top
Tipos de Câncer

Câncer de Colo do Útero

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Boehringer Eisai Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Quimioterapia para Câncer de Colo do Útero

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 31/10/2014 - Data de atualização: 03/07/2017


A quimioterapia sistêmica emprega drogas anticâncer, que são injetadas na veia ou administradas por via oral. Estes medicamentos entram na corrente sanguínea e atingem todas as áreas do corpo, tornando este tratamento potencialmente útil para cânceres que se disseminaram para órgãos distantes (metástases).

A quimioterapia é administrada em ciclos, com cada período de tratamento seguido por um período de descanso, para permitir que o corpo possa se recuperar. Cada ciclo de quimioterapia dura em geral algumas semanas.

Para alguns estágios do câncer de colo do útero, o tratamento principal é a radioterapia e a quimioterapia administradas em conjunto (quimiorradiação concomitante). A quimioterapia potencializa a radioterapia. As opções para a quimioirradiação simultânea incluem:

  • Cisplatina administrada semanalmente durante a radioterapia. A cisplatina deve ser administrada por via intravenosa cerca de 4 horas antes da radioterapia.
  • Cisplatina mais 5-fluorouracilo (5-FU) administrada a cada 4 semanas durante o tratamento radioterápico.

Às vezes a quimioterapia também é administrada (sem radioterapia) antes e/ou após a quimioirradiação.

A quimioterapia pode ser usada para tratar a disseminação da doença para outros órgãos. Também pode ser útil no tratamento da recidiva da doença após o tratamento com quimiorradiação.

Os medicamentos mais usados para tratar o câncer de colo do útero avançado incluem:

  • Cisplatina.
  • Carboplatina.
  • Paclitaxel.
  • Topotecano.
  • Gemcitabina.

Frequentemente são utilizadas combinações destes medicamentos.

Alguns outros medicamentos podem ser utilizados, como o docetaxel, ifosfamida, 5-fluorouracil, irinotecano e mitomicina.

A terapia alvo bevacizumab pode ser adicionado à quimioterapia.

Possíveis Efeitos Colaterais


Os efeitos colaterais da quimioterapia dependem do tipo de drogas, da dose administrada e do tempo de duração do tratamento. Os efeitos colaterais comuns da quimioterapia podem incluir:

  • Náuseas e vômitos.
  • Perda de apetite.
  • Perda de cabelo.
  • Feridas na boca.
  • Fadiga.
  • Infecção, devido a diminuição dos glóbulos brancos.
  • Hemorragia ou hematomas, devido a diminuição das plaquetas.
  • Falta de ar, devido a diminuição dos glóbulos vermelhos.

Quando a quimioterapia é administrada junto com a radioterapia, os efeitos colaterais são frequentemente mais intensos. A náusea, a fadiga e os problemas com as taxas sanguíneas são muitas vezes piores. A diarreia também pode ser pior se a quimioterapia é administrada ao mesmo tempo que a radioterapia.

Seu médico observará seus efeitos colaterais e prescreverá medicamentos para ajudar a prevenir ou tratá-los de modo que você possa se sentir melhor.

Alterações Menstruais. Para mulheres mais jovens que não tiveram o útero removido como parte do tratamento, as alterações menstruais são um efeito colateral comum da quimioterapia. Mas mesmo que você pare de menstruar durante o tratamento quimioterápico, você ainda poderá engravidar. Ficar grávida durante a químio não é seguro, pois pode levar a defeitos de nascimento e interferir no tratamento. As pacientes que terminaram a quimioterapia e desejam ter filhos devem conversar com seu médico sobre qual o melhor o momento seguro para engravidar.

Menopausa Precoce e Infertilidade. Alguns medicamentos quimioterápicos são mais propensos a causar isso do que outros. Quanto mais velha for a mulher quando receber a químio, mais provável que ela se torne infértil ou tenha a menopausa. Se isso ocorrer, existe um risco aumentado de perda óssea e osteoporose. Os medicamentos podem tratar ou prevenir problemas com perda óssea.

Neuropatia. Alguns medicamentos usados para tratar o câncer de colo do útero, incluindo paclitaxel e cisplatina, podem danificar os nervos do cérebro e da medula espinhal. A lesão pode às vezes levar a sintomas como dormência, dor, sensação de queimação ou formigamento, sensibilidade ao frio ou calor ou fraqueza, principalmente nas mãos e pés. Isso é denominado neuropatia periférica. Na maioria dos casos, isso melhora ou desaparece quando com o término do tratamento, mas pode durar muito tempo em algumas mulheres.

Aumento do Risco de Leucemia. Muito raramente, determinados medicamentos quimioterápicos podem danificar permanentemente a medula óssea, levando ao desenvolvimento outros tipos de câncer, como síndrome mielodisplásica ou mesmo leucemia mieloide aguda. Se isso ocorrer, é geralmente 10 anos após o tratamento. Na maioria das mulheres, os benefícios da químio no tratamento do câncer são maiores que o risco desta complicação importante, mas rara.

Muitos efeitos colaterais são de curto prazo e desaparecem após o término do tratamento, mas alguns podem durar muito tempo ou até mesmo serem permanente. Converse com seu médico sobre quaisquer efeitos que você possa apresentar, pois há muitas maneiras de gerenciá-los.

Fonte: American Cancer Society (29/01/2016)


Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2017 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive