Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Testes genéticos substituem o exame de rotina de câncer de mama?

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 29/01/2021 - Data de atualização: 29/01/2021


A evolução tecnológica na área médica historicamente tem por característica, incorporar novas tecnologias sem aposentar suas predecessoras. O advento das tomografias e ressonâncias magnéticas por exemplo, não inutilizaram o velho aparelho de raio X. Bem como o eletrocardiograma ou a ecocardiografia transferiu o estetoscópio do pescoço do cardiologista para uma parede do museu. É desta mesma forma que a genética começa a adentrar cada vez mais na prática médica, contribuindo para melhor aplicação dos métodos diagnósticos e terapêuticos vigentes, complementando-os e melhorando sua precisão e aplicações.

​>> Por que fazer testes genéticos?​

O câncer de mama tem sido uma das doenças mais impactadas com o advento das novas tecnologias em genética. Há disponível uma gama de testes com finalidades diferentes, mas com a característica em comum de melhorar a tomadas de decisões do diagnóstico ao tratamento. A classificação dos subtipos de câncer, escolha de determinado tratamento ou droga, já são aplicações práticas da genética que revolucionaram os tratamentos, e o foco a partir de agora se volta para a área da prevenção.

Testes genéticos com foco em prevenção estão em pleno desenvolvimento e começam a ficar disponíveis para grande parte da população. Hoje há dois tipos de testes preventivos: os que analisam integridade de alguns genes , indicados para situações em que há forte histórico familiar de câncer de mama, e os escores de risco poligênico que analisam a situação de milhares de posições genéticas (locus) medindo a interação entre esses pontos chaves. Ambos os testes medem a probabilidade da mulher desenvolver o câncer de mama ao longo da vida podendo muitas vezes serem complementares. Atualmente é a forma mais precisa de orientar medidas preventivas adequadas, personalizando os exames de rotina de acordo com a estratificação de risco individual. Esses testes não determinam se uma doença vai ocorrer ou não, ou seja, não diagnosticam o câncer de mama no presente ou no futuro, mas nos dão a oportunidade da prevenção e precaução necessárias, otimizando os exames de rotina e cuidados convencionais.

Produtos que visam usar a genética para aprimorar os processos preventivos já são uma realidade e estão em franca expansão, especialmente aqueles que podem ser vendidos diretamente ao consumidor. O VIVIDA é um produto inovador concebido para otimizar os processos preventivos em câncer de mama a partir de análise genética. Através de um escore de risco poligênico, associado a dados clínicos para a estratificação de risco e customização das recomendações preventivas para as mulheres de moderado e alto risco. A expectativa é que em pouco tempo esse tipo de teste vá permear a atividade médica e ser uma importante ferramenta para tomada de decisão.

​É consenso que os melhores resultados em ações de saúde são os preventivos. Aplicar modificações no estilo de vida como prática de atividades físicas, controle do peso, cuidados dietéticos e controle de exposição a agentes cancerígenos, podem influenciar os fatores de risco prevenindo o desenvolvimento do câncer de mama. Contudo os exames radiológicos ainda são a principal maneira de diminuir a mortalidade por câncer de mama através do diagnóstico precoce. Para cada estrato de risco identificado no VIVIDA há uma recomendação para o uso dos exames de mamografia, ultrassonografia e ressonância magnética de forma ideal, aumentando as chances de diagnóstico precoce e acesso a todas as vantagens de tratar um câncer nesse estágio.

A crescente acessibilidade aos testes genéticos, impulsiona a chamada medicina de precisão, onde a análise genética e comportamental irá individualizar estratégias preventivas , propedêuticas e terapêuticas . Hoje esta possibilidade já é uma realidade em nosso meio reforçado pelo lançamento do VIVIDA, que justamente utiliza-se da avaliação genética para otimizar os recursos preventivos de acordo com o perfil de cada mulher.

Hoje mais do que nunca sabe-se que não somos vítimas dos nossos genes, mas condutores dos nossos próprios destinos através das escolhas que fazemos ao longo da vida. Conhecer-se melhor através de testes genéticos e avaliações clínicas podem ser uma maneira importante de enxergar os melhores caminhos e os cuidados necessários para aumentar a segurança da jornada.

Para saber mais sobre o VIVIDA, acesse o site www.souvivida.com.br.

Fonte: NSC Total

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive