Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Tratamento de cânceres raros na pauta de Brasília

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 24/08/2015 - Data de atualização: 24/08/2015


O câncer é segunda causa de morte no Brasil, atrás apenas de doenças cardiovasculares. Entretanto, pacientes que convivem com o câncer enfrentam inúmeros problemas para garantir o acesso a um tratamento rápido e de qualidade, seja por falta de infraestrutura, de médicos, ou de maior transparência nos processos regulatórios coordenados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) e a Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias (CONITEC).

No período de um ano, até setembro/2013, a Anvisa negou o registro de 8 medicamentos de ponta produzidos por 6 empresas, gerando grande preocupação entre entidades de pacientes, como o Instituto Oncoguia. No dia 13 de maio a organização, assim como a comunidade médica e outros convidados terão uma oportunidade de se manifestar, durante a audiência pública "Os aspectos regulatórios, sobretudo as exigências da Anvisa – Agência Nacional de Vigilância Sanitária, quanto ao tratamento de cânceres e tumores raros", a ser realizada na Câmara dos Deputados, em Brasília, a partir das 14h30.

Já aprovados e comercializados no exterior, esses novos medicamentos seriam uma opção terapêutica para os pacientes brasileiros. "Com o avanço da medicina personalizada e a identificação de alvos terapêuticos no tumor, estamos cada vez mais oferecendo o medicamento certo para  o paciente certo”, afirma a presidente do Instituto Oncoguia, a psico-oncologista e especialista em Bioética Luciana Holtz. Segundo ela, a audiência pública poderá ser uma ótima oportunidade para ampliar o diálogo e para podermos entender como a Anvisa vê esse avanço.  "Queremos compreender as regras e se possível aprimorá-las”, ressalta.

Não é por acaso que a audiência pública, convocada pelo deputado federal Ruy Carneiro, presidente da Frente Parlamentar de Combate ao Câncer (em atuação desde outubro de 2013), terá em pauta o tratamento de tumores raros. Entre os medicamentos que tiveram registro indeferido pela Anvisa, sob alegação de que faltam dados de sobrevida global, está o crizotinibe, destinado ao tratamento de um tipo de câncer de pulmão (não pequenas células) que acomete geralmente não fumantes jovens. Trata-se de uma droga eficaz para um pequeno subgrupo cujo tumor apresenta o alvo especifico da droga. Outro medicamento é o axitinibe para o tratamento sequencial de câncer renal avançado, sendo indicado a pacientes que já não respondem mais a outras terapias que receberam para o mesmo fim.

Estudos clínicos


A presidente do Instituto Oncoguia alerta que também no âmbito das pesquisas clínicas com novos medicamentos oncológicos a situação é preocupante.  A aprovação tem trâmites vagarosos demais, gerando impacto negativo para os pacientes, para os pesquisadores, para os centros e para o Brasil.  Aqui, um projeto chega a ficar mais de um ano em avaliação, enquanto autoridades americanas, britânicas e francesas respondem em três a quatro meses. O cenário fica ainda mais sombrio quando projeções do Instituto Nacional do Câncer (Inca) apontam que mais de 570 mil pessoas serão diagnosticadas com câncer no país em 2014.

O site www.clinicaltrials.gov, banco de dados do governo americano que disponibiliza informações globais sobre estudos clínicos, confirma o descompasso do Brasil nessa área. De acordo com registros do dia 6 de maio, enquanto os Estados Unidos lideravam o ranking, com 25.077, ou mais de 58% dos 43.103 estudos sobre câncer em desenvolvimento no mundo, o Brasil aparecia com apenas 758, ou menos de 2%.
_____________________________________

Sobre o Instituto Oncoguia - Associação civil sem fins lucrativos fundada em novembro de 2009, o Instituto Oncoguia existe para defender e garantir os direitos dos pacientes com câncer. Com a missão de ajudar o paciente com câncer a viver melhor por meio de ações de educação, conscientização e apoio, a entidade tem os seguintes objetivos estratégicos: Disponibilizar informação de qualidade para o paciente, seus familiares e população em geral; educar a população e o paciente com câncer sobre a importância do autocuidado em saúde, bem estar, qualidade de vida e cidadania; empoderar a população e os pacientes com câncer, dando voz e oferecendo apoio e suporte as suas principais necessidades; promover e facilitar o acesso do paciente com câncer aos seus direitos; e contribuir para o aprimoramento das políticas públicas relacionadas ao câncer, engajando parlamentares e gestores em prol da causa.

Para saber mais: www.oncoguia.org.br

Mais Informações à Imprensa


Denise Lima - (11) 99611.7381
Luciana Garbelini - (11) 99292.2131
Oficina da Palavra - (11) 3289.2139
Giovana Camargo - (11) 98383.2180 - giovanacamargo@oncoguia.org.br


Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive