Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Tratamento para câncer de pulmão esbarra na dificuldade de acesso

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 19/12/2018 - Data de atualização: 19/12/2018


A medicina de precisão é o que há de mais eficaz quando falamos em tratamento para o câncer de pulmão. Com a medicina de precisão, como imunoterapia e terapia-alvo, a sobrevida média de pacientes com a doença evoluiu muito, passando de 6 meses em 1995, para algo em torno de 30 a 50 meses após 2015. Com benefícios comprovados, o principal desafio ainda é o acesso a essas terapias para os pacientes que são elegíveis a serem tratados com elas.

“O acesso ainda é muito limitado. No sistema público, praticamente não temos esses tratamentos disponíveis. Considerando que a imunoterapia, por exemplo, é hoje recomendada em primeira linha para praticamente todos pacientes com câncer de pulmão, estamos enfrentando um cenário muito complicado”, aponta a Clarissa Baldoto, membro da diretoria do Grupo Brasileiro de Oncologia Torácica (GBOT) e da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC).

Hoje, no Brasil, há quatro medicamentos imunoterápicos aprovados para o tratamento do câncer de pulmão. Porém o custo destas drogas é, em média, de 13 mil dólares por dose, sendo que os pacientes podem precisar de duas doses por mês ou uma a cada três semanas. “Por isso muitos pacientes com câncer de pulmão acabam sendo tratados diretamente com quimioterapia, que tem um custo muito menor”, conclui Clarissa. A especialista ainda ressalta que a quimioterapia continua sendo uma opção terapêutica importante para a doença, porém pode ser melhor ainda se associada à imunoterapia ou após o término desta.

Os imunoterápicos estimulam o sistema imunológico a quebrar uma barreira que o tumor impõe a ele e ajudam os pacientes a viverem bem e com qualidade de vida por mais tempo com a doença controlada. Há estudos que mostram que alguns pacientes continuam respondendo até mesmo após o fim do tratamento, por causa desse estímulo do sistema imunológico.

Já a terapia-alvo é outra alternativa de tratamento para pacientes com câncer de pulmão baseada na mutação genética apresentada pela pessoa com a doença. Porém, para isso, é preciso que seja realizado o teste para identificar essa mutação, o que ainda é um desafio no Brasil, com menos de 30% dos pacientes com câncer de pulmão que passaram pelo teste pelo SUS.

“Hoje em dia, tratar pacientes com câncer de pulmão sem saber as mutações apresentadas pelo paciente não é fazer uma boa prática médica. Isso porque, sabendo qual mutação ele apresenta, pode-se tratá-lo com terapias que garantirão qualidade e tempo de vida para este paciente”, declara Marcelo Cruz, oncologista do Programa de Desenvolvimento Terapêutico de Hematologia/Oncologia.

Pesquisas em pacientes com mutações tratados com terapia-alvo, apontam uma sobrevida global média de 30 meses livre de progressão, enquanto que para o mesmo perfil de paciente, porém tratado apenas com quimioterapia, essa sobrevida é de, em média, 10 meses.

Existem mais de 100 terapias-alvo para câncer, muitas delas para câncer de pulmão e algumas já disponíveis no Brasil. Porém, mais uma vez, o desafio é a oferta destes medicamentos pelo SUS e até mesmo por convênios particulares, que não cobrem os custos destas terapias, diminuindo o acesso de pacientes à estas opções terapêuticas. Neste cenário, organizações não governamentais (ONGs), que atuam para garantir e defender direitos, se tornam ainda mais importantes. "Para o Oncoguia, batalhar para que o paciente certo receba o tratamento certo é nossa prioridade. O tempo certo também importa", afirma Luciana Holtz, presidente e fundadora da instituição.  
 



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive