Tipos de Câncer

Leucemia Linfoide Crônica (LLC)

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Terapia de Suporte para Leucemia Linfoide Crônica (LLC)

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 27/07/2015 - Data de atualização: 20/08/2018


A terapia de suporte para a leucemia linfoide crônica tem o objetivo de ajudar com problemas relacionados à doença e seu tratamento. Por exemplo, alguns pacientes com leucemia linfoide crônica apresentam problemas com infecções ou diminuição das taxas sanguíneas. Embora o tratamento da leucemia linfoide crônica possa ajudar estes ao longo do tempo, outras terapias podem ser necessárias.

Tratamentos para prevenir infecções

  • Imunoglobulina intravenosa. Alguns pacientes com leucemia linfoide crônica não têm anticorpos (imunoglobulinas) suficientes para combater uma infecção. Isto pode levar a sinusites e pneumonias de repetição. O nível de anticorpos pode ser verificado com uma análise do sangue, Se for baixo, anticorpos doados podem ser administrados via intravenosa para aumentar os níveis e evitar infecções. Isto é denominado imunoglobulina intravenosa. Muitas vezes, a imunoglobulina intravenosa é administrada mensalmente, mas com base no resultado dos exames dos níveis dos anticorpos, pode ser administrado com menos frequência.
     
  • Antibióticos e antivirais. Certos medicamentos quimioterápicos, como análogos de purina e alemtuzumab podem aumentar o risco de determinados tipos de infecções, como citomegalovirus (CMV) e pneumonia provocadas por Pneumocystis jiroveci. Para diminuir o risco de infecção por CMV, pode ser administrado um antiviral, como o aciclovir ou valaciclovir. Para prevenir a pneumonia por Pneumocystis é administrado o antibiótico sulfametoxazol trimetoprim. Outros tratamentos estão disponíveis para pacientes alérgicos a medicamentos a base de sulfa. Os antibióticos e os antivirais, também são utilizados ​​para tratar infecções, mas, com doses mais elevadas ou medicamentos diferentes dos utilizados na prevenção das infecções.
     
  • Vacinas. Os pesquisadores recomendam que os pacientes com leucemia linfoide crônica recebam vacina contra pneumonia a cada 5 anos. Também recomendam a vacina contra a gripe anualmente. As vacinas que contêm vírus vivos, (herpes zoster) devem ser evitadas.

Tratamentos para taxas sanguíneas baixas

A leucemia linfoide crônica ou seu tratamento pode provocar anemia, o que faz que o paciente sinta cansaço, tontura ou falta de ar ao andar. Nesses casos, a anemia pode ser tratada com transfusões de forma ambulatorial. Em casos de diminuição acentuada do número de plaquetas, que pode levar a uma hemorragia importante, uma transfusão de plaquetas é necessária.

Na leucemia linfoide crônica, a diminuição das taxas sanguíneas e de plaquetas também pode ser provocadas pela destruição das células por anticorpos anormais. Quando os anticorpos provocam diminuição de plaquetas é denominado trombocitopenia imune. Na trombocitopenia imune, as transfusões de plaquetas geralmente não ajudam a aumentar a contagem de plaquetas, porque os anticorpos destroem as novas plaquetas. Ela pode ser tratada com medicamentos que afetam o sistema imunológico, como corticosteroides, imunoglobulina intravenosa e o anticorpo rituximab. Pode ser feita uma esplenectomia, uma vez que após os anticorpos manterem as plaquetas, elas são efetivamente destruídas no baço. Outra opção é uma droga que faz que o corpo produza mais plaquetas, como eltrombopag ou romiplostim.

Quando os anticorpos provocam diminuição dos glóbulos vermelhos, é denominada anemia hemolítica autoimune. O que pode ser tratada com medicamentos que afetam o sistema imunológico, como os corticosteroides, imunoglobulina intravenosa e rituximab. A retirada do baço também é uma opção. Se o paciente desenvolver anemia hemolítica autoimune enquanto tomar fludarabina, esse medicamento pode ser a causa, consequentemente deve ser suspenso.

Fonte: American Cancer Society (10/05/2018)



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive