Tipos de Câncer

Câncer em Adolescentes

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Tipos de Tratamento para Câncer em Adolescentes

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 25/04/2014 - Data de atualização: 02/09/2017


Os principais tratamentos para câncer em adolescentes são os mesmos utilizados em outras faixas etárias. A escolha do tratamento depende principalmente do tipo e estadiamento da doença. Às vezes, mais de um tipo de tratamento é realizado ou são realizadas combinações terapêuticas.

É importante que todas as opções terapêuticas sejam discutidas com o médico, bem como seus possíveis efeitos colaterais, para ajudar a tomar a decisão que melhor se adapte às necessidades de cada paciente.

Cirurgia

A cirurgia é um tratamento comum, especialmente para o câncer em estágio inicial. O tipo de cirurgia depende evidentemente do tipo e da localização do tumor.

Os adolescentes têm algumas vantagens quando se trata de cirurgia, uma vez que eles geralmente têm menos problemas de saúde do que os adultos, e existe menos preocupação com a anestesia do que com as crianças. Entretanto, o corpo dos adolescentes, muitas vezes, está ainda em fase de desenvolvimento, por isso, em alguns casos ele pode ser mais afetado pela cirurgia do que nos adultos.

Radioterapia

O tratamento radioterápico utiliza radiações ionizantes para destruir ou inibir o crescimento das células anormais que formam um tumor. Existem vários tipos de radiação, porém as mais utilizadas são as eletromagnéticas (Raios X ou Raios gama) e os elétrons (disponíveis em aceleradores lineares de alta energia).

Os adolescentes são menos propensos a ter grandes efeitos colaterais da radiação do que as crianças mais jovens, porque os seus corpos já não estão crescendo tão rapidamente. Mas, algumas partes do corpo, como mama, ovários ou testículos, ainda podem ser muito sensíveis aos efeitos da radiação, se estiverem em desenvolvimento.

Quimioterapia e Terapia Alvo

A quimioterapia utiliza medicamentos anticancerígenos para destruir as células tumorais. Por ser um tratamento sistêmico, a quimioterapia atinge não somente as células cancerígenas senão também as células sadias do organismo. De forma geral, a quimioterapia é administrada por via venosa, embora alguns quimioterápicos possam ser administrados por via oral. A químio é muitas vezes administrada no tratamento de câncer avançado, mas também pode ser realizada para os cânceres em estágios iniciais.

Os medicamentos quimioterápicos provocam efeitos colaterais porque agem sobre as células que se dividem rapidamente. Os adolescentes geralmente suportam melhor as altas doses de quimioterapia do que os adultos, mas doses mais elevadas podem causar efeitos colaterais a curto e longo prazo.

Para alguns tipos de câncer, novos medicamentos alvo podem ser usados em vez dos quimioterápicos padrão. A terapia alvo é direcionada às células que se dividem rapidamente, por isso são eficazes contra estas células. Os medicamentos alvo às vezes funcionam quando os quimioterápicos padrão não respondem ao tratamento, e eles têm diferentes efeitos colaterais, que muitas vezes são menos severos.

Imunoterapia

A imunoterapia é um tratamento que ajuda o próprio sistema imunológico a combater o câncer. Alguns tipos de imunoterapia são uma parte importante do tratamento de determinados tipos de câncer, como o câncer de pele melanoma. Os tipos mais recentes de imunoterapia também estão sendo utilizados contra vários outros tipos de câncer.

Transplante de Células Tronco

O transplante de células tronco, anteriormente denominado transplante de medula óssea, é uma maneira de administrar altas doses de quimioterapia, às vezes junto com a radioterapia. É uma opção para o tratamento de alguns tipos de câncer, geralmente se outros tratamentos não estão respondendo.

Sem o transplante de células tronco, as doses dos medicamentos quimioterápicos que podem ser administradas são limitadas porque poderiam danificar seriamente a medula óssea, onde as novas células sanguíneas são produzidas. Isso poderia levar a infecções fatais, hemorragia e outros problemas em função da diminuição das taxas sanguíneas.

Quando um transplante de células tronco é realizado, as células estaminais, formadoras de sangue, são coletadas do paciente ou de um doador. As células tronco são mantidas congeladas, enquanto o paciente recebe altas doses de quimioterapia e às vezes radioterapia para destruir as células cancerígenas. Depois, as células-tronco são introduzidas ao corpo, através de uma transfusão de sangue. Elas se instalam na medula óssea e começam a produzir novas células sanguíneas.

Um transplante de células tronco é um tratamento de alta complexidade que pode causar importantes efeitos colaterais.

Fonte: American Cancer Society (29/09/2016)


Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive