Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Tratamento contra o câncer de mama passa a ser facilitado por Ministério da Saúde

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 29/04/2019 - Data de atualização: 29/04/2019


Descobrir o câncer de mama, geralmente, é uma situação delicada e que exige a máxima assistência à paciente para tranquilizá-la perante os futuros procedimentos. Para isso, o tratamento deve ser iniciado o quanto antes, reduzindo riscos e traumas, e aumentando as taxas de cura.  

Por esforços da Sociedade Brasileira de Patologia (SBP), juntamente com o Instituto Oncoguia, recentemente, o Brasil teve uma grande conquista para o enfrentamento da enfermidade: a maior agilidade para o início do tratamento específico contra o câncer de mama HER2-positivo, a terapia com drogas anti-HER2.

“Existem subtipos diferentes de câncer de mama e o tratamento é direcionado conforme este subtipo”, explica Marina De Brot, Secretária Geral da SBP, complementando que esta definição é feita pelo médico patologista, através da avaliação de exames imuno-histoquímicos e testes moleculares, quando necessários.

Desde 2013, quando foi publicada a Portaria do Ministério da Saúde que estabeleceu o protocolo de uso do trastuzumabe no tratamento do câncer de mama HER2-positivo pelo SUS, havia a exigência de teste molecular confirmatório através do exame de hibridização in situ (ISH: FISH, DDISH, etc) para todos os casos de câncer de mama com resultado imuno-histoquímico positivo (três cruzes ou 3+) para HER2, o que prolongava o tempo de espera para o início da terapia anti-HER2. “O ideal é que o tratamento adjuvante comece até 60 dias depois da cirurgia. Após este período, há redução da eficácia da terapia. A exigência do FISH para este grupo de pacientes é uma etapa a mais que prolonga desnecessariamente o começo do tratamento, dificultando e algumas vezes privando as pacientes da terapia anti-HER2”, afirma Marina, que salienta não haver embasamento científico para a exigência do teste de ISH nos casos 3+ à imuno-histoquímica. 

“No mundo todo, nos casos de câncer de mama em que o exame de imuno-histoquímica é positivo em três cruzes, não há indicação de confirmação pelo exame de FISH. A alteração da Diretriz Diagnóstica e Terapêutica do Câncer de Mama facilitará o acesso de pacientes à terapia anti-HER2”, ressalta Clovis Klock, Presidente da SBP.

Por meio de envio de ofício ao Ministério da Saúde, a SBP e o Oncoguia indicaram tecnicamente a não necessidade do exame de ISH para situações em que o resultado do exame imuno-histoquímico for positivo em três cruzes para HER2. Desse modo, o Ministério aceitou a solicitação e está tomando as devidas providências para efetivar a modificação da Diretriz, seguindo a linha adotada em diversos países. O parecer foi informado às entidades por meio do Ofício n° 322/2019/SAS/GAB/SAS/MS.

“A grande importância dessa mudança é agilizar todo o processo e permitir que as pacientes possam iniciar o tratamento sem atrasos. Isso faz muita diferença na vida dessas mulheres”, esclarece Luciana Holtz, presidente do Instituto Oncoguia.

Clube da Mama da SBP
O câncer de mama é o segundo mais incidente entre as mulheres no Brasil, com estimativa de 59.700 novos casos apenas neste ano, segundo o Instituto Nacional de Câncer. Reconhecendo a relevância da doença e a importância do diagnóstico preciso, a SBP desenvolve atividades de Educação Continuada como o Clube da Mama, que terá o próximo encontro no 32° Congresso Brasileiro de Patologia, realizado entre os dias 2 a 5 de maio, em Fortaleza (CE).

“Seja durante reuniões presenciais ou através de atividades online, patologistas participantes do Clube discutem sobre os desafios no diagnóstico de casos difíceis ou raros, compartilham experiências e trocam referências bibliográficas. Além disso, a SBP está sempre promovendo cursos, tutoriais e palestras para o aprimoramento de seus associados, tanto na Patologia Mamária como em outras áreas”, conclui Marina, que também será coordenadora do encontro.

Sobre a SBP
Fundada em 1954, a Sociedade Brasileira de Patologia (SBP) é uma instituição prioritariamente científica, que promove cursos, congressos e eventos para atualização, desenvolvimento e qualificação da especialidade. Além do mais, orienta, normatiza e valoriza a atuação profissional dos médicos patologistas.

Informações à imprensa
RS Press
(11) 3875-6296
Vinícius Lima - viniciuslima@rspress.com.br
Jéssica Souza - jessicasouza@rspress.com.br
Danilo Gonçalves - danilogoncalves@rspress.com.br



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive