Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Tratamento com vírus geneticamente modificado freia câncer de retina

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 29/01/2019 - Data de atualização: 29/01/2019


O uso de vírus geneticamente modificados como arma contra o câncer, uma abordagem que tem despertado cada vez mais atenção nos últimos anos, mostrou resultados preliminares promissores contra um tipo de tumor que costuma afetar a retina de crianças pequenas.

Em testes feitos com animais e com duas meninas de dois anos que já não respondiam a nenhum outro tratamento, os vírus se revelaram capazes de destruir ao menos parte do tumor e de evitar metástases, ou seja, o avanço do câncer para outros órgãos.

A abordagem ainda precisa ser refinada com mais testes clínicos (em humanos). Mas ela representa esperança porque, em muitos casos, a única opção de tratamento para o retinoblastoma, como é conhecido esse tipo de tumor, é a remoção do olho afetado. Em alguns casos, ambos os globos oculares ficam comprometidos e precisam ser retirados.

Calcula-se que ocorram 8.000 novos casos de retinoblastoma a cada ano. Entre os tumores diagnosticados em crianças de até um ano de idade, a doença representa 11% das ocorrências de câncer.
Ao contrário do que acontece em outros cânceres, as alterações no DNA que desencadeiam o retinoblastoma são bem conhecidas, afetando o gene RB1. O gene é, não por acaso, um supressor de tumores, ou seja, contém a receita para a produção de uma molécula que ajuda a controlar a proliferação das células e impede que ela se descontrole, o que costuma desencadear a formação tumoral).

Foi justamente levando em conta o papel-chave do gene RB1 que os responsáveis pela nova arma contra o retinoblastoma desenvolveram seu trabalho. A equipe coordenada por Ángel Montero Carcaboso, do Instituto de Pesquisa Sant Joan de Deu, em Barcelona, trabalhou com um adenovírus oncolítico, ou seja, um vírus preparado para causar a “lise” (ou seja, a “quebra”) de células de câncer (daí o “onco” no nome), e apenas delas.

O vírus oncolítico foi alterado para que ele só conseguisse se multiplicar no interior de células cujas cópias do gene RB1 não funcionam mais (justamente o caso das pertencentes ao retinoblastoma). Além disso, o receptor, ou fechadura química usada pelo parasita para adentrar as células, só costuma estar presente na superfície de tumores. Para potencializar ainda mais a ação antitumoral, o vírus recebeu, em seu material genético, instruções que o ajudam a destruir a matriz de moléculas que existe entre as células cancerosas, facilitando seu espalhamento.

Abordagens semelhantes já têm sido testadas em diferentes tipos de câncer desde a década passada. Nos EUA, em 2015, a FDA (que regula fármacos e alimentos no país) aprovou o uso comercial do primeiro vírus oncolítico, uma versão modificada do causador da herpes usada para tratar melanoma.

Médica aponta sinais iniciais de retinoblastoma no olho de criança - Simon Plestenjak/Folhapress

Além da ação direta do vírus contra o tumor, a abordagem é considerada interessante porque pode estimular os ataques do próprio sistema de defesa do organismo contra a doença, caso as partículas virais carreguem genes que estimulem isso. A segurança contra uma infecção generalizada é garantida, em tese, pelo fato de o vírus invadir preferencialmente as células cancerosas e pela administração local do tratamento, por meio de injeções, por exemplo.

Para chegar ao tratamento experimental com as duas meninas, os pesquisadores primeiro expuseram culturas de células em laboratório, cultivadas a partir de tumores de 12 pacientes, ao vírus, comprovando que o parasita era capaz de infectar e matar as células tumorais. 

Depois, em experimentos com camundongos e coelhos, os cientistas mostraram que os vírus se mantêm basicamente restritos à região onde são injetados, sem afetar outros órgãos, além de proteger durante meses os olhos dos animais do estágio em que seria necessário removê-los e evitar metástases.

As duas meninas tinham retinoblastomas que não respondiam mais à quimioterapia. Com elas, os resultados foram mais complicados. Na primeira, os vírus produziram um processo inflamatório que impedia que os pesquisadores continuassem a visualizar a progressão do tumor, o que acabou levando à remoção cirúrgica do olho.

No caso da segunda paciente, a inflamação foi controlada com drogas, e a aplicação viral destruiu parte das células tumorais. A retirada do olho afetado, portanto, foi evitada. Agora, será necessário refinar a estratégia e fazer novos testes em busca de uma taxa de sucesso mais alta. 

O estudo está na última edição da revista Science Translational Medicine.

Fonte: Folha de S.Paulo

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive