Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Boehringer Eisai Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

SBOC publica posicionamento sobre duração do tratamento de câncer de mama HER2 +

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 20/06/2018 - Data de atualização: 20/06/2018




O trastuzumabe trouxe uma melhora significativa da chance de cura para pacientes com câncer de mama HER2 +, sendo considerado um dos maiores avanços da oncologia clínica nas últimas décadas. Estudos calcularam que o tratamento com trastuzumabe adjuvante, após a cirurgia, reduziu em 40% o número de recidivas e em 34% o número de mortes. O custo, entretanto, é muito alto, tornando-se um problema no financiamento da saúde, tanto no sistema público como nos planos. O estudo Persephone, apresentado no último congresso da American Society of Clinical Oncology (ASCO 2018), trouxe importantes novidades a respeito.

Patrocinado pelo governo inglês por meio do National Institute for Health Research e apresentado pela professora Helena Earl, da Universidade de Cambridge, o estudo foi realizado em 152 centros do Reino Unido entre 2007 e 2015 com a participação de 4089 pacientes, divididos em grupos que receberem 6 ou 12 meses de tratamento, com quimioterapia administrada de maneira concomitante ou sequencial. O tratamento conseguiu ser completado em 86% das pacientes e 13% delas apresentaram recidivas ou morreram.

A sobrevida livre de doença foi igual em ambos os grupos, ao redor de 89% aos 4 anos de seguimento, com sobrevida global em ambos os grupos ao redor de 94%. A toxicidade cardíaca foi de 8% no grupo tratado por 12 meses e 4% no grupo tratado por 6 meses. Os autores demonstraram que o tempo de 6 meses com trastuzumabe não é menos eficiente que 12 meses de tratamento, com redução importante dos custos e da toxicidade cardíaca.

Posicionamento da SBOC

A Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC) considerou o Persephone um estudo importante e especialmente significativo para o Brasil pela possibilidade de diminuir significativamente os gastos de saúde de forma segura para as pacientes. "Entretanto, nem todas as pacientes são iguais e é muito importante individualizar a conduta", destacou o posicionamento oficial da entidade. Pacientes com baixo risco de recorrência (tumores menores que 2 cm e sem nódulos nas axilas) são atualmente tratadas com esquema reduzido de quimioterapia e com 12 meses de trastuzumabe e essa conduta, para a SBOC, deve ser mantida. Além disso, as pacientes de alto risco (tumor localmente avançado, axila com mais de 4 linfonodos) também devem continuar recebendo tratamento com trastuzumabe por 12 meses.

"Essas decisões devem ser tomadas de forma individualizada, levando-se em conta, inclusive, as preferências pessoais das pacientes. Para todas as outras pacientes, entretanto, consideramos que o tratamento com quimioterapia de 6 meses de trastuzumabe não é inferior a 12 meses. Os recursos financeiros economizados com esse novo esquema podem ser transferidos para ampliar o acesso a outros tratamentos de câncer, em especial nos serviços públicos. Isso representa uma excelente oportunidade de atender pacientes que, hoje, não contam com nenhum tratamento eficaz oferecido pelo SUS", diz a SBOC.

A entidade ressaltou ainda que a totalidade dos dados do estudo não foi apresentada e que aguarda a publicação completa dos dados para um posicionamento final.

"A SBOC considera louvável o esforço do governo britânico em financiar pesquisa clínica de alta qualidade, visando esclarecer dúvidas importantes para a economia do país. A SBOC e a comunidade médica esperam que esse exemplo seja seguido pelas autoridades responsáveis pelas políticas públicas de saúde no Brasil. No que diz respeito à oncologia clínica, reiteramos nossa disponibilidade em ajudar a construir e viabilizar tecnicamente tais iniciativas", finaliza.

Assim o posicionamento o presidente da SBOC, Sergio D. Simon, e o diretor científico do Instituto Oncoguia, Rafael Kaliks, ambos do Hospital Israelita Albert Einstein; José Bines, da Clínica São Vicente; Gilberto Amorim, da Oncologia D’Or; Max Mano, do Hospital Sírio-Libanês; e Carlos Henrique E. Barrios, do Hospital Mãe de Deus.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2018 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive