Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

SUS oferecerá mais dois remédios para câncer de rim

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 14/01/2019 - Data de atualização: 14/01/2019


Todo ano, 6 mil novos casos de câncer renal são diagnosticados no Brasil (Ilustração: Erika Onodera/SAÚDE é Vital)

O Sistema Único de Saúde (SUS) remendou um atraso histórico no tratamento a pacientes com câncer de rim avançado. Após anos recorrendo a uma estratégia pouco eficiente e pra lá de tóxica, o serviço público agora terá à disposição uma dupla de medicamentos mais potente contra essa doença: o sunitinibe, da Pfizer, e o pazopanibe, da Novartis.

A decisão foi considerada um marco pela Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (Sboc), que fez o pedido de incorporação dos remédios citados. “Temos uma estimativa de mais de 6 mil novos casos por ano de câncer de rim. Apesar de não ser um dos tumores mais prevalentes em nosso país, 40% da população tem diagnóstico em uma fase tardia da doença, na qual o único tratamento disponível é ineficaz e já não é utilizado há mais de uma década em vários países”, afirma o médico Sergio Simon, presidente da Sboc, em nota à imprensa.

Essa terapia obsoleta mencionada por Simon atende pelo nome de interferon-alfa. Segundo um estudo clássico publicado no periódico The New England Journal of Medicine, ela só gera respostas objetivas em 6% dos casos de câncer renal avançado.

Para ter ideia, a mesma pesquisa indica que o sunitinibe traz benefícios consideráveis em 31% dos pacientes – ele é cinco vezes melhor nesse sentido. E não para por aí: enquanto o interferon controla o crescimento da enfermidade por mais ou menos cinco meses, o sunitinibe garante 11 meses (mais que o dobro).

“A incorporação representa um grande avanço na sobrevida e na qualidade de vida dos pacientes com metástase [quando a doença se espalha para outros locais do corpo], ao lembrar do perfil mais seguro desses medicamentos”, diz André Fay, oncologista e membro da Sboc, também por meio de comunicado.

É isso mesmo que você leu: o sunitinibe e o pazopanibe também apresentam menos efeitos colaterais. Eles, por exemplo, provocam menos cansaço, o que contribui para um maior bem-estar. De quebra, são comprimidos, ao passo que o interferon é administrado por injeções.

Oficializada no finalzinho de dezembro, a medida tem 180 dias para entrar em vigor.

Agora veja só: segundo a Sboc, o sunitinibe está aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) desde 2006, enquanto o pazopanibe, desde 2011.

Isso significa que, no primeiro caso, a droga chegou aqui faz mais de uma década – até então, no entanto, ela não havia sido incorporada ao sistema público.

Os dois fármacos recentemente liberados no SUS visam interromper a multiplicação das células cancerosas. Mas reforçamos que eles só entram em cena quando a doença já tiver se espalhado para outros órgãos.

Em casos menos avançados, a cirurgia para retirada de parte do rim (ou mesmo dele inteiro) é uma opção de tratamento. A quimioterapia também surge como alternativa em determinadas situações.

Mais recentemente, a chamada imunoterapia trouxe resultados bem interessantes – inclusive superiores ao sunitinibe. Essas opções, no entanto, estão restritas a alguns pacientes, são caríssimas e, por consequência, não chegaram na rede pública.

Fonte: Saúde

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive