Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Boehringer Bayer Janssen MSD Takeda Astellas UICC Libbs Abbvie Ipsen Sanofi Daiichi Sankyo GSK Avon Nestlé Servier


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Tratamentos contra o câncer são cada vez mais individualizados

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 28/10/2014 - Data de atualização: 28/10/2014


O tratamento individualizado - que analisa a situação de cada paciente em particular - é a tendência inegável no processo de cura do câncer de mama. A condição física do paciente, os fatores externos, a velocidade de crescimento das lesões cancerígenas no organismo, as doenças associadas - tudo precisa ser levado em conta. Para isso, explicam os especialistas ouvidos pelo O POVO, é preciso recorrer a equipes multidisciplinares nos centros terapêuticos.

As pesquisas científicas também se debruçam sobre essa tendência. Os estudiosos tentam entender os meandros e detalhes das várias formas de reação do câncer, as diferenças entre os casos, a heterogeneidade. Fármacos como o chamado Herceptin (Trastuzumab) - desenvolvido para mulheres que possuem a molécula HER-2 superexpressa, por exemplo -, são aplicados somente em uma parcela das pacientes. O medicamento, considerado uma das maiores descobertas em câncer de mama nas últimas décadas, tem reação mínima nas células dos tecidos não afetados pelo câncer – preservando as pacientes e ajudando na qualidade da sobrevida.

Conforme explica Alarico Marques, oncologista clínico da Oncoclinic, as pessoas agem de modos diferentes ao câncer de mama (e aos cânceres em geral) e os sintomas variam mesmo entre pacientes que recebem a mesma medicação com posologia idêntica. "Atualmente, os tratamentos são mais individualizados, pois temos mais informação sobre a doença. Conhecemos melhor a doença e temos mais informação para acrescentar ao desenvolvimento das terapias utilizadas nos pacientes, por isso, os tratamentos estão mais direcionados”, afirma.

"Cada paciente tem tratamento próprio. A tendência é (o tratamento) ficar mais individualizado. Estamos avançando nas pesquisas. O tratamento do câncer, em geral, é complicado. São muitas alterações para conhecer. Com as pesquisas da atualidade, estamos conhecendo essas alterações com frequência maior e temos mais informação disponível – o que leva ao tratamento mais específico. Estamos avançando, mas ainda tem muita coisa para conhecer. Por exemplo, em alguns pacientes fazemos tratamentos idênticos, mas temos reações diferentes. A perspectiva é que o conhecimento sobre a doença fique mais claro com o tempo”, afirma Alarico Marques.

Terapias-alvo

Conforme explica Susanne Crocamo - pesquisadora clínica do Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (Inca) – as terapias-alvo buscam individualizar a doença do paciente e combater alvos específicos nas células cancerígenas, pois uma das principais barreiras no tratamento contra o câncer é a agressão feita às células normais – que acabam sofrendo com o efeito dos fármacos. "Poupando as células normais, essas terapias são mais eficientes e mais toleráveis”, afirma Susanne. Além do medicamento Herceptin (Trastuzumab), existem outras drogas (já comercializadas e em pesquisa) para inibir somente o crescimento e a proliferação das células cancerígenas, preservando os tecidos normais. (Isabel Costa)

PREVENÇÃO

Segundo Susanne Crocamo - pesquisadora clínica do Inca - as chances de cura do câncer de mama estão ligadas ao diagnóstico precoce. "Quanto menor o tumor é diagnosticado maiores serão as chances de o paciente ficar curado e ao tratamento mais efetivo”. 
 
Por essa razão, explica a pesquisadora, esforços têm sido realizados para o aprimoramento da imagem, através da qual se consiga visualizar tumores cada vez menores, "como é o caso de aparelhos com tecnologia 3D (Tomossíntese) que associados a mamografia fornecem melhor qualidade de imagem principalmente em mamas muito densas e jovens e da Cintilomamografia (imagem molecular da mama) que ainda está em estudo, mas parece ser útil na identificação de áreas suspeitas à mamografia”.
 
Além disso, a nanotecnologia (ramo científico que desenvolve produtos a partir de partículas minúsculas) para diagnóstico de células circulantes tumorais poderá desempenhar papel importante por se propor a identificar células malignas na circulação sanguínea em pequenas quantidades mesmo antes de o tumor poder ser visto em exame radiológico, explica Susanne.
 
ENTENDA

Para Rafael Kaliks - oncologista clínico e diretor científico do Instituto Oncoguia – uma das maiores descobertas sobre câncer de mama foi a divisão da doença em vários tipos. "Antes, nós colocávamos tudo em um grande saco. Hoje sabemos que eles são diferentes entre si e agrupamos de acordo com alguns critérios”. O médico cita a divisão entre o câncer metastático (quando atinge outras partes do corpo) ou localizado (quando está restrito aos seios).

 
Há também os receptores hormonais (com proteínas na parte externa das células, indicando que o tecido tumoral se prolifera em resposta a alguns hormônios), os positivos para HER-2 (proteína localizada na célula, que torna a doença mais agressiva) e o triplos negativos (quando a lesão é negativa para os diversos receptores). Rafael afirma que as descobertas sobre esSas divisões permitiram produzir medicamentos específicos para cada variação, potencializando a ação dos tratamentos e garantindo mais quantidade (e qualidade) de sobrevida para as mulheres.

"Temos que pensar no câncer como uma doença crônica e não transmissível. A maioria dos cânceres detectados precocemente são tratados com cirurgia e tratamento coadjuvante. Mas, para quem não é curado assim, ainda existe a possibilidade de uma sobrevida prolongada, com medicação específica. Principalmente, para os tumores positivos para HER-2. Desde que os tratamentos sejam disponibilizados para as mulheres, é claro”, pontua Rafael.

Matéria publicada em O Povo em 26/10/2014.


Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2022 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive