cintilografia óssea, devem ser realizados para determinar o estadiamento da doença e definir o novo tratamento.

Se o tumor ainda está localizado na próstata, é possível, uma segunda tentativa de tratamento curativo.

Após a cirurgia. Se o paciente já fez uma prostatectomia radical, a radioterapia pode ser uma opção, algumas vezes associada a hormonioterapia.

Após a radioterapia. Se o primeiro tratamento foi a radioterapia, as opções terapêuticas incluem a criocirurgia ou prostatectomia radical, mas quando esses tratamentos são feitos depois da radioterapia, esses apresentam maiores risco para efeitos colaterais, como a incontinência urinária. Repetir a radioterapia geralmente não é uma opção devido ao aumento da probabilidade de efeitos colaterais graves, embora em alguns casos a braquiterapia seja a opção para um segundo tratamento.

Às vezes, pode não estar claro onde o câncer está localizado no restante do corpo. Se o único sinal de recidiva é um aumento do nível de PSA, outra opção pode ser a vigilância ativa em vez de um tratamento ativo propriamente dito. Como o câncer de próstata geralmente cresce lentamente, mesmo se a doença voltar, pode não provocar sintomas por muitos anos, então, poderia ser considerado um tratamento posterior.

Em um estudo sobre o aumento do nível do PSA após a cirurgia do câncer de próstata, observou-se uma média de 10 anos até ocorrerem os primeiros sinais de disseminação da doença para outros órgãos. Claro, que esses sinais apareceram mais cedo em alguns homens e mais tarde em outros.

Fatores como a rapidez com que o PSA está aumentando e a pontuação de Gleason podem ajudar a prever o prognóstico das metástases. Se o PSA estiver aumentando muito rapidamente, alguns médicos podem recomendar que o paciente inicie o tratamento antes que a doença esteja visível em qualquer exame de imagem ou que o paciente apresente qualquer sintoma.

A observação pode ser uma opção mais interessante para determinados grupos de homens, como os mais idosos e para aqueles que o nível do PSA esteja aumentando lentamente. Embora, nem todos os homens possam se sentir confortáveis ​​com essa abordagem.

Se a doença se disseminou, o local mais provável são os linfonodos, e, em seguida, os ossos. Com menos frequência se espalha para o fígado ou outros órgãos.

Quando o câncer de próstata se dissemina para outras partes do corpo, a hormonioterapia é provavelmente o tratamento mais eficaz. Normalmente, o primeiro tratamento é com um análogo do LHRH ou a orquiectomia. Se isso não responder, um antiandrógeno pode ser adicionado. Outros tratamentos para metástases ósseas também podem ser realizados.

A hormonioterapia é eficaz para reduzir ou retardar o crescimento da doença disseminada, mas quase sempre perde a eficácia ao longo do tempo. Os médicos usam termos diferentes para descrever os tipos de câncer que já não respondem aos hormônios:

  • Câncer de próstata castração resistente. É o tumor que ainda está crescendo, apesar do fato de que a terapia hormonal está mantendo a testosterona no corpo a níveis muito baixos. No entanto, o tumor ainda pode responder a outras formas de terapia hormonal.
  • Câncer de próstata hormônio refratário. Quando a doença já não responde a qualquer forma de terapia hormonal.

Homens cujo câncer de próstata ainda está em progressão, apesar da terapia hormonal inicial, atualmente têm muitas opções de tratamento, em relação há poucos anos atrás.

Se um antiandrógeno não foi usado como parte da terapia hormonal inicial, muitas vezes é adicionado nesse momento. Se um homem já está recebendo um antiandrógeno, mas o tumor ainda está em progressão, parar o antiandrógeno, enquanto continua com outros tratamentos hormonais, às vezes, pode ser útil.

Outras formas de terapia hormonal também podem ser úteis por um tempo, especialmente se o tumor está causando poucos ou nenhum sintoma. Estes incluem abiraterona, enzalutamida, apalutamida, cetoconazol, estrogênios (hormônios femininos ) e corticosteroides.

Outra opção para os homens cuja doença está causando poucos ou nenhum sintoma é a vacina sipuleucel-T. Isso não diminui os níveis do PSA, mas pode aumentar a sobrevida do paciente.

Para os tumores que não estão mais respondendo ao tratamento hormonal inicial e estão provocando sintomas, várias opções podem estar disponíveis. A quimioterapia com docetaxel é muitas vezes a primeira escolha porque aumenta a sobrevida e reduz qualquer tipo de dor. Pacientes que não respondem a docetaxel, o cabazitaxel ou outros medicamentos podem ser utilizados. Outra opção pode ser um tipo diferente de hormonioterapia, como abiraterona, enzalutamida ou apalutamida.

Os bisfosfonatos ou o denosumabe também são utilizados em pacientes com metástase óssea, para reduzir a dor e o crescimento do tumor. A radioterapia é utilizada para tratar a dor óssea localizada. Os radiofármacos muitas vezes podem reduzir a dor e também retardar a progressão da doença.

Se você está apresentando dores devido à doença, converse com seu médico. Existem muitos medicamentos eficazes que podem aliviar a dor.

Existem novos medicamentos promissores sendo testados contra o câncer de próstata, incluindo vacinas, anticorpos monoclonais e outros novos tipos de medicamentos.

Para saber se o medicamento que você está usando está aprovado pela ANVISA acesse nosso conteúdo sobre Medicamentos ANVISA.

Fonte: American Cancer Society (21/02/2018)



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive