Tipos de Câncer

Leucemia Linfoide Aguda (LLA)

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Boehringer Bayer Janssen MSD Takeda Astellas UICC Libbs Abbvie Ipsen Sanofi Daiichi Sankyo GSK Avon Nestlé Servier Viatris


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Radioterapia para leucemia linfoide aguda (LLA)

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 03/07/2015 - Data de atualização: 08/09/2022


O tratamento radioterápico utiliza radiações ionizantes para destruir ou inibir o crescimento das células anormais que formam um tumor. A radioterapia geralmente não faz parte do tratamento principal para pacientes com leucemia linfoide aguda, mas é administrada em determinadas situações:

  • Para tratar a disseminação para o cérebro, líquido cefalorraquidiano ou para os testículos.
  • Para irradiar o corpo todo antes de um transplante de células-tronco.
  • É usada (raramente) para reduzir um tumor que pressiona a traqueia, provocando problemas respiratórios.
  • Pode ser usada para diminuir dores ósseas, se a quimioterapia não estiver respondendo.

A radioterapia externa é o tipo de tratamento utilizado com mais frequência para a leucemia linfoide aguda. O procedimento é indolor. Cada tratamento dura apenas alguns minutos, embora o tempo de posicionamento do paciente na mesa de tratamento, normalmente leva mais tempo.
 
Os efeitos colaterais dependem do local irradiado e da dose de radiação, podendo incluir:

  • Fadiga.
  • Reações cutâneas.
  • Perda de cabelo.
  • Náuseas e vômitos.
  • Diarreia.
  • Aftas e problemas de deglutição.
  • Dor de cabeça.
  • Diminuição das taxas sanguíneas.

Esses efeitos tendem a desaparecer com o término do tratamento.
 
Para saber mais, consulte nosso conteúdo sobre Radioterapia.
 
Para saber mais sobre alguns dos efeitos colaterais listados aqui e como gerenciá-los, consulte nosso conteúdo Efeitos Colaterais do Tratamento.
 
Texto originalmente publicado no site da American Cancer Society, em 17/10/2018, livremente traduzido e adaptado pela Equipe do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2022 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive