Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Sistema de regulação da assistência à saúde não existe no Rio de Janeiro

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 24/08/2015 - Data de atualização: 24/08/2015


O II Fórum Regional de Discussão de Políticas de Saúde em Oncologia foi realizando no último dia 14, no Rio de Janeiro, gerando importantes debates sobre a atenção oncológica no Estado.

Organizado pelo Instituto Oncoguia para plateia de mais de 120 pessoas, o Fórum contou com palestras de diversos agentes no universo do câncer no Rio de Janeiro, como diretores de hospitais públicos, do INCA e da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica, representante da Federação dos Hospitais Filantrópicos do RJ e gerente da Agência Nacional de Saúde Suplementar, entre outros, que revelaram muitos dados alarmantes sobre as políticas públicas do câncer no estado.

Entre as discussões pautadas no eixo SUS, a relacionada à Regulação da Assistência ao Paciente com Câncer aclarou que o Estado do Rio de Janeiro não tem uma metodologia formal, organizada, para mediar o caminho do paciente dentro Sistema Único de Saúde entre o cuidado da saúde, o diagnóstico do câncer e o início do tratamento.

Sem um sistema informatizado que permite identificar e direcionar o paciente em cada uma das etapas, a capacitação dos profissionais que operam as centrais e o ‘diálogo’ entre o Estado e os Municípios para agilizar os processos, a fragilidade da regulação no Rio de Janeiro foi vista pelos palestrantes da mesa como motivo de muita preocupação e até de constrangimento.

"Embora o INCA esteja fazendo o seu trabalho, é vergonhosa a situação do Rio de Janeiro. Não conseguimos fazer os nossos registros. Eu trouxe a planilha da regulação do município, mas não vou mostrá-la, para não mostrar a nossa fragilidade”, declarou o Diretor Médico Assistencial do Hospital Federal dos Servidores do Estado do Rio de Janeiro, Dr. Plínio Tostes Berardo.

Regular a Assistência é organizar o caminho que o paciente faz para conseguir acionar o Sistema Único de Saúde em todos os seus graus de complexidade, desde o acesso a uma consulta e exame, até o final do tratamento. Gestores de hospitais do Rio de Janeiro deixaram clara a grande dificuldade para o acesso a simples exames, como a mamografia, e para os exames mais complexos, como colonoscopias e biópsias.

A mastologista Thereza Cypreste, fundadora e diretora técnica da ADAMA (Associação dos Amigos da Mama de Niterói), falou sobre a gravidade da situação na instituição onde atua. "Eu tenho um pedido de mamografia de um médico da família parado desde novembro de 2012. De que adianta iniciarmos o tratamento em até 2 meses, como preconiza a nova lei, se a paciente está estancada antes do diagnóstico, por causa da ineficiência da regulação?”, questiona.

Dra. Thereza acrescentou que além dos problemas decorrentes da ineficiência das centrais de regulação, há ainda a urgência na contratação de médicos especialistas. "No serviço que dirijo faltam patologistas. Estou com um exame desde o final do ano passado ainda sem biópsia. Porque? Pois dois médicos se aposentaram e não foi aberto concurso público até agora”.

O representante da FEMERJ - Federação dos Hospitais Filantrópicos do Rio de Janeiro – Dr. Marcelo Prelló, citou como problema maior a escassez de recursos e de serviços. "Não adianta a regulação enviar o paciente para fazer um exame se o hospital não é capaz de atendê-lo. Nós estamos aqui falando em gestão da saúde, mas deveríamos falar de gestão do subfinanciamento da saúde”.

Mais discussões

Outros debates importantes marcaram o II Fórum Regional de Discussão de Políticas de Saúde em Oncologia. Acesso ao tratamento rápido e de qualidade como saída à judicialização, a inclusão da quimioterapia oral no rol de procedimentos da ANS e discussões sobre os direitos do paciente com câncer foram temas discutidos.

Sobre o Instituto Oncoguia

O Instituto Oncoguia é uma entidade sem fins lucrativos com sede na capital paulista, fundada em 2009 com a missão acabar com o preconceito, o sofrimento e as mortes causadas pelo câncer no Brasil, por meio de ações de educação, conscientização, apoio e defesa de direitos dos pacientes.

Composta por equipe multidisciplinar de profissionais da área da saúde, direito e comunicação, o Instituto Oncoguia desenvolve projetos em 4 núcleos:Educação em Saúde; Apoio ao Paciente, Advocacy e Informação de Qualidade. Dentre os principais projetos estão o Portal Oncoguia (o maior e mais completo canal de informações brasileiro em oncologia), o Programa Oncoguia na comunidade M´Boi Mirim e o Programa de Apoio ao Paciente com Câncer,em que, por meio de ligações gratuitas, o paciente de qualquer lugar do Brasil pode tirar dúvidas a respeito de seus direitos, tratamentos e qualidade de vida.

www.oncoguia.org.br - 0800 773 1666

Mais Informações à Imprensa



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive