Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Rede pública vai oferecer droga de alto custo para câncer de mama

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 15/05/2013 - Data de atualização: 15/05/2013


O Ministério da Saúde avisou que a rede pública passará a oferecer o medicamento trastuzumabe, usado por cerca de 25% das mulheres com câncer de mama.

O remédio já é usado na rede privada há alguns anos e é oferecido por parte dos hospitais públicos de alguns Estados, como em São Paulo.

A ideia é que, agora, esse tratamento, que custa em torno de R$ 7.000 por mês, alcance o SUS como um todo.

A incorporação do trastuzumabe ocorre após recomendação da Conitec (Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS), feita em maio, e após o governo sofrer pressões na Justiça. A medida foi antecipada ontem pelo jornal "O Estado de S.Paulo".

Só neste ano, o ministério já gastou R$ 12,6 milhões com a compra desse remédio por ordens judiciais. Em 2011, foram R$ 4,9 milhões.

Com a incorporação do remédio, o governo prevê gastar R$ 130 milhões por ano.

Segundo o oncologista Rafael Kaliks, diretor científico do instituto Oncoguia, o trastuzumabe ataca um "alvo" presente em até 25% das pacientes com câncer de mama.

Ele age tanto no pós-operatório quanto nos casos em que a doença está disseminada, segundo o médico.

O câncer de mama é o mais comum entre as mulheres. Estimativas do ministério apontam para 52,6 mil novos casos da doença entre este ano e o próximo.

BARREIRA

Apesar de comemorarem a oferta do trastuzumabe, entidades apontaram a necessidade de outras medidas acompanharem o anúncio.

Uma delas é aumentar o reembolso que os hospitais recebem do governo pelo tratamento de cada paciente.

"Se o ministério reembolsa R$ 1.000 para a paciente com câncer de mama, o hospital não vai poder dar uma medicação de R$ 7.000", diz.

Segundo o Oncoguia, hoje o reembolso está em cerca de de R$ 570 mensais no início da doença e o valor aumenta nas fases mais avançadas.

Outra questão a ser detalhada é a orientação de como será feito o tratamento, diz Anderson Silvestrini, presidente da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica.

Segundo ele, estudos demonstraram que, no tratamento pós-operatório, o remédio deve ser administrado por um ano. "Usar menos que isso é jogar dinheiro fora." Para Silvestrini, a introdução da droga "demorou muito". "O remédio está no serviço privado há quase dez anos."

Essa orientação deve constar do protocolo a ser divulgado nos próximos seis meses, segundo o ministério. É esse o prazo para que a rede pública faça a incorporação.

Segundo Carlos Gadelha, secretário de Ciência e Tecnologia do ministério, a tendência é que a compra do remédio seja centralizada para distribuição nos Estados.

Ele informou ainda que não está definido o tempo para o tratamento, mas será o "mais indicado pela literatura médica".

Publicado em:
  • BOL Notícias em 24/07/2012
  • Folha de São Paulo em 24/07/2012
  • TUDO FARMA em 24/07/2012
  • Site da Associação Médica de Minas Gerais em 24/07/2012
  • ABRADILAN em 24/07/2012



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2022 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive