Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Danone Nutricia Sanofi Grunenthal Sirtex Servier Oncologia


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Tratamento contra o câncer de pulmão será cada vez mais personalizado, diz médico

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 04/12/2020 - Data de atualização: 04/12/2020


Os tratamentos para o câncer de pulmão passam por importantes avanços e devem ser cada vez mais personalizados. Em artigo publicado pela revista científica indexada Journal of Clinical Medicine, o oncologista Ramon Andrade de Mello, aponta as perspectivas futuras para a doença.

“As terapias-alvo e a imunoterapia vêm se despontando como caminhos com melhores soluções para os pacientes diagnosticados com a doença”, analisa o pesquisador. Ele explica que as terapias-alvo atuam diretamente nas moléculas essenciais para o funcionamento das células cancerígenas, freando a sua expansão. Já a imunoterapia estimula as próprias células de defesa contra o câncer.

O câncer de pulmão é a neoplasia mais comum em todo o mundo, e 85% desses tumores são classificados como câncer de pulmão de células não pequenas. Um dos impactos da evolução do tratamento já se refletiu no aumento da taxa de sobrevida em 5 anos dos pacientes, que saltaram de 10,7% no início dos anos 1970 para 19,8% na década de 2010. “Para cada paciente é necessária uma avaliação especifica. Já contamos com medicamentos da quarta geração e as perspectivas são muito otimistas”, comemora Mello.

O professor alerta que a alta mortalidade desta doença é agravada pelo fato de que muitos tumores já estão avançados no momento de diagnóstico. Segundo ele, estudos encontraram a presença de metástases em órgãos distantes em 47,3% dos pacientes com o câncer de pulmão em seu diagnóstico inicial de câncer. “Essa situação pode dificultar muito o tratamento. Por isso, é fundamental exames regulares no grupo de risco”, destaca o oncologista.

O principal fator de risco para o desenvolvimento desse câncer é o tabagismo, responsável por pelo menos 80% de casos. Fumar continuamente pode aumentar o risco em até 50%. Já o tabagismo passivo aumenta os riscos em até 30%. O pesquisador aponta que a poluição e a exposição ocupacional a agentes cancerígenos também trazem perigos: “Além disso, estudos têm mostrado que ter um parente de primeiro grau com história de câncer de pulmão aumenta o risco de uma pessoa desenvolver esta doença em 50% e cerca de 8% de todos os casos ocorrem devido à predisposição genética”.

Fonte: Folha Vitória

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive