Tipos de Câncer

Câncer de Pulmão

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Danone Nutricia Sanofi Grunenthal Sirtex Servier Oncologia


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Tratamento do Câncer de Pulmão de Pequenas Células por Estágio

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 15/09/2014 - Data de atualização: 20/04/2020


Na maioria dos casos, o câncer de pulmão de pequenas células já está disseminado no momento do diagnóstico, portanto a quimioterapia fará parte do tratamento.

Se você fuma, uma das coisas mais importantes que você pode fazer é tentar parar de fumar. Estudos mostraram que os pacientes que param de fumar após o diagnóstico de câncer de pulmão tendem a ter melhores resultados do que aqueles que não param.

Estágio limitado / Estágio I

Se o paciente tiver apenas um único tumor no pulmão, sem evidência da doença ter atingido os gânglios linfáticos ou outros órgãos, pode ser indicada a cirurgia para retirada do tumor e dos linfonodos próximos. Esta é apenas uma opção se o paciente estiver com um bom estado geral de saúde e tolerar a retirada de parte ou de todo o pulmão. Entretanto, o paciente fará alguns exames para saber se a doença já se espalhou para os linfonodos antes que isso seja considerado.

A cirurgia é geralmente seguida por quimioterapia. A radioterapia do tórax é geralmente indicada, se for encontrada metástases no linfonodos retirados. A radioterapia é administrada simultaneamente à quimioterapia. Apesar da associação aumentar os efeitos colaterais do tratamento, parece ser mais eficaz. O paciente que tem outras doenças pulmonares ou outros problemas importantes de saúde não poderão ser submetidos à radioterapia.

Em cerca da metade dos pacientes com câncer de pulmão de pequenas células, a doença se disseminará para o cérebro se não forem tomadas medidas preventivas. Por esta razão, pode ser realizada radioterapia craniana profilática. A radioterapia é geralmente administrada em doses baixas. Ainda assim, alguns pacientes podem apresentar efeitos colaterais.

Outros estágios limitados

Para a maioria dos pacientes em estágio limitado, a cirurgia não é uma opção, pois o tumor é muito grande, ou se disseminou para os linfonodos ou outros locais no pulmão. Se o paciente tem um estado geral de saúde bom, o tratamento padrão é radioterapia e quimioterapia simultaneamente (quimioirradiação). Os medicamentos utilizados são geralmente etoposide mais cisplatina ou carboplatina.

Os pacientes que recebem a quimioirradiação tendem a viver mais ou ter uma melhor chance de cura comparados com aqueles que recebem estes tratamentos separadamente, mas esta combinação terapêutica é difícil de ser tolerada.

Os pacientes que não têm uma boa condição física para fazer a quimioirradiação geralmente são tratados com quimioterapia isoladamente, o que pode ser seguido de radioterapia.

Se não forem tomadas medidas preventivas, cerca da metade dos pacientes terão metástase cerebral. Se a doença responder ao tratamento inicial, pode ser administrada a radioterapia craniana profilática, para impedir a disseminação para o cérebro. A radioterapia é geralmente administrada em doses mais baixas do que a utilizada normalmente, se a doença já se disseminou para o cérebro.

A maioria dos pacientes tratados com quimioterapia (com ou sem radioterapia) pela doença em estágio limitado terão os tumores reduzidos significativamente. Em muitos casos, o tumor se reduzirá ao ponto de não ser mais visto em exames de imagem. Infelizmente, para a maioria dos pacientes, a doença recidivará em algum momento.

Como esse tipo de câncer é difícil de ser curado, a participação em um estudo clínico pode ser uma boa opção para alguns pacientes. Se você tiver interesse, converse com seu médico.

Estágio extenso

Se o paciente se encontra nesse estágio e tem um bom estado de saúde, a quimioterapia, possivelmente junto com imunoterapia, é geralmente o primeiro tratamento. Isso muitas vezes pode retardar o desenvolvimento da doença, tratar os sintomas e aumentar a sobrevida.

A combinação de medicamentos quimioterápicos mais comum é etoposide mais cisplatina ou carboplatina. O atezolizumab pode ser usado junto com etoposide e carboplatina. A maioria dos pacientes terão uma redução significativa do tamanho do tumor com o tratamento e, em alguns, o câncer pode não ser mais visto nos exames de imagem. Infelizmente, a doença recidivará em algum momento para quase todos os pacientes com estágio extensivo do câncer de pulmão de pequenas células.

Se a doença responder bem ao tratamento inicial, a radioterapia na região do tórax poderá ser administrada, o que poderá aumentar a sobrevida. A radioterapia craniana profilática também deve ser considerada para prevenir a progressão da doença no cérebro.

Se o crescimento do tumor dentro dos pulmões está provocando sintomas como falta de ar ou sangramento, a radioterapia ou outros tipos de tratamento, como cirurgia a laser, pode ser útil nessas situações. A radioterapia também pode ser administrada para aliviar os sintomas, se a doença se disseminou para os ossos, cérebro ou medula espinhal.

Se o estado geral de saúde do paciente não for bom, ele pode não suportar os efeitos colaterais da quimioterapia ou qualquer benefício da mesma. Nesse caso, o médico pode escolher um esquema de tratamento baseado nas condições individuais de cada paciente. Se o paciente não tiver condições físicas para a quimioterapia, a melhor opção são os cuidados paliativos, o que inclui o tratamento para dor, problemas respiratórios ou outros sintomas.

Como esse tipo de câncer é difícil de tratar, participar em estudos clínicos com novos medicamentos e combinações de quimioterápicos, bem como outros novos tratamentos, podem ser uma boa opção para alguns pacientes. Se você tiver interesse em participar de um estudo clínico converse com  seu médico.

Recidiva

Se o tumor continua crescendo durante o tratamento ou recidiva, a continuação do tratamento dependerá da localização e da extensão da doença, dos tratamentos anteriores e do estado geral de saúde do paciente. É importante compreender o objetivo de qualquer tratamento adicional, se é para tentar curar a doença, retardar o crescimento do tumor ou para aliviar os sintomas, é muito importante determinar os possíveis benefícios e riscos.

Se o tumor continua crescendo durante a quimioterapia, outro tipo de medicamento pode ser administrado, embora possa ser menos provável que seja eficaz. Para os tumores que recidivam após o tratamento inicial, a escolha dos medicamentos quimioterápicos pode depender de quanto tempo a doença ficou em remissão. Outra opção para pacientes cuja doença continua em progressão após duas ou mais linhas de tratamento, incluindo quimioterapia com carboplatina ou cisplatina; é a imunoterapia com nivolumab ou pembrolizumabe.

Texto originalmente publicado no site da American Cancer Society, em 01/10/2019, livremente traduzido e adaptado pela Equipe do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2020 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive