Tipos de Câncer

Linfoma Não Hodgkin

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Astellas UICC Libbs GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Transplante de Células Tronco para Linfoma Não Hodgkin

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 20/06/2015 - Data de atualização: 11/10/2018


O transplante de células tronco permite que sejam administradas doses mais altas de quimioterapia, às vezes, junto com a radioterapia.

As doses dos medicamentos quimioterápicos são normalmente limitadas pelos efeitos colaterais provocados por esses medicamentos. Doses mais altas não podem ser usadas, mesmo que possam destruir as células cancerígenas, porque danificariam a medula óssea, onde as novas células sanguíneas são produzidas.

Mas com o transplante de células tronco, é possível administrar altas doses de quimioterapia uma vez que o paciente recebe um transplante de células tronco produtoras de sangue para restaurar a medula óssea.

Os transplantes de células tronco são, às vezes, usados ​​para tratar pacientes com linfoma que estão em remissão ou que apresentam recidiva durante ou após o tratamento. Embora apenas um pequeno percentual de pacientes sejam tratados com o transplante, esse número está aumentando.

Tipos de Transplantes

Existem 2 tipos principais de transplantes de células tronco, que utilizam diferentes fontes das células:

  • Transplante Autólogo. No transplante autólogo são utilizadas as próprias células tronco do paciente. As células tronco são coletadas semanas antes do tratamento, congeladas e armazenadas, enquanto o paciente recebe tratamento (altas doses de quimioterapia e/ou radioterapia) e, em seguida são devolvidas ao sangue do paciente por injeção intravenosa.
     
  • Transplante Alogênico. Se as células tronco do próprio paciente não são adequadas para o transplante, será necessário ter um doador saudável. Normalmente um irmão ou irmã, embora a fonte possa ser um doador não relacionado ou sangue do cordão umbilical.

Os transplantes autólogos são usados ​​com mais frequência que os alogênicos no tratamento do linfoma não Hodgkin. Entretanto, o uso de células do próprio paciente pode não ser uma opção se o linfoma se disseminar para a medula óssea ou para o sangue. Se isso acontecer, pode ser difícil obter uma amostra de células tronco de células de linfoma.

Os transplantes alogênicos são usados ​​com menos frequência para o linfoma, devido aos seus efeitos colaterais que os tornam difíceis de serem tolerados, principalmente especialmente para pacientes mais velhos ou com outros problemas clínicos. E também por ser difícil encontrar um doador compatível.

Para saber mais sobre alguns dos efeitos colaterais listados aqui e como gerenciá-los, consulte nosso conteúdo Efeitos Colaterais do Tratamento.

Fonte: American Cancer Society (01/08/2018)



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2022 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive