Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Sobrevivência após câncer de mama não depende do ‘gene Angelina Jolie’

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 15/01/2018 - Data de atualização: 15/01/2018


A mutação do BRCA aumenta as chances de uma mulher desenvolver câncer de mama, mas após o diagnóstico da doença, sua ação não afeta as taxas de sobrevivência em relação às outras pacientes, revela estudo publicado nesta quinta-feira na revista "Lancet Oncology”. O BRCA ficou conhecido como "gene Angelina Jolie” após a atriz revelar que havia passado por uma cirurgia para remoção dos seios. Exames genéticos indicaram que ela tinha 87% de chances de desenvolver um tumor.

- Nosso estudo é o maior já realizado e nossos resultados sugerem que mulheres jovens com câncer de mama que têm uma mutação no BRCA têm a mesma sobrevivência das mulheres que não carregam a mutação após o tratamento - explica Diana Eccles, professora na Universidade de Southampton e autora principal do estudo.

Os pesquisadores acompanharam ao longo de dez anos 2.733 pacientes, entre 18 e 40 anos, que foram tratadas em 127 hospitais do Reino Unido entre 2000 e 2008, sendo que 12% possuíam a mutação no BRCA, e um terço destas passaram por dupla mastectomia após o diagnóstico. Ao longo do estudo, 651 pacientes morreram por causa da doença, e os dados revelam que a presença da mutação genética e a cirurgia de remoção dos dois seios não afetam as taxas de sobrevivência.

Dois anos após o tratamento, a taxa de sobrevivência das pacientes com a mutação foi de 97%, contra 96,6% das outras pacientes; cinco anos depois, as taxas foram de 83,8% e 85%; e, após dez anos, de 73,4% e 70,1%.

A mutação no BRCA faz com que o DNA pare de se reparar, aumentando os riscos para o desenvolvimento de câncer, principalmente nas mamas, nos ovários e na próstata. No Reino Unido, entre 45% e 90% das mulheres com mutação no BRCA desenvolvem câncer de mama durante a vida, contra apenas 12,5% das mulheres sem a mutação. Por esse motivo, é comum que vítimas do câncer de mama retirem o outro seio não afetado para evitar o reaparecimento da doença. Ou, como no caso de Angelina, retirem os seios antes do aparecimento de tumores.

- Mulheres diagnosticadas com câncer de mama que carregam a mutação no BRCA muitas vezes são aconselhadas a fazer a dupla mastectomia logo após o diagnóstico ou o tratamento quimioterápico - explicou Diana. - Entretanto, nossos resultados sugerem que a cirurgia não precisa ser realizada imediatamente.

Contudo, os pesquisadores ressaltam que o estudo acompanhou as pacientes pelo período de dez anos, portanto, os efeitos sobre prazos mais longos podem ser beneficiadas. Mesmo assim, a decisão sobre a retirada da mama não afetada pelo tumor não precisa ser imediata. Com os resultados, os pesquisadores recomendam que os médicos assegurem às pacientes que o atraso em um ou dois anos para a dupla mastectomia, para que elas se recuperem do tratamento inicial, não afeta as chances de sobrevivência.

- Em prazos mais longos, a cirurgia para redução de riscos deve ser discutida como uma opção para portadoras da mutação no BRCA, para minimizar o risco futuro de um novo câncer de mama ou no ovário - afirmou Diana. - Decisões sobre o tempo da cirurgia adicional para reduzir riscos de câncer no futuro devem levar em conta o prognóstico da paciente após o primeiro câncer e suas preferências pessoais.

Fonte: O Globo

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2018 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive