Tipos de Câncer

Câncer de Pulmão de Não Pequenas Células

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Radônio e Câncer de Pulmão

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 04/11/2018 - Data de atualização: 04/11/2018


O radônio é a segunda principal causa do câncer de pulmão após o tabagismo e a principal causa do câncer de pulmão em não fumantes. O público tende a pensar que o câncer de pulmão ocorre apenas em fumantes, mas isso está não é uma verdade.

Testes nas residências

Estatisticamente, o radônio seria a causa mais provável pela morte de muitas pessoas por câncer de pulmão, como, por exemplo, de Dana Reeve, a esposa do Superman, aos 46 anos. Enquanto o fumo passivo foi divulgado como um possível culpado, essas mortes ocorrem por causa de um gás invisível presente no porão das casas, onde mulheres e crianças podem estar expostas a um risco muito maior. Infelizmente, o estigma que retrata o câncer de pulmão como uma doença do fumante interfere na divulgação e nas medidas que devem ser tomadas para prevenir o contato com o gás.

Radônio

Radônio, é um gás radioativo sem sabor, cor ou odor, liberado do solo em regiões ricas em minério como urânio, é a segunda causa mais comum de câncer de pulmão, perdendo somente para o fumo. O radônio pode entrar nas residências através das rachaduras nas fundações, pisos e paredes, aberturas em torno de bombas de água, depósitos, drenos, e fendas ao redor das tubulações. O radônio também pode estar presente no abastecimento de água em residências. As casas mais novas podem ser mais bem vedadas - permitindo que o gás radônio se acumule em menor grau. Entretanto, o nível de radônio varia muito, mesmo em uma única área geográfica.

Causa do câncer

O gás radônio é um gás radioativo. As substâncias radioativas têm núcleos instáveis ​​que emitem partículas durante seu processo para se tornarem estáveis. Quando o gás radônio é inalado, emite partículas alfa que, por sua vez, danificam o DNA presente nas células pulmonares. Após um tempo de exposição e de constante dano, essas células apresentam alterações genéticas e são transformadas em células cancerígenas.

Testes

Todas as casas devem realizar testes para verificar a presença do radônio, embora algumas regiões tenham uma probabilidade maior de apresentarem níveis mais elevados. A Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos (EPA) tem um mapa da zona de radônio para as pessoas interessadas avaliarem o risco em seu estado. Em geral, estima-se que 1 em cada 15 residências nos EUA tenha um nível de radônio elevado e, globalmente, a Organização Mundial de Saúde estima que até 15% dos cânceres de pulmão no mundo são devido à exposição ao radônio.

Significado dos resultados

Nos Estados Unidos, um nível de radônio acima de 4pCi/l é considerado anormal e deve ser reparado. O reparo também deve ser considerado para níveis entre 2pCi/l e 4pCi/l. No Canadá, qualquer nível acima de 2pCi/l é considerado anormal. Para entender o significado desses níveis, a Agência de Proteção Ambiental fez uma avaliação de risco para radônio em residências. Um nível de radônio de 4pCi/l é considerado cinco vezes mais propenso a resultar em morte do que o risco de morrer em um acidente de carro.

Fonte: Radon and Lung Cancer

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive