Tipos de Câncer

Linfoma Não Hodgkin em Crianças

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Tratamento do Linfoma Não Hodgkin em Crianças por Estágio

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 28/05/2017 - Data de atualização: 28/05/2017


Em geral, todas as crianças com linfoma não Hodgkin são tratadas com quimioterapia, mas os tratamentos diferem dependendo do tipo e estadiamento da doença.

Os linfomas em crianças, especialmente os linfomas de Burkitt, tendem a se desenvolverem muito rapidamente e podem já estarem avançados no momento do diagnóstico, por isso é importante iniciar o tratamento o mais rápido possível. Estes linfomas geralmente respondem bem à quimioterapia, que pode destruir uma grande porcentagem das células doe linfoma em curto período de tempo. A preocupação é que isso possa provocar a síndrome de lise tumoral, um efeito colateral em que o conteúdo interno das células mortas entrem na corrente sanguínea e provoquem problemas nos rins e outros órgãos. Para evitar isso, os médicos prescrevem para a criança durante o tratamento a ingestão de líquidos em abundância e determinados medicamentos para ajudar o corpo a liberar essas substâncias.

Presume-se que as crianças com linfoma em estágio inicial (I ou II) tenham a doença mais disseminada do que pode ser diagnosticada pelos exames de laboratório ou de imagem. Em função disso, apenas os tratamentos locais, como cirurgia ou radioterapia são improváveis de curar a doença. Portanto, a quimioterapia é uma parte importante do tratamento para todas as crianças.

Tratamento do Linfoma Linfoblástico


Estágios I e II. Em geral, o tratamento destes linfomas iniciais é similar ao tratamento da leucemia linfoide aguda (LLA). A quimioterapia é administrada em 3 fases (indução, consolidação e manutenção) usando muitos medicamentos. Por exemplo, o esquema BFM utiliza combinações de medicamentos diferentes nos primeiros meses, seguido por tratamento menos intenso com metotrexato e 6-mercaptopurina via oral durante cerca de 2 anos. Também são utilizados tratamentos mais curtos e menos intensivos, como as combinações de quimioterápicos CHOP (ciclofosfamida, doxorrubicina, vincristina e prednisona) e COMP (ciclofosfamida, vincristina, metotrexato e prednisona).

A quimioterapia, geralmente com metotrexato, também é administrada no líquido espinhal (quimioterapia intratecal) por pelo menos 4 doses, semanalmente. Isso ajuda a destruir as células do linfoma no cérebro ou medula espinhal.

O tempo total do tratamento pode ser de até 2 anos.

Estágios III e IV. O tratamento para crianças com linfoma linfoblástico avançado é de cerca de 2 anos. O tratamento é tipicamente mais intensivo do que para linfomas em estágio inicial. É administrado em 3 fases de quimioterapia (indução, consolidação e manutenção) utilizando vários medicamentos, similar ao tratamento da leucemia linfoblástica aguda de alto risco (LLA).

Tratamento do Linfoma de Burkitt e do Linfoma Tipo Burkitt

A quimioterapia é a principal forma de tratamento para esses linfomas. No momento, estão em andamento estudos para determinar se a adição do anticorpo monoclonal rituximab à quimioterapia pode potencializar o tratamento.

Estágios I e II. O tratamento destes linfomas pode incluir a cirurgia antes da quimioterapia se o tumor estiver localizado em apenas uma região. Se existir um grande tumor abdominal, é importante que o máximo possível seja removido. Após a remoção do tumor, é administrada a quimioterapia.

Vários medicamentos quimioterápicos são utilizados. O tempo de tratamento pode variar de 9 semanas a 6 meses. A maioria dos oncologistas pediátricos considera o tempo de tratamento de 9 semanas adequado se todo o tumor for removido cirurgicamente antes da químio.

A quimioterapia intratecal é necessária apenas se o linfoma estiver se desenvolvendo no cérebro ou medula espinhal.

Estágios III e IV. As crianças com linfoma de Burkitt avançado precisam de uma quimioterapia mais intensiva. Como estes linfomas tendem a se desenvolverem rapidamente, os ciclos de quimioterapia são curtos, com pouco descanso entre os ciclos de tratamento.

Por exemplo, um esquema de tratamento conhecido como protocolo francês LMB alterna entre diferentes combinações de medicamentos a cada 3 a 4 semanas num total de 6 a 8 meses. Outros esquemas de tratamento similares são o protocolo alemão BFM e o esquema St. Jude Total B.

A quimioterapia também deve ser administrada no líquido espinhal.

Tratamento do Linfoma de Células Grandes células (incluindo Anaplásico)

A quimioterapia é a principal forma de tratamento para esses linfomas. Estão em andamento estudos para determinar se a adição de outros medicamentos à quimioterapia pode tornar o tratamento mais eficaz.

Estágios I e II. O tratamento para estes linfomas geralmente consiste em quimioterapia com 4 ou mais medicamentos administrados por cerca de 3 a 6 meses. Para o linfoma difuso de grandes células B, o tratamento pode incluir cirurgia, além da quimioterapia. O esquemas quimioterápico habitual contém uma combinação de 4 medicamentos: ciclofosfamida, vincristina, prednisona e doxorrubicina ou metotrexato. Estes são conhecidos como os esquemas CHOP ou COMP.

A quimioterapia é administrada no líquido espinhal apenas se o linfoma estiver próximo da cabeça ou pescoço.

Estágios III e IV. Os linfomas de células grandes não atingem frequentemente a medula óssea ou o líquido espinhal, mas se isso acontecer precisará de um tratamento mais intenso.

A quimioterapia inclui vários medicamentos administrados durante 9 a 12 meses. Muitos médicos tratam os linfomas de células grandes B de forma similar ao linfoma de Burkitt.

A quimioterapia intratecal também é administrada no líquido espinhal.

Os estudos clínicos atuais estão focando na duração da quimioterapia, em quais medicamentos são importantes no tratamento dos linfomas de células grandes, e se os diferentes tipos de linfomas de células grandes podem ser tratados de forma similar. Os medicamentos mais recentes que podem ajudar a tratar o linfoma anaplásico de células grandes, como brentuximab vedotin e crizotinib, também estão sendo avaliados.

Tratamento da Recidiva


Quando possível, é recomendada uma quimioterapia mais intensiva, geralmente incluindo o transplante de medula óssea. Isso geralmente é realizado em estudos clínicos. Uma opção é considerar a participação de um estudo clínico com novos tratamentos.

Fonte: American Cancer Society (27/01/


Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive