top
Núcleo de

Advocacy

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Boehringer Eisai Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Rol de Procedimentos da ANS: avanços em oncologia foram pequenos

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 13/09/2015 - Data de atualização: 19/11/2015


A partir de 1º de janeiro de 2012, entrou em vigor a Resolução Normativa nº 262, da Agência Nacional de Saúde Suplementar, que atualiza o rol de procedimentos de cobertura obrigatória pelos planos de saúde. Ao todo, 60 procedimentos novos e revisados terão de ser custeados pelos convênios. Esta nova listagem de cobertura inclui exames, tratamentos e outros procedimentos.

No que diz respeito à oncologia, foram pouquíssimos os avanços em relação ao rol de procedimentos anterior. Isso é o que afirma a equipe do Instituto Oncoguia - organização sem fins lucrativos dedicada à defesa dos pacientes com câncer por meio de informação de qualidade para um autocuidado em saúde, qualidade de vida e cidadania - que durante o processo de discussão da revisão do rol de procedimentos, participou ativamente por meio do envio de contribuições à consulta pública submetida pela ANS e também da realização de uma campanha nacional pela Inclusão da Quimioterapia Oral e outros procedimentos na lista, que resultou no envio à ANS de um abaixo-assinado com mais de 18 mil assinaturas.

Figuram nos novos procedimentos em oncologia uma nova indicação para o exame PET-SCAN (ou PET-CT) - modalidade de diagnóstico por imagem que permite avaliar presença de pequenas metástases. O exame, que antes era obrigatoriamente coberto para casos de câncer de pulmão e linfoma, passa agora a poder ser usado em pacientes portadores de câncer de colo-retal. Vários outros tipos de tumores, para os quais a técnica seria extremamente benéfica, continuam fora da lista de cobertura. Passa também a figurar na lista a Radioterapia Tridimensional (para sistema nervoso central e mama), modalidade que embora constitua um avanço em relação à cobertura antiga, não cobre todos os avanços que se esperava no que diz respeito à radioterapia. 

Para a presidente do Instituto Oncoguia, Luciana Holtz, as inclusões foram importantes, mas "estão muito longe de contemplar todas as diretrizes fundamentais para a mudança da realidade do câncer no Brasil. O envelhecimento da população e o consequente aumento da incidência do câncer fazem deste problema uma grande prioridade, que não está sendo enfrentada na velocidade e profundidade necessárias, nem no SUS, nem na Saúde Suplementar”. A quimioterapia oral, por exemplo, não foi incluída, apesar de ser um grande avanço da medicina nos últimos anos e proporcionar melhora significativa na qualidade de vida dos pacientes com câncer.

Para o diretor médico do Instituto Oncoguia, o oncologista clínico Rafael Kaliks, a não inclusão dos tratamentos sistêmicos orais (quimioterápicos, hormonioterápicos e terapias-alvo) é um contra-senso, já que a tendência é que a maioria das novas drogas antineoplásicas sejam desenvolvidas para administração por via oral. "Se a maioria das novas medicações são orais, e se as operadoras não têm de cobrir seus custos, a ANS está indiretamente transferindo uma obrigatoriedade para o SUS. Na medida em que o paciente não tem acesso ao tratamento junto ao plano de saúde, ele recorre ao SUS, onerando-o ainda mais e abrindo precedentes pela judicialização. Esta falta de cobertura é perversa, no contexto de um paciente fragilizado”.

A inércia da ANS com relação à inclusão da quimioterapia oral no rol de procedimentos tem despertado também a indignação de parlamentares. No último mês, o projeto de lei (PLS n° 352/2011) da senadora Ana Amélia (PP-RS), foi objeto de audiência pública promovida pela  Comissão de Assuntos Sociais do Senado Federal. No texto, a Senadora propõe a inclusão de tratamento antineoplásico de uso oral domiciliar na cobertura básica obrigatória dos planos de saúde, que deve ser votado ainda em 2012.

O Instituto Oncoguia também avalia negativamente a não inclusão da radioterapia com modulação da intensidade do feixe de radiação (IMRT), que foi solicitada pela ONG e diversos outros institutos de defesa de pessoas com câncer e sociedades profissionais, como a Sociedade Brasileira de Radioterapia. Para tumores de cabeça e pescoço, por exemplo, a literatura mostra que o paciente tem bem menos complicações da radioterapia com IMRT quando comparada a outras técnicas (como convencional e conformada).

Além da quimioterapia oral e da radioterapia com IMRT, outros importantes procedimentos não foram inclusos, e o Instituto Oncoguia não medirá esforços para que o paciente passe a ter acesso a esses tratamentos inovadores e importantes no combate e controle do câncer.


Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2017 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive