Tipos de Câncer

Câncer de Vulva

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Radioterapia para Câncer de Vulva

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 02/02/2013 - Data de atualização: 18/02/2017


O tratamento radioterápico utiliza radiações ionizantes para destruir ou inibir o crescimento das células anormais que formam um tumor. Existem vários tipos de radiação, porém as mais utilizadas são as eletromagnéticas (Raios X ou Raios gama) e os elétrons (disponíveis em aceleradores lineares de alta energia).

Muitas vezes a radioterapia é realizada em conjunto com a quimioterapia para reduzir o tamanho do tumor antes da cirurgia, fazendo que o procedimento cirúrgico seja menos extenso. A radioterapia isoladamente é realizada para tratar os linfonodos da virilha e região pélvica.

Os efeitos colaterais da radiação dependem da dose administrada e da área a ser tratada, podendo incluir:

  • Cansaço.
  • Dores de estômago.
  • Diarreia.
  • Náuseas.
  • Vômitos.
  • Alterações na pele.
  • Diminuição das células sanguíneas.

Eles tendem a ser piores se a quimioterapia é administrada ao mesmo tempo em que a radioterapia.

O cansaço pode se tornar grave algumas semanas após o início do tratamento. A diarreia, náuseas e vômitos geralmente podem ser controlados com medicamentos.

As alterações da pele são comuns na área irradiada, podendo variar de uma leve vermelhidão temporária a uma descoloração permanente. A radioterapia pode tornar a área da vulva sensível e dolorida. A pele pode liberar líquido, o que pode levar à infecção, de modo que a área exposta às radiações deve ser cuidadosamente limpa e protegida.

A radioterapia também pode diminuir as taxas sanguíneas causar anemia e leucopenia. A diminuição dos glóbulos vermelhos pode provocar cansaço e falta de ar. A diminuição dos glóbulos brancos pode aumentar o risco de infecção. As taxas sanguíneas normalmente retornam ao normal após o término da radioterapia.

As mulheres que recebem radioterapia na região inguinal (virilha) após a dissecção dos linfonodos podem ter problemas de cicatrização.

A radioterapia dos gânglios linfáticos pode levar a uma má drenagem do fluído das pernas. O líquido pode acumular e provocar inchaço nas pernas a noite.

Se você apresentar quaisquer efeitos colaterais durante a radioterapia, informe seu médico para que ele a oriente sobre a melhor maneira para aliviá-los.

Fonte: American Cancer Society (16/02/2016)


Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive