Tipos de Câncer

Leucemia Linfoide Aguda (LLA)

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Quimioterapia para Leucemia Linfoide Aguda

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 03/07/2015 - Data de atualização: 20/12/2018


A quimioterapia utiliza medicamentos anticancerígenos para destruir as células tumorais. Por ser um tratamento sistêmico, a quimioterapia atinge não somente as células cancerígenas senão também as células sadias do organismo. De forma geral, a quimioterapia é administrada por via venosa, embora alguns quimioterápicos possam ser administrados por via oral.

A quimioterapia é o principal tratamento para quase todos os pacientes com leucemia linfoide aguda. Devido aos seus potenciais efeitos colaterais, a quimioterapia pode não ser recomendada para pacientes com problemas de saúde, mas a idade avançada por si só não é uma barreira para o tratamento quimioterápico.

A quimioterapia para leucemia linfoide aguda é geralmente dividida em 3 fases:

  • Indução, que é curta e intensa, geralmente dura cerca de um mês.
  • Consolidação (intensificação), que também é intensiva, normalmente dura alguns meses.
  • Manutenção (pós-consolidação), que é menos intensiva, geralmente dura cerca de dois anos.

A quimioterapia é administrada em ciclos, com cada período de tratamento seguido por um período de descanso, para permitir que o corpo possa se recuperar. Cada ciclo de quimioterapia dura em geral algumas semanas.

A maioria dos tratamentos quimioterápicos não atinge as áreas do cérebro e medula, por isso pode ser necessário injetá-la diretamente no líquido cefalorraquidiano (quimioterapia intratecal) para matar células cancerosas nessa área.

Os medicamentos quimioterápicos mais comumente utilizados no tratamento da leucemia linfoide aguda incluem:

  • Vincristina.
  • Daunorubicina.
  • Citarabina.
  • L-asparaginase ou PEG-L-asparaginase.
  • 6-mercaptopurina.
  • Metotrexato.
  • Ciclofosfamida.
  • Prednisona.
  • Dexametasona.
  • Nelarabine.

Possíveis Efeitos Colaterais

Os quimioterápicos não só atacam as células cancerosas, mas também células normais (tratamento sistémico), o que pode levar a efeitos colaterais. Os efeitos colaterais dependem do tipo de medicamento, da dose administrada e da duração do tratamento. Os efeitos colaterais comuns à maioria das drogas quimioterápicas podem incluir:

  • Perda de cabelo.
  • Inflamações na boca.
  • Perda de apetite.
  • Náuseas e vômitos.
  • Diarreia ou constipação.
  • Infecções, devido a diminuição dos glóbulos brancos.
  • Hematomas ou hemorragias, devido a diminuição das plaquetas.
  • Fadiga e falta de ar, devido a diminuição dos glóbulos vermelhos.

Estes efeitos são geralmente de curto prazo e tendem a desaparecer ao término do tratamento. No entanto, mantenha o médico informado sobre qualquer sintoma, pois a maioria desses efeitos pode ser manejada de forma eficaz.

Diminuição dos leucócitos. Alguns dos efeitos colaterais mais importantes da quimioterapia são provocados pela diminuição dos glóbulos brancos do sangue. Muitas vezes precisam ser administrados antibióticos e medicamentos para prevenir infecções fúngicas e virais antes que o paciente apresente sinais de infecção ou ao primeiro sinal de que uma infecção possa estar se desenvolvendo, como uma febre. Também podem ser administrados medicamentos conhecidos como fatores de crescimento, como filgrastim, pegfilgrastim e sargramostim, para ajudar na recuperação dos glóbulos brancos e reduzir a possibilidade de infecção.

Diminuição das plaquetas. No caso em que a contagem de plaquetas se mostre muito baixa pode ser necessária a realização de transfusões de plaquetas para ajudar a proteger contra sangramentos.

Diminuição dos glóbulos vermelhos. A falta de ar e fadiga causada pela anemia pode ser tratada com medicamentos ou com transfusões de sangue.

Efeitos colaterais específicos. Determinados medicamentos podem causar efeitos colaterais específicos, como, por exemplo:

  • Citarabina. Especialmente quando administrada em altas doses, pode causar secura nos olhos e afetar certas partes do cérebro, o que pode levar a problemas de coordenação e equilíbrio.
  • Vincristina. Pode provocar neuropatia, o que pode levar a dormência, formigamento ou fraqueza nas mãos ou pés.
  • Antraciclinas. Pode provocar problemas cardíacos, portanto, a dose total precisa ser observada de perto, e esses medicamentos não podem ser administrados em pacientes com problemas no coração.

Segundo tipo de câncer. Um dos efeitos colaterais mais importantes é o risco de contrair leucemia mieloide aguda mais tarde. Isso ocorre em uma pequena porcentagem de pacientes após terem recebido certos medicamentos quimioterápicos. Com menos frequência, alguns pacientes podem desenvolver mais tarde linfoma não Hodgkin ou outros tipos de câncer. Entretanto, o risco de contrair esses segundos tipos de câncer deve ser equilibrado com o benefício óbvio de tratar uma doença com risco de morte, como a leucemia com quimioterapia.

Síndrome de lise tumoral. Este efeito colateral é mais comum em pacientes que têm um grande número de células leucêmicas no organismo, por isso é visto com mais frequência na fase de indução do tratamento. Quando a quimioterapia destrói as células leucêmicas, elas se abrem e liberam seu conteúdo na corrente sanguínea, o que pode sobrecarregar os rins, que não conseguem se livrar de todas essas substâncias. Quantidades excessivas de determinados minerais podem afetar o coração e o sistema nervoso. Isso muitas vezes pode ser evitado com a administração de líquidos extras durante o tratamento e da administração de determinados medicamentos, como bicarbonato, alopurinol e rasburicase, para ajudar o organismo a liberar essas substâncias.

Fonte: American Cancer Society (22/10/2018)



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive