Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Boehringer Bayer Janssen MSD Takeda Astellas UICC Libbs Abbvie Ipsen Sanofi Daiichi Sankyo GSK Avon Nestlé Servier Viatris


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Retinoblastoma: saiba como identificar e quais os tratamentos para o câncer infantil que atinge os olhos

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 04/02/2022 - Data de atualização: 04/02/2022


O apresentador Tiago Leifert abriu o coração no sábado, 29, e, ao lado de sua mulher, a jornalista e youtuber Daiana Garbin, revelou o drama pessoal que o afastou da Globo. Lua, a filha do casal, de 1 ano e 3 meses, está com um retinoblastoma, um raro tipo de câncer infantil que se desenvolve na retina. De acordo com o Hospital Albert Einstein, aproximadamente 400 crianças são diagnosticadas por ano no Brasil com a doença. Noventa e cinco por cento são pacientes abaixo dos cinco anos. Além do Einstein, a Jovem Pan consultou a Rede D’Or São Luiz, o Ministério da Saúde, o Instituto Nacional do Câncer (Inca) e a ONG Oncoguia para mostrar quais são as causas, os sintomas, como fazer o diagnóstico precoce e os tipos de tratamento.

Causas
O retinoblastoma pode ser unilateral (quando atinge apenas um olho) ou bilateral (tumor nos dois olhos). O primeiro caso é mais comum. De acordo com o Inca, corresponde a 75% dos diagnósticos da doença. Destes, 90% surgem da mesma forma que outros tipos de câncer (mutação em alguma célula). Já o bilateral, hereditário e presente em 25% dos pacientes, é caracterizado pela ocorrência de mutações do gene RB1. Segundo Leifert, sua filha tem o tumor nos dois olhos, mas já enxerga bem do lado esquerdo. “O direito ainda precisa de mais cuidados”, declarou.

Sintomas
Os pais devem ficar atentos principalmente à leucocoria, um reflexo branco na pupila, popularmente conhecido como reflexo do olho de gato. Ela está presente em 90% dos casos diagnosticados. A mancha esbranquiçada, segundo o Einstein, indica que uma fonte luminosa está incidindo sobre a superfície do tumor e impede a passagem de luz. Foi desta maneira que Leifert percebeu que havia algo errado com Lua. “A gente teve muita sorte ao descobrir, porque a Lua sempre enxergou tudo. Só que o Tiago começou a perceber um movimento estranho no olhinho”, relatou Garbin. É possível identificar a leucocoria apontando uma luz branca sob os olhos da criança ou até mesmo por meio de uma foto com flash. Fotofobia, estrabismo, heterocromia, sangramento em alguma parte do olho e vermelhidão são outros sinais que requerem atenção. Em fases mais agudas, o paciente pode apresentar dores de cabeça, dores nos olhos e globo ocular maior do que o normal (o que pode até afetar a visão parcial ou total).

Não há nenhuma forma de prevenir o retinoblastoma, mas, quanto mais cedo descobri-lo, melhor. “O estágio avançado de doença se correlaciona com o atraso no diagnóstico”, alerta o Inca. Recomenda-se a visita a um oftamologista antes de a criança completar um ano, apresentando ou não os sintomas. A visita a um profissional se torna obrigatória quando os pais identificam os sintomas relatados, sobretudo a leucocoria. O levantamento do histórico familiar, o exame de fundo do olho e a ressonância nuclear magnética de órbita são ferramentas preciosas para o diagnóstico preciso. Geralmente, não é necessária a confirmação por biópsia.

Tratamento
As chances de cura são estimadas em 90%. “O principal objetivo do tratamento é eliminar o tumor, salvando a vida da criança, preservando a visão e o olho, além de prevenir a volta do câncer”, destaca o São Luiz. No entanto, o diagnóstico tardio costuma deixar sequelas. Mais de 50% dos pacientes acabam submetidos à enucleação (remoção cirúrgica do globo ocular). As abordagens, em muitas ocasiões, são combinadas.

Confira os principais tratamentos:
laserterapia (para os tumores menores);
crioterapia (congelamento e destruição do tumor);
quimioterapia (redução do tamanho do tumor para prevenir sua multiplicação);
radioterapia (outra técnica que consiste em reduzir o tumor);
quimioterapia intra-arterial (injeção do quimioterápico na artéria que fornece sangue ao olho);
enucleação (retirada do globo ocular via procedimento cirúrgico);
transplante de medula óssea (quando a doença reaparece fora do olho);
transplante de célula tronco (quando a doença se dissemina para fora do olho).

Mataéria publicada pela Jovem Pan em 30/01/2022.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2022 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive