Tipos de Câncer

Câncer de Esôfago

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Danone Nutricia Sanofi Grunenthal Sirtex Servier Oncologia


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Tratamento do Câncer de Esôfago por Estágio

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 16/05/2015 - Data de atualização: 26/11/2020


Na maioria das vezes, o tratamento inicial do câncer de esôfago é baseado em seu estadiamento. Mas, outros fatores, como estado de saúde geral do paciente, também pode influenciar na escolha das opções de tratamento. Converse com seu médico se tiver dúvidas sobre o esquema de tratamento proposto.

Estágio 0

No estágio 0, o tumor contém células anormais denominadas displasia de alto grau, e é uma lesão pré-cancerígena. As células anormais se parecem às cancerosas, mas só são encontradas na camada interna de células que reveste o esôfago. Este estágio é muitas vezes diagnosticado quando alguém com esôfago de Barrett faz uma biópsia de rotina.

As opções de tratamento geralmente incluem tratamentos endoscópicos, como terapia fotodinâmica, ablação por radiofrequência ou ressecção endoscópica da mucosa. O acompanhamento a longo prazo com endoscopia digestiva alta é muito importante após o tratamento endoscópico para observar as células pré-cancerígenas (ou câncer) do esôfago.

Outra opção é a remoção da lesão por esofagectomia. A vantagem dessa abordagem é que não necessita de acompanhamento com endoscopia ao longo da vida.

Estágio I

Neste estágio, o tumor atingiu uma das camadas mais profundas da parede do esôfago, mas não atingiu os linfonodos ou outros órgãos.

Tumores T1. Alguns cânceres em estágio inicial estão apenas numa pequena área da mucosa e não invadiram a submucosa (tumores T1a), podendo ser tratados com ressecção endoscópica da mucosa, geralmente seguido por algum tipo de procedimento endoscópico para destruir qualquer área anormal remanescente no revestimento do esôfago.

Mas, a maioria dos pacientes com tumores T1 estão saudáveis ​​o suficiente para a cirurgia de remoção da parte do esôfago que contém a doença. Se existirem sinais de que a doença não foi removida cirurgicamente, a quimioirradiação pode ser indicada após a cirurgia.

Tumores T2. Para pacientes com câncer de esôfago que invade a muscular própria, o tratamento com quimioirradiação muitas vezes é administrado antes da cirurgia. A cirurgia por si só pode ser uma opção para tumores menores que 2 cm. Se o tumor se encontra próximo ao estômago, apenas a quimioterapia pode ser administrada antes da cirurgia.

Se o tumor se encontra na parte superior do esôfago pode ser indicada a quimioirradiação como tratamento principal, em vez da cirurgia. O acompanhamento endoscópico é muito importante para detectar uma possível recidiva da doença.

Os pacientes estágio I que não podem fazer a cirurgia por outros problemas de saúde ou que não querem fazer a cirurgia, podem ser tratados com ressecção endoscópica da mucosa, ablação endoscópica, quimioterapia, radioterapia ou quimioirradiação.

Estágio II e III

O estágio II inclui tumores que invadiram a camada muscular do esôfago ou o tecido conjuntivo fora do esôfago. Este estágio inclui alguns tipos de câncer que se espalharam para 1 ou 2 gânglios linfáticos próximos.

O estágio III inclui alguns tipos de câncer que cresceram através da parede do esôfago para a camada externa bem como aqueles que cresceram em tecidos ou órgãos próximos. Ele também inclui a maioria dos cânceres que se disseminaram para os linfonodos adjacentes.

Para pacientes saudáveis, o tratamento para esses tipos de câncer é a quimioirradiação seguida por cirurgia. Os pacientes com adenocarcinoma na junção gastroesofágica são às vezes tratados com quimioterapia seguida de cirurgia. A cirurgia isolada pode ser uma opção para alguns tumores pequenos.

Se a cirurgia foi o primeiro tratamento, a quimioirradiação pode ser indicada, principalmente se o tumor é adenocarcinoma ou se existem sinais de doença remanescente da cirurgia.

Em alguns casos, a quimioirradiação pode ser recomendada como tratamento principal em vez da cirurgia. Os pacientes que não fizerem cirurgia precisam ter acompanhamento endoscópico para procurar possíveis sinais remanescentes da doença. Infelizmente, mesmo quando o câncer não pode ser visto, ainda pode estar presente sob o revestimento interno do esôfago, por isso o acompanhamento médico é muito importante.

Pacientes que não podem fazer a cirurgia, por outros problemas de saúde são normalmente tratados com quimioirradiação.

Estágio IV

No estágio IV, a doença se espalhou para os linfonodos ou outros órgãos.

Em geral, esses tumores são muito difíceis de serem tratados, então a cirurgia curativa não é uma opção de tratamento. O tratamento é realizado para tentar manter a doença sob controle o maior tempo possível e aliviar os sintomas provocados pelo tumor.

A quimioterapia pode ser administrada junto com a terapia-alvo para ajudar os pacientes a se sentirem melhor e aumentar a sobrevida. A radioterapia ou outros tratamentos podem ser realizados ​​para aliviar a dor ou melhorar a deglutição. Outra opção é o tratamento com imunoterápicos ou terapia-alvo com larotrectinibe ou entrectinibe.

Para os tumores localizados na junção gastroesofágica, o tratamento com ramucirumabe pode ser uma opção. Ele pode ser administrado sozinho ou combinado com quimioterapia. Outra opção pode ser o tratamento com pembrolizumabe ou combinada com a quimioterapia oral
trifluridina - tipiracil.

Recidiva

Recidiva significa que o câncer voltou após o tratamento. A recidiva pode ser local ou em órgãos distantes.

O tratamento da recidiva depende da localização e dos tratamentos já realizados anteriormente. Se o tumor foi tratado inicialmente com ressecção endoscópica da mucosa ou terapia fotodinâmica, na maioria das vezes a recidiva é no esôfago. Esse tipo de recidiva é muitas vezes tratada com cirurgia para remover o esôfago. Se o paciente não tem condições clínicas para a cirurgia, a doença pode ser tratada com quimioterapia, radioterapia ou ambos.

Se a recidiva for nos linfonodos, após a cirurgia de remoção do esôfago, pode ser administrada radioterapia e/ou quimioterapia. A radioterapia pode não ser uma opção se já foi administrada como parte do tratamento inicial. Quando a quimioterapia foi administrada inicialmente, ainda é possível realizar novamente. Às vezes os mesmos medicamentos são administrados, mas podem ser utilizadas outras drogas. Outras opções de tratamento para recidiva local após a cirurgia podem incluir cirurgia ou outros tratamentos para prevenir ou aliviar os sintomas.

Se a recidiva é local após quimioirradiação, a esofagectomia pode ser uma opção se o paciente tiver condições clínicas para o procedimento. Se a cirurgia não é possível, as opções de tratamento podem incluir quimioterapia ou outros tratamentos para prevenir ou aliviar os sintomas.

O câncer de esôfago avançado é tratado como um câncer estágio IV.

Os pacientes com câncer de esôfago avançado geralmente receberão tratamentos destinados a prevenir ou aliviar os sintomas da doença.

Texto originalmente publicado no site da American Cancer Society, em 24/06/2020, livremente traduzido e adaptado pela Equipe do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive